CARTA ESPIRITUAL

Outro dia, fui até o cemitério ver o túmulo no qual está domiciliado meu cadáver (que na vida espiritual é chamado meramente de "casquinha").

 

Não sei bem o motivo que me levou até lá, mas a visita (levada a cabo mediante um mero impulso inconsciente e aparentemente sem nenhum proveito para minha evolução) acabou levando-me a refletir sobre a brevidade da vida do encarnado na Terra e o desperdício de energia dos homens em face a adoração às emoções fúteis.

Fui levado a tal reflexão devido ao fato que passo a narrar a seguir:

- Perambulando pelo cemitério ainda há pouco, sem nenhum motivo de monta para estar ali, senti-me atraído na direção de uma bela moça loura, vestida de preto, que procurava um determinado túmulo ali pelas imediações. Aproximei-me dela e observei-a detidamente. Era realmente uma bela mulher: olhos castanhos-esverdeados, pele clara, traços delicados e silhueta soberba. Por motivos óbvios, seu semblante era triste naquele momento. Contudo, não obstante seu olhar um tanto quanto sorumbático, percebi um certo brilho em seu centro frontal, denotando, sem dúvida, que era uma pessoa inteligente. Acompanhei-a pelas vielas do cemitério até que ela encontrou o tal túmulo. A seguir, ajoelhou-se e depositou sobre a campa um buquê de rosas vermelhas e amarelas e também uma carta contida em um envelope meio entreaberto.

Naturalmente, achei bem esquisito alguém colocar uma carta para um defunto ler, mas como a atmosfera psíquica da moça irradiava inteligência, dei-lhe um crédito e continuei observando-a. Ela fechou os olhos por alguns instantes e fez uma pequena prece. Logo depois, olhou para os lados, como se pressentisse que estava sendo observada, levantou-se e caminhou apressadamente pelas vielas até o portão do cemitério.

Permaneci em pé em frente ao túmulo movido pela curiosidade, bastante intrigado, pensando comigo mesmo que quem leria aquela carta não seria o defunto, mas sim o primeiro coveiro que aparecesse por ali.

Ora, pensei! Como alguém do cemitério lerá isso mesmo, então não faz mal eu dar uma olhadinha também. Utilizando-me da maravilhosa faculdade da clarividência, que todo desencarnado em condições razoáveis já domina, direcionei o foco da visão espiritual para o envelope e, num átimo, apreendi todo o conteúdo da carta.

A moça se chamava Clara. Tinha 31 anos e sua missiva se dirigia para alguém que ela chamava simplesmente de professor.

A carta dizia o seguinte: - Caro professor, já que você partiu dessa vida tão repentinamente, endereço-lhe esta carta na esperança de que algum espírito tome ciência da mesma e comunique-lhe seu conteúdo. Sim! Você estava certo. Não escutei seus bons conselhos e me dei muito mal mesmo. Deixei-me levar pela correnteza de emoções levianas e "meu tiro saiu pela culatra". Lembro-me muito de suas palavras serenas e de seus ensinamentos espirituais; em particular, um que você sempre me dizia: "Olha, menina, cada um colhe o que planta e os efeitos sempre procuram suas causas correspondentes". Naquela época, eu não conseguia compreender isso direito, mas hoje, marcada pela dor da experiência, posso lhe dizer que a realidade da vida é assim mesmo. Sabe, professor, você foi a melhor pessoa que conheci nessa vida. Um verdadeiro sábio com aparência de pessoa simples. Acho que a essa hora você deve estar dando lições de sabedoria aos espíritos e anjos do céu. Seja como for, não se esqueça de mim. Sei que desperdicei seus ensinamentos quando você estava aqui, mas agora sinto-me predisposta a abrir a mente e aprender. De alguma maneira, seja por intuição, sonho, viagem astral ou psicografia, envie-me a luz da Espiritualidade, ou, então, peça a um de seus muitos amigos espirituais que me ajude a ter forças suficientes para vencer a correnteza de emoções fúteis que tentam me arrastar para o delírio e a depressão. Agradeço-lhe por tudo, querido professor."

Clara

Pois é, a moça era inteligente mesmo.

A carta não estava direcionada ao defunto, mas ao espírito!

E se ele tiver pelo menos a metade da sabedoria que ela acha que ele tem, então deve ser um ótimo sujeito. Checarei espiritualmente e verei se acho seu paradeiro no plano extrafisico. Se eu conseguir localizá-lo, transmitirei o conteúdo da carta e observarei quais serão os procedimentos espirituais que ele tomará a favor da moça.

Sabe, amigo leitor, escrevendo isso agora, dou-me conta de que algum poder superior, invisível a mim, impeliu-me a ir até o cemitério para que eu servisse de "carteiro extrafisico". Isso demonstra que as aspirações da moça são sinceras e que ela já está recebendo ajuda das forças espirituais superiores. Quanto a mim, despeço-me por aqui, pois agora sou "carteiro do além" e tenho que achar o tal professor aí pelas "bandas espirituais".

- Marcos da Cia. do Amor -
(A Turma dos Poetas em Flor)
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges; Salvador, 19/01/98)


ImprimirEmail