AQUI E LÁ, LÁ E AQUI...

Falta de calma
É sintoma de sono d’alma
Que tentando ser esperta,
Jamais desperta!

Para nossa sorte,
Não existe morte.
Só há vida, "aqui e lá",
"Lá e aqui", para nossa sorte!

Existem dias terríveis,
Mas não são aqueles de tempestade.
São aqueles dias em que
Esquecemos de Deus!

Dia de finados, dia de tolos.
Ninguém morre!
Mas se esqueceram de marcar
O dia dos vivos... que é todo dia!

Que ninguém se aflija,
Pois a morte é menina.
Quem é macho mesmo,
Encara de frente!

Na hora da morte
É que se vê,
Quanta coisa boa
Se deixou de fazer!

Alguém aí quer mensagem?
Então, que escute o coração.
E receba a psicografia
Do amor!

Alguém aí tem medo dos espíritos?
Que chato isso!
Isso quer dizer que tem medo
De si mesmo, pois também é um!

Alguém aí quer chorar?
Então, veio ao lugar errado.
A igreja é do outro lado.
Aqui é a Cia. do Amor dando conta do recado.

E só tem alegria,
Como Deus mandou.
"Aqui e lá, lá e aqui",
Tá todo mundo bem vivo!


- Cia. do Amor -
A Turma dos Poetas em Flor. *

(Recebido espiritualmente por Wagner Borges; São Paulo, 19 de setembro de 2003.)

Esses escritos foram recebidos no quadro de aula durante palestra pública no IPPB, com cerca de 250 pessoas

* A Cia. do Amor é um grupo de cronistas, poetas e escritores brasileiros desencarnados que me passam textos e mensagens espirituais há vários anos. Em sua grande maioria, são poetas e muito bem humorados. Segundo eles, os seus escritos são para mostrar que os espíritos não são nuvenzinhas ou luzinhas piscando em um plano espiritual inefável. Eles querem mostrar que continuam sendo pessoas comuns, apenas vivendo em outros planos, sem carregar o corpo denso. Querem que as pessoas encarnadas saibam que não existe apenas vida após a morte, mas, também, muita alegria e amor. Os seus textos são simples e diretos, buscando o coração do leitor.

ImprimirEmail