673 - O TODO, ÁRVORE DA VIDA

(Reflexões Sobre O Primeiro Amor)



Meu amigo, pondere sobre o seguinte:

O meigo Rabi ensinou: “Pela qualidade do fruto se conhece a árvore”.

Contudo, esse ensinamento não foi bem compreendido pelos homens.

Dotado da consciência cósmica, Jesus não estava falando num nível pessoal.
Ele se referia ao Universo e a Criação, pois via Deus em tudo.

Ou seja, Ele não estava falando num nível relativo, mas no plano do Absoluto.

Isso pode ser entendido num simples raciocínio:

Ao olhar uma bela obra de arte, todos ficam encantados.

Se isso ocorre com a parte exteriorizada no físico, imagine no extrafísico.

Se o belo material comove, imagine a beleza de sua inspiração invisível.

Imagine a inspiração emanando do Alto e chegando na alma do artista.

Aquela chama espiritual sutil lavando o chacra coronário e descendo ao coração.

A luz cósmica descendo no humano, na maravilha da expressão artística.

O sopro vital do Eterno vivificando a arte no homem.

Se isso é assim na inspiração artística em geral, relativa, imagine na Criação.

O Universo é uma imensa forma mental do Supremo, plasmada em vida!

Saiu da Mente Cósmica do Todo e se fez vida plena.

É obra do Absoluto. Leva sua assinatura energética em cada ser.

Ao olhar a imensidão sideral, todos ficam encantados.

Se isso ocorre com a parte que se vê no físico, imagine no plano do invisível.

Se zilhões de sóis fazem pensar na grandeza cósmica, imagine a inspiração...

Se a Criação (o fruto) é esplendorosa, imagine Sua Causa (a árvore) inspirada.

Baseado nisso, os antigos iniciados diziam:

“Medite no Seu Primeiro Amor, A Primeira Luz, O Seu Criador.”

Meu amigo, ao olhar o sol, lembre-se da Grande Luz que gera todos os sóis.

Ao olhar a vida, faça como Jesus: Agradeça ao Pai Celestial.

Ao mergulhar em si mesmo, encontre o Supremo em seu coração.

Ao olhar o tapete sideral coalhado de estrelas, lembre-se do Todo.

Se encante com o fruto, mas não se esqueça da árvore!

No visível está a assinatura do Poder Invisível.

Mas é preciso “olhos para ver”.

“Na Casa do Pai há muitas moradas”.

Uma delas é o próprio coração do homem.

Que as suas ações (seus frutos) sejam inspiradas!

Pois o Seu Primeiro Amor (a árvore) é a sua inspiração.



Paz e Luz.

Amor e Discernimento.


- Os Amigos de Ramakrishna –
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges – São Paulo, 04 de fevereiro de 2006.)

- Notas de Wagner Borges: Tudo isso que está escrito aqui me foi dito fora do corpo por um dos amparadores extrafísicos do grupo de amigos de Ramakrishna. Ao voltar para o físico, imediatamente registrei suas palavras, para não esquecê-las posteriormente. Novamente agradeço a esses amigos espirituais pelos toques legais que sempre passam. É uma honra ter amigos assim.

- Os Amigos de Ramakrishna são um grupo de amparadores extrafísicos ligados aos ensinamentos universalistas de Paramahamsa Ramakrishna. Na verdade, são meus amigos de outras vidas e, de vez em quando, aparecem para matar a saudade e dar uns toques espirituais legais.

Certa vez, um deles me disse: “Sair do corpo é fácil. Difícil é ficar em paz, dentro ou fora do corpo.”

Eles também me ensinaram essa verdade: “Dias ruins não são aqueles de tempestade, que até limpam a atmosfera de fora, mas aqueles dias em que permitimos as pesadas nuvens da mediocridade toldando o céu do coração, dentro de nós mesmos”.
Agradeço a esse grupo de amigos pela amizade e pelos toques conscienciais pertinentes, que sempre me ensinam muito.

- Paramahamsa Ramakrishna: mestre iogue que viveu na Índia do século 19 e que é considerado até hoje um dos maiores mestres espirituais surgidos na terra do Ganges. Para se ter uma idéia de sua influência espiritual, posso citar que grandes mestres da Índia do século 20 se referiram a ele com muito respeito e admiração, dentre eles o Mahatma Ghandi, Paramahamsa Yogananda e Rabindranath Tagore.

Texto <673><24/02/2006>

Imprimir Email