ESTRELAS E VEÍCULOS DE MANIFESTAÇÃO DA CONSCIÊNCIA

Somos muito mais do que sabemos e aparentamos. Embora revestidos de carne e ossos, somos estrelas imortais, centelhas do TODO, viajando pela nave-universo nas ondas da evolução.

O corpo físico é um envoltório energético denso que a Mãe-Terra emprestou-nos apenas por um tempo de vida. É um instrumento de trabalho e aprendizado para a consciência em sua rota de experiências variadas. É um limitador energético natural, elaborado pela natureza para represar a consciência no reino dos cinco sentidos e forçá-la a desenvolver o vasto potencial dos outros sentidos latentes. É a amarra consciencial lastreando e suportando a freqüência dos outros corpos sutis. Semelhante à uma roupa apertada (e ainda preso pela camisa de força energética que é o duplo etérico), o corpo denso retém a consciência no plano da Terra. Essa é sua função no contexto. Ou seja, o soma não é bom ou mau, é apenas um envoltório instintivo da natureza em plena função de restringimento dos outros veículos de manifestação. Por isso, deve ser cuidado e respeitado pelo seu usuário temporário.

Não tem nada a ver aquela história de pessoas bitoladas em alguma área espiritual negarem o valor do corpo físico. Se ele não fosse útil à evolução da consciência, certamente que a natureza já teria arrumado outro jeito de alavancar seu progresso.

A consciência não é o corpo, mas está restringida por ele no momento. Durante o sono ou o relaxamento apropriado, ela desprende-se naturalmente e viaja pelos planos sutis revestida de corpos menos densificados (no plano astral manifesta-se pelo psicossoma, também chamado de corpo sutil, corpo de luz, perispírito, corpo astral, corpo psíquico e tantos outros nomes que cada doutrina arranjou ao longo dos milênios para descrever o corpo espiritual. No plano mental manifesta-se pelo corpo mental, a mente, também chamada de mentalssoma, veículo de manifestação sem forma, pura luz quintessenciada, pura ananda, como diriam os meus amigos iogues). Ou seja, a consciência é multidimensional e sua verdadeira morada é nos planos da pura consciência, sem forma, sem tempo, puro espírito, inconcebível pelos parâmetros cerebrais e fora de alcance dos cinco sentidos convencionais. Porém, para seu aprimoramento consciencial, ela viaja ao longo da evolução anexada a corpos apropriados para os tipos de experiências de que necessita. A medida que ela aproveita essas experiências, esses veículos de manifestação tornam-se mais e mais sutilizados, podendo-se dizer que ela traz o Céu na Terra, o mais puro melhorando o mais denso, lentamente, passando por vários estágios e sempre evoluindo. Em dado momento de sua evolução, ela se dá conta de que os veículos de manifestação são camisas de força energéticas, cada um no seu devido plano vibracional. Então, surge o desejo natural de transcendê-los e viajar conscientemente por outros níveis conscienciais. Isso é um processo natural e irreversível quando chega o momento devido. Por isso, há tantas pessoas com aspirações espirituais batalhando por algo melhor na existência.

Porém, o fato de estudar a natureza dos corpos sutis não é motivo para ninguém desprezar o corpo físico e desdenhar de sua importância no contexto evolutivo pelo qual passa toda consciência que estagia num orbe com as características da Terra. Ele é o mais denso e a consciência espiritual não é terrestre. Contudo, é a nossa casa no momento, é a nossa base de manifestação atual. Precisa ser cuidado com todo carinho e respeito. Inclusive, porque estando bem cuidado serve para possibilitar uma melhor manifestação do espírito na escola da Terra.

Podemos projetar os corpos sutis para fora do corpo denso temporariamente, durante o sono ou mediante algum recurso desenvolvido com essa finalidade. Mas, que nenhum de nós se esqueça de também transcender os limites durante o dia e na manifestação cotidiana. Podemos estudar os temas conscienciais pertinentes, mas sem perder o bom humor, sem bloquear o coração, sem medo dos sentimentos e sem menosprezarmos o nosso corpo, ou melhor, o nosso freio.

Somos pura consciência, mas estamos ligados ao corpo denso no momento. Precisamos aprender a arte do equilíbrio, na Terra, em outros orbes, em outros planos e em qualquer dimensão onde a evolução nos colocar. Precisamos viajar bem por qualquer plano e por qualquer veículo de manifestação.

No corpo denso, façamos viagens excelentes pelo plano físico, dia a dia, no meio das pessoas, trocando com elas (rindo, abraçando, vivendo) e aprendendo a difícil arte dos relacionamentos humanos. No corpo extrafísico, façamos viagens maravilhosas pelos níveis espirituais e busquemos o autoconhecimento (com modéstia, boa vontade, amor) e a elevação dos sentimentos, junto com os amparadores e suas atividades de esclarecimento e assistência espiritual. No corpo mental, façamos viagens pela consciência cósmica em plena união com o TODO.

Somos estrelas viajando por corpos e planos. Nossa casa é a Terra, que nos hospeda nesse momento, mas pertencemos a outros planos. Possamos viajar bem, sempre objetivando o crescimento. Seja dentro ou fora do corpo, façamos o melhor!

Concluo esses escritos com duas pequenas mensagens do mestre Mikael Aivanhov, extraídas do livro "Viagem Espiritual I":

PEQUENO RECADO REENCARNATÓRIO

No departamento reencarnatório da Espiritualidade está bem visível, para que todo espírito reencarnante leia com atenção antes de entrar no útero, a seguinte inscrição em fogo numa imensa placa espiritual:

"O CORPO HUMANO É UM MENINO TRAVESSO QUE A EVOLUÇÃO DEU-LHE, ATRAVÉS DA REENCARNAÇÃO, PARA QUE VOCÊ, O ESPÍRITO IMORTAL E SENHOR DAS AÇÕES, EDUQUE-O ATRAVÉS DO DISCERNIMENTO.
POR ISSO, AJA DIREITO!"

- Mikael Aivanhov -

O AMOR DA VIDA

Quando se ama alguém profundamente, fazemos tudo para que a criatura amada seja muito feliz. Qualquer sacrifício é válido para vermos o nosso amor contente.

Assim também é a vida conosco. Por mais que queiramos fugir, de todas as maneiras, lá está ela, presente em todos os instantes, transbordante de amor, a nos contar poemas maravilhosos, a nos fazer juras de amor eterno e a clamar para que nos casemos com ela. Parece que, em priscas eras, ela prometeu ao Criador que não nos abandonaria nunca, que tudo faria para que nós crescêssemos e fôssemos felizes.

Ela quer cumprir sua promessa. Vamos deixar? Que tal marcar logo a data do casamento? A eternidade nos espera como testemunha desse amor sempre vivo.

- Mikael Aivanhov -

(Esses escritos são dedicados a Mãe-Terra e ao Pai-Espaço, na eternidade de um momento de amor e paz, onde uma estrela num corpo denso escreve e ri, enquanto escuta um rock progressivo escolhendo as músicas para um programa de rádio viajante).

- Wagner D. Borges -
São Paulo, 04 de julho de 2000 às 18:00 h

PS: Enquanto eu escrevia, rolava aqui em casa o possante som da banda alemã de rock progressivo "PUR" (Cd. "Abenteurland").


Texto <229><06/07/2000>

ImprimirEmail