A Grande Respiração Psíquica dos Yogues - por Yogue Ramacháraca

Os Yogues tem uma forma predileta de respiração psíquica que praticam ocasionalmente, e à qual deram um nome Sânscrito que traduzimos com os termos "grande respiração psíquica".
 
Apresentamo-lo por último, porque requer um conhecimento prático da respiração rítmica e imaginação mental, que o estudante pode obter por meio dos exercícios que precedem. Os princípios gerais da Grande respiração resumem-se no antigo provérbio hindu que diz: "Bem-aventurado o Yogue que respirar através dos seus ossos".

Este exercício encherá de Prana (força vital, energia) todo o organismo, e dará energia a todos os ossos, músculos, nervos, células, tecidos, órgãos e partes, afinando-os todos por meio do Prana e pelo ritmo respiratório. É uma purificação geral do sistema, e quem o pratica cuidadosamente, terá uma sensação como se tivesse obtido um corpo novo, recém-criado, desde o crânio até às solas dos pés.

Deixaremos o exercício falar por si mesmo:

1. Deitai-vos, numa posição cômoda, e com os músculos afrouxados.

2. Respirai ritmicamente, até estabelecerdes ritmo perfeito.

3. Depois, ao inalar e ao exalar, formai a imagem mental da respiração haurida através dos ossos das pernas, e pelos mesmos expelida; em seguida formai a imagem mental da respiração haurida e expelida pelos ossos dos braços; pelo crânio; pelo estomago; pela coluna espinhal; e depois como se a respiração fosse inalada e exalada por todos os poros da pele, estando todo o corpo cheio de Prana e vida.

4. Em seguida, (respirando ritmicamente), enviai a corrente de Prana aos seguintes Sete Centros Vitais, um após outro, aplicando a imagem mental como nos exercícios precedente:

a. À testa;

b. À parte posterior da cabeça;

c. À base do cérebro;

d. Ao plexo solar;

e. Região sacra (parte inferior da espinha dorsal);

f. À região do umbigo;

g. Às partes genitais.

Terminai, fazendo passar a corrente de Prana por todo o corpo desde o crânio até aos pés, algumas vezes.

- Por Yogue Ramacháraca -

(Texto extraído do excelente livro "A Ciência da Cura Psíquica" – Ed. Pensamento)


Texto <512><16/04/2004>

ImprimirEmail