Entrevista com Patrick Druot no Programa Viagem Espiritual

pdruot
Entrevista com o escritor francês Patrick Druot, autor de vários livros, dentre eles: "Somos todos Imortais" e "Cura espiritual e Imortalidade".
(Entrevistado pelo Prof. Wagner Borges no seu programa Viagem Espiritual da Rádio Mundial de SP. 95,7 FM).
 
 
 
 
 

Olá, amigos ouvintes.

Muito boa noite.

Está aqui no estúdio da rádio, ao vivo, o pesquisador francês Patrick Drouot, internacionalmente conhecido, autor de vários livros, alguns deles editados aqui, em português. Inclusive, há um livro dele excepcional, o "Cura Espiritual e Imortalidade" (Editora Nova Era - Record), que fala muito de chacras, nádis, kundalini e todas as pesquisas que ele vem fazendo.

Ele busca fazer uma ponte para interpretação desses chamados temas espirituais sob a ótica da Física moderna, unindo a isso o conhecimento xamânico, o conhecimento oriental e fazendo disso uma fusão, um trabalho de pesquisa. Vamos chamar isso de multicultural, porque reúne várias informações num trabalho só. O Patrick Drouot está aqui no Brasil para uma série de conferências e nós conseguimos trazê-lo aqui para o programa; é uma chance muito boa para a gente bater um papo muito bacana.

- Wagner: Patrick, estamos contentes de tê-lo aqui no programa e gostaria que você nos contasse um pouco de sua história, como você começou, e o que o motivou para a pesquisa?

- Patrick: É uma historia um pouco longa, eu vou resumir vinte anos de trabalho e quinze anos de pesquisas em cinco minutos. Há vinte anos atrás eu era um homem socialmente normal - eu sou físico teórico - me interessei pelos fenômenos anormais ligados às atividades cerebrais.

Eu estudei o cérebro durante um ano e me especializei em Neurofísica, e eu percebi que os médicos e os neurologistas conheciam somente as atividades da superfície do cérebro, mas ninguém era capaz de me explicar o que é que fazia o cérebro funcionar e ouvi falar de fenômenos que estavam ligados ao conjunto das tradições da humanidade, e que o conjunto das nossas tradições científicas são incapazes de explicar.

Comecei a fazer o que os estudiosos fazem, comecei a estudar. Eu comecei a estudar as diferentes escolas da Índia, principalmente a Kriya Yoga, os elementos do Budismo tibetano e da medicina tibetana, eu trabalhei e vivi com os índios da América do Norte e com as populações da Polinésia do Pacífico do Sul; percebi que essas pessoas tinham um conhecimento excepcional, tipo de herança que nós esquecemos e percebi que eles tinham o que nós podemos chamar de técnicas para abrir a consciência.

Por volta dos anos de 1983-1984 eu comecei a ter experiências que não pertencem ao mundo clássico e a pergunta era sempre a mesma: será que a gente pode explicar esses fenômenos com o avanço da Física Quântica? E, respeitosamente, pelo conjunto de todas essas tradições eu acredito que todos os sábios, todos os xamãs, todos os santos que existiram desde o início eram físicos antes mesmo que a Ciência existisse, porque eles explicavam o que acontecia além da realidade ordinária comum, exatamente o que o avanço da Física quântica tenta fazer atualmente.

E para terminar a resposta a essa questão, eu acredito que essa busca científica do início se tornou uma espécie de missão do Graal.
O que é realmente o ser humano?

- Wagner: Inclusive, os xamãs dos vários povos indígenas sempre falaram desses estados alterados de consciência e, nesse caso, eles são desbravadores, bandeirantes conscienciais muito antes de nós.

- Patrick: O que deixou os antropólogos estupefatos nos anos 40, 50 e 60, é que nas tradições nativas eles utilizam, como vocês sabem, ritmos de tambor, seja os polinésios, os índios da América do Norte ou mesmo do Brasil.

Os pesquisadores modernos descobriram que o ritmo do tambor corresponde exatamente ao ritmo do cérebro, quer dizer, eles eram capazes de induzir a estados alterados de consciência através dos batimentos expressivos do tambor.

- Wagner: Isso, sem sombra de dúvida, influencia diretamente as ondas cerebrais.

- Patrick: Os fisiologistas dos anos 50 percebiam que o cérebro reagia aos sons e as luzes, isso quer dizer que o cérebro vai se colocar em sincronismo com os ritmos repetitivos. O exemplo mais simples e mais conhecido é o metrônomo do hipnotizador.

- Wagner: Certo, eu sei que você esteve fazendo algumas pesquisas no Instituto do Robert Monroe, nos Estados Unidos, na Virgínia, que você esteve fazendo pesquisas lá com ondas cerebrais e experiências fora do corpo.
Eu queria que você comentasse um pouco sobre essas experiências.

- Patrick: Aconteceu um fenômeno muito particular comigo nos anos 1985-1986, eu não sei se são as experiências que eu comecei a ter alguns anos atrás, eu comecei a ver o duplo, eu comecei a ver o corpo sutil.

Ao olhar para alguém era como se um filme passasse diante dos meus olhos e eu sabia, por exemplo, que a pessoa tinha tido um tal acidente, não somente que a pessoa tinha, por exemplo, uma doença, mas eu via a origem dessa doença, e eu sou físico e aí eu ficava perguntando "o que acontece no meu cérebro"? E eu tinha ouvido falar já há alguns anos dos trabalhos do Instituto Monroe, e em 1987 eu fui vê-lo.

E eles têm um laboratório muito bem equipado e contei para ele o que acontecia, porque tinha algo muito estranho acontecendo na minha cabeça, "eu vejo a história das pessoas, olhando para elas. Eu gostaria de fazer experimentos com você, me coloque os eletrodos na cabeça e eu quero saber o que está acontecendo."

Eu gostaria de contar para você, Wagner, uma história que para mim foi muito particular. Então, eles me colocaram num quadrado fechado coberto com cobre sobre a cama de água e colocaram eletrodos na minha cabeça ligados ao sistema de informática.

Eu tenho uma particularidade, eu tenho memória visual, eu posso fotografar mentalmente alguém e isso para mim era muito prático quando eu era estudante, porque eu fotografava a lousa, o quadro negro com os escritos do professor e eu lembrava disso em casa. E eles me mostraram a foto de uma mulher, e ela se encontrava a 1500 km.

Eu olhei para a foto e representei-a em luz, eu comecei a descrever a sua vida (eu estava flutuando nessa cama de água): um nódulo canceroso, problemas dentários e a sua vida; eu via o divórcio, o antigo marido e fui voltando na sua vida pouco a pouco.

Vi uma reunião de família com um primo que estava voltando do Vietnã e aos poucos cheguei até a idade de sete anos. Eu estava isolado, eu tinha fones de ouvido e tinha microfone na minha boca, mas ninguém me dizia nada, e eu descrevi essa moça num campo com um disco voador sobre ela; eu fiquei chocado, e pensei: "eles vão achar que estou ficando louco." E eu disse em inglês: "estou vendo algo, é um alienígena".

E pela primeira vez o diretor do laboratório falou através dos fones de ouvidos: "seja mais específico", ele disse. E eu disse: "estou vendo um UFO". Ele pediu: "você pode se projetar até o UFO?"

E eu disse: "sim, a minha consciência não é local, eu posso projetá-la no Universo", e me projetei a esse local e, por dez segundos, tive a impressão de me tornar inteligente. Eu soube quem eles eram, sabia o que era a raça humana, tive milhares de informações, alguns aspectos do espaço-tempo e fiquei dez segundos, e saí desse local e a minha consciência se fechou novamente, e perdi cerca de 98% daquilo.

- Wagner: Inclusive, só interrompendo para acrescentar, eu tive uma experiência dessa também há muitos anos, numa saída do corpo. Eu encontrei alguns seres extraterrestres e eles me passaram uma série de informações em segundos, mentalmente, sobre tudo, origem da humanidade, de onde viemos, para onde vamos, tudo. Na hora que eu encaixei no corpo eu fui perdendo toda a memória, porque o cérebro não agüentava aquela carga de informação.

- Patrick: E o que era interessante é que o meu cérebro estava ligado ao sistema informático, então ele aparecia na tela do computador, e o que aconteceu é que o cérebro subiu numa freqüência que neurológicamente é impossível; o centro do cérebro subiu a 60 hertz; são freqüências impossíveis de se atingir normalmente.

- Wagner: É, porque em ondas Beta, você vai numa faixa de 14 a 30 ciclos.

- Patrick: Os epilépticos vão até 35.

- Wagner: É, e isso corresponde também com as oscilações de ondas cerebrais em vários iogues, com o despertar da Kundalini também.

- Patrick: Exatamente, e aí nós supomos que essas ondas gama, muito elevadas, seriam uma das chaves da mediunidade, e o que foi importante para mim, é que isso foi feito num ambiente estritamente científico, e o que foi interessante é que no dia seguinte, de manhã, veio um comandante psiquiatra da Força Aérea Americana, que trabalhava com os pilotos de testes sobre as variações cerebrais, e para nós então há todo um conjunto da Ciência e da Ciência espiritual que ainda resta ser descoberta.

- Wagner: Bom, vamos passar informações do workshop que você vai fazer neste final de semana. Qual vai ser a temática principal para os ouvintes terem uma idéia?

- Patrick: É a Medicina Quântica e a Medicina Ciberespacial, o que os espiritualistas e as pessoas em busca espiritual chamam de mundo astral ou de outro mundo, e que os físicos chamam de ciberespaço. O tema do workshop é chegar a ver o ciberespaço e trabalhar com os corpos sutis que evoluem no ciberespaço.

- Wagner: Certo, e isso é de muito interesse para os nossos ouvintes porque envolve naturalmente os estados alterados de consciência, a mediunidade, as saídas do corpo, a meditação, então é um curso muito legal, porque o Patrick está trazendo uma abordagem um pouco mais técnica, trazendo toda a bagagem dele de físico, e isso é muito legal porque dá suporte técnico a todas as experiências práticas que as pessoas passam, e é legal ver uma outra abordagem um tanto quanto diferente daquelas abordagens que nós estamos mais acostumados aqui no Brasil.

Isso porque o brasileiro é mais solto nessa área, mais espiritualista. É bom a gente ter o enfoque um pouco diferente dentro da área, mas dando um suporte técnico muito legal.
É a primeira vez que você vem ao Brasil, Patrick?

- Patrick: Eu já vim ao Brasil várias vezes para apresentar meus livros, em 1995, e em 1996, mas é a primeira vez que venho a São Paulo.

- Wagner: Inclusive, eu queria recomendar para vocês os livros do Patrick. Ele tem vários e o que eu gosto mais é o livro que se chama "Cura Espiritual e Imortalidade". Esse trabalho foi editado aqui no Brasil e vocês acham o livro em qualquer livraria grande; o livro fala de chacras, nádis, experiências fora do corpo, e tem toda a pesquisa técnica. É muito legal a parte dos chacras e envolve também toda a parte holística.

Ele conta nesse livro, inclusive, as experiências que passou no Instituto Monroe, onde tem até uma foto dele deitado lá com os eletrodos presos na cabeça, e eu recomendo esse livro para vocês, principalmente para quem quer aprofundar a parte dos chacras.

Está aqui nos estúdios também com a gente, a Dirce Russo que é Terapeuta em Naturopatia, trabalha com Florais, Acupuntura, Cromoterapia, Cura Prânica, e Fitoterapia também.

É a Dirce que está trazendo o Patrick aqui para São Paulo, e que fez o contato aqui com a gente. Ela acompanha o trabalho do Patrick, porque ela é aluna dele e trabalha seguindo seus ensinamentos. * Está também aqui a esposa do Patrick, Liliane, uma índia canadense muito simpática.

Estava contando para eles que eu fiz uma meditação em casa e apareceu na minha frente um índio pele vermelha desencarnado, com um cocar bem grande, e eu pensei: "esse índio deve trabalhar lá com o Patrick." Então, ele fez um gesto no ar lembrando os nádis, Ida e Pingala pela coluna, e eu falei: "esse aí não é dos meus, então é do Patrick..."

O índio já tinha ido lá! Agora que eu estou vendo que a esposa dele é uma índia canadense, está fechando direitinho... eu não sabia desse detalhe. E esse espírito indígena é muito bacana, com uma atmosfera muito legal, e eu senti que ele vinha acompanhando o trabalho do Patrick.

Vocês sabem dessas assistências espirituais invisíveis... na verdade, dão muito apoio à toda atividade sadia que qualquer ser humano esteja fazendo por aqui.

Patrick, você trouxe vários CDs, por exemplo, "Star Gate" (Portal Estelar); "Xamans World" (Mundo Xamânico); "Eearth Dream" (A Terra do Sonho); "Songs" (Canções), e vai vender durante o Workshop?

- Patrick: Sim, tenho a disposição durante o workshop e também com a Dirce pelo telefone (0**11) 6972-1094.

- Wagner: Você poderia explicar para nós como você se inspirou na festa de Wesak para fazer a música "Voyager Astral" (Viagem Astral - 6a música) do CD "Songs"?

- Patrick: A festa do Wesak é uma das maiores festas espirituais da humanidade, ela é anunciada pela Nações Unidas em Nova York. O Wesak é uma planície no norte da Índia. A festa ocorre todos os anos durante a lua cheia de touro, é a energia do Cristo que vem do leste e a energia do Buda que vem do oeste; existe dezenas de milhares de peregrinos que vêm para essa festa, e o ponto máximo do Wesak é quando a energia do Cristo e do Buda se unem.

E há dez anos atrás eu nunca tinha ouvido falar do Wesak, mas num trabalho de expansão de consciência eu vi uma planície onde as energias crísticas e búdicas se uniam, e eu fui tomado por essa sensação, por essa experiência, e eu contei, algum tempo depois, para alguns iogues essa experiência, e aí eles me explicaram o Wesak, do que se tratava e eu tentei transmitir em som essa experiência.

- Wagner: Que é justamente essa música que a gente estava ouvindo ainda agora, inspirada até para uma viagem espiritual, vamos chamar assim.

A gente tem uma ouvinte (Luzia) na linha que pergunta ao Patrick o seguinte:

"Sou uma médium que sente uma aproximação espiritual que interpenetra a minha aura e passa mensagens usando a minha voz (psicofonia) ou pela escrita (psicografia); Eu também gostaria de saber como é o lance das ondas cerebrais nesse momento da mediunidade e da incorporação"?

- Patrick: O que os pesquisadores perceberam é que existe uma diferença entre o nível das ondas cerebrais e o nível de consciência; nós pensamos que a atividade cerebral é ligada a sinais elétricos emitidos pelo cérebro, mas o nível de consciência é ligado ao campo magnético emitido pelo cérebro; nós pensamos que todas as pessoas que têm capacidade ditas mediúnicas têm uma atividade cerebral elétrica e magnética particular que é algo inato que a pessoa já tinha com ela ou poderia ser alguma coisa que poderia ser aprendida, mas eu acredito que isso também tenha uma ligação com a estrutura do seu corpo de energia, Luzia; você tem uma estrutura particular e essa estrutura permite que você tenha essas experiências que você tem, é algo que precisa ser cultivado para o belo e para o bem, e se você fizer isso nesse espírito de belas coisas, você vai conseguir muito.

- Wagner: Ou seja, usa essa capacidade para fazer coisas boas para você, para o mundo e para ser feliz...

Aproveitando, quero dizer que no próximo programa eu explico para vocês um pouquinho sobre ondas cerebrais, porque aqui a gente está aproveitando mais a experiência do Patrick; Contudo, passo agora alguns detalhes básicos só para facilitar um pouco o entendimento.

O nosso cérebro apresenta quatro tipos de ondas cerebrais:

Beta (Vigília, 30-14 ciclos por segundo), Alfa (Relax/Cochilo, 13-8 ciclos por segundo), Teta (Sono leve, 7-4 ciclos por segundo) e Delta (Sono pesadíssimo, 3-1 ciclos por segundo), e ocasionalmente algumas outras que aparecem um pouco fora dessa escala e que confunde um pouco os pesquisadores.

As pessoas chamam isso de ondas Gama (Acima de 35 ciclos por segundo, totalmente fora da escala considerada normal), e elas podem aparecer nas experiências mediúnicas, kundalínicas ou projetivas.
No próximo programa eu explicarei as ondas cerebrais mais tecnicamente para vocês.

Temos na linha mais um ouvinte (Joaquim) que quer saber do Patrick o seguinte: "Eu sou cego, e às vezes escuto certas coisas e de repente parece que minha própria mente traduz aquilo em frações de segundo para mim mesmo com som, e essas experiências nos canais auditivos começaram a acontecer comigo depois que comecei a fazer Ioga".

- Patrick: O objetivo do caminho espiritual é a realização; no caminho dos iogues você vai encontrar o que eles chamam de ativação dos sidhis;

Eles são o que a gente chama aqui no Ocidente de dons paranormais: a clarividência, a clariaudiência, etc. Então, de acordo com a sua estrutura psíquica pode haver a clariaudiência (audição de sons psíquicos) que pode ser ativada, ou a clarividência (paravisão), ou os dois; nós trabalhamos, na França, com pessoas cegas, pessoas que tiveram experiências de percepções de guias espirituais; para elas foram experiências muito emocionantes, e eu me lembro de uma pessoa que era cega de nascença e que tentava descrever a luz colorida que ela percebeu em torno de um guia; e você também pode ouvir o que a tradição chama de "música das esferas". Você pode ouvir vozes, músicas, cantos, sons... como o Wagner dizia a pouco, o fato de ter perdido um dos sentidos, os outros sobressaem porque você tem sempre cinco sentidos, mesmo que você tenha perdido um, porque o seu sexto sentido começa a se ativar.

- Wagner: É, e aí entra em ação a glândula pineal (também chamada de epífise) no centro da cabeça, daí surge um zumbido dentro do canal auditivo e uma série de coisas que você vai poder perceber.

Quero aproveitar para informar que o Patrick tem 5 livros editados aqui no Brasil: "O Físico, o Xamã e o Místico"; "Nós Somos Todos Imortais"; "Cura Espiritual e Imortalidade"; "Memórias de um Viajante do Tempo"; e "Reencarnação e Imortalidade" - todos editados pela Editora Record, coleção Nova Era.

Bom, o programa está terminando, mas o Patrick deverá voltar ao Brasil outras vezes. Quero agradecer a presença de vocês aqui na Rádio, inclusive lembrando que o Patrick esteve hoje a tarde na redação da revista "Sexto Sentido", da Editora Mythos, onde foi feita uma entrevista com ele que deverá sair num dos próximos números.

Muito obrigado, Patrick e seja sempre bem vindo ao Brasil.

-Patrick: Muito obrigado, Wagner, e a todos os seus ouvintes.

O site da Dirce é http://intermega.globo.com/ternuramidivoice/index.html

ImprimirEmail