1537- O VELOCINO DE OURO E O CORAÇÃO

1537 o velocino de ouro e o coracao
 
O VELOCINO DE OURO E O CORAÇÃO
 
O velocino* de ouro está correndo, singrando as estrelas como um bólido e deixando uma trilha luminosa pelo espaço.
Muitas lendas foram criadas a seu respeito, mas só os verdadeiros iniciados conhecem seu real significado.
De seu movimento nascem as ondas: ondas de dor, ondas de Luz, ondas de Amor...
Na oscilação dessas ondas, pulsa o coração, vertendo o sangue da experiência.
Batendo, batendo, batendo... sem parar, levando vida a cada canto e respirando a energia em forma de líquido.
Brilhando, brilhando, brilhando... sem parar, levando Luz a cada recanto.
Pulsando, pulsando, pulsando... sem parar, para romper a crisálida e fazer nascer um homem de ouro.
Velocino de ouro no espaço, coração dourado que mora no peito. Da união desses dois, nasce o iniciado. Daí resulta que:
- O movimento gera experiência.
- A experiência gera uma situação.
- A situação gera a pulsação.
- A pulsação gera brilho.
 
Deste brilho, nasce o novo Ser, renascido das próprias entranhas, um verdadeiro Dwidja**, pronto para recomeçar.
Velho homem de metal que morre, novo homem de ouro que renasce...
Não há como alcançar o velocino de ouro sem ter nascido o homem dourado, que é gerado no "útero do sentimento".
O coração fica brilhante e transforma-se em uma estrela “iniciada” na Luz.
O velocino de ouro é atraído pelo seu brilho.
Uma fusão ocorre: o velocino e o coração se unem.
É estrela com estrela gerando mais Luz nesse universo dourado.
Esse é o segredo da primeira iniciação.
O velocino de ouro correndo pelo espaço representa o homem correndo pela Evolução.
O coração pulsando representa o ritmo cósmico do Criador.
O homem correndo pela Evolução encontrará a pulsação cósmica de Deus em cada recanto do Universo.
Esse é o segredo da segunda iniciação.
O espírito emancipado singra o espaço como verdadeiro velocino humano, dourado de Amor... a ilusão foi vencida e ele descobre que, no âmago do Universo, está a verdadeira iniciação, pois, pulsando no peito de Deus está o coração de cada um que busca sinceramente a verdade.
Esse é o segredo da terceira iniciação.
O velocino de ouro e o coração é a saga do encontro entre o microcosmo e o macrocosmo... é a história da pequena-grande iniciação, que objetiva ensinar aos discípulos espiritualistas que, para expandir a consciência pelo espaço, é necessário, primeiro, expandir o sentimento pela Terra.
Que essa saga dourada possa resumir para os buscadores espirituais, “que tenham olhos para ver”, “ouvidos para ouvir”, e “conhecimento para entender”, a máxima oculta de toda verdadeira iniciação:
"Evoluir para encontrar a Pulsação de Deus dentro do próprio coração!”
 
Paz e Luz!
 
- Rama*** -
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - Texto extraído do livro "Viagem Espiritual - I" - Editora Zennex - 1993.)
 
- Notas:
* Velocino - carneiro fabuloso da mitologia que tinha velo (pêlo) de ouro.
** Dwidja - do sânscrito - o renascido; aquele que tem duas vidas. Aquele que venceu a barreira da morte e vislumbrou o que há mais além... em outras palavras, trata-se do projetor astral iniciado nos arcanos espirituais.
*** Rama – mentor extrafísico ligado ao Grupo dos Iniciados e à Fraternidade da Cruz e do Triângulo.
Obs.: Enquanto eu digitava essas linhas, lembrei-me de um belo poema projetivo de Baudelaire. Então, reproduzo o mesmo, na sequência
 
 
TRADUÇÃO DE POEMA DE BAUDELAIRE
 
Acima dos lagos, acima dos vales,
das montanhas, dos bosques,
das nuvens, dos mares,
além do sol, além do espaço etéreo,
além dos confins das esferas estelares,
o espírito se move com agilidade.
 
E como bom nadador que delira na onda,
singra alegremente a imensidão profunda,
com indizível e máscula volúpia.
 
Voa meu espírito, bem longe
desses miasmas mórbidos,
vá se purificar no ar superior
e beber como puro e divino licor
o fogo claro dos espaços límpidos,
longe do tédio e das vastas mágoas,
que carregam com seu peso a existência brumosa.
 
Feliz quem pode com asa vigorosa
se lançar aos campos luminosos e serenos,
aquele que com pensamentos como pássaros,
que de manhã voam para o céu livremente.
 
Quem paira sobre a vida e sem esforço compreende
a linguagem das flores e das coisas mudas.
 
 - Nota:
Charles-Pierre Baudelaire (Paris, 1821-1867) – foi poeta e teórico da arte francesa. É considerado um dos precursores do simbolismo e reconhecido internacionalmente como o fundador da tradição moderna em poesia, juntamente com Walt Whitman, embora tenha se relacionado com diversas escolas artísticas. Sua obra teórica também influenciou profundamente as artes plásticas do século XIX.    
 

Texto <1537><14/12/2016>

ImprimirEmail