1556 - EM TORNO DA IRRITAÇÃO

1556 em torno da irritacao
 
 
 
EM TORNO DA IRRITAÇÃO
 
Observação estranha, mas é fato real...
As ocorrências da irritação aparecem muito mais frequentemente nos caráteres enobrecidos. É uma espécie de enfermidade da retidão, se essa pudesse adoecer.
A pessoa que percebe a grandeza da vida, acorda para a responsabilidade, consagra-se à obrigação e passa a prestigiar disciplina e tempo, adquirindo mais ampla noção do dever, que reconhece precisa se exprimir irrepreensivelmente executado, supõem-se com mais vasta provisão de direitos. E, por vezes, leva mais longe que o necessário a faculdade de preservá-los e defendê-los, iniciando as primeiras formações de irascibilidade, através da superestimação do próprio valor.
Instalado o sentimento de autoimportância, a criatura abraça facilmente melindres e mágoas, diante de lutas naturais que considera por incompreensões e ofensas alheias. Chegando a esse ponto, as vítimas dessa perigosa síndrome, vinculada à patologia da mente, surgem perante os mais íntimos na condição de enfermos prestimosos, amados e evitados, de vez que não se lhes pode ignorar a altura moral e nem adivinhar o momento da explosão.
E porque o mau-humor dos espíritos respeitáveis, pelo trabalho que exercem e pela conduta que esposam, dói muito mais que a leviandade de criaturas menos afeitas à dignidade e ao serviço, semelhantes companheiros estimáveis e preciosos são procurados tão somente em regime de exceção ou postos à margem pela gentileza dos outros, interpretados à conta de amigos temperamentais ou nervosos distintos.
Examinemos a nós mesmos.
Dirijamos para dentro da própria alma o estilete da introspecção.
Se a agressividade nos assinala o modo de ser, tratemos do caráter enfermiço, com a mesma atenção com que se medica um órgão doente. E se nossa consciência jaz tranquila, na certeza de que temos procurado realizar o melhor ao nosso alcance, no aproveitamento das oportunidades que o Senhor nos concedeu, estejamos serenos na dificuldade e operosos na prática do Bem, à frente de qualquer circunstância, lembrando-nos de que a erva-de-passarinho asfixia de preferência as árvores nobres, e a tiririca se alastra, como verdadeira calamidade, justamente na terra boa.
 
(Texto dos mentores extrafísicos André Luiz e Emmanuel, recebido espiritualmente pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira - na década de 1960 – Texto extraído do livro “Estude e Viva” – Edição da FEB – Federação Espírita Brasileira.)
  

Texto <1556><05/04/2017>

ImprimirEmail