CONVERSANDO SOBRE ENTRAR E SAIR DO CORPO

(Uma Canja dos Amigos da Companhia do Amor)

Ah, meu caro, o mundo está cheio de gente complicada.
A maioria morre de medo mesmo do Invisível.
E é na hora das perdas que isso fica bem evidenciado.
Seja na ironia de alguns, ou nas tolices de outros.
O caso é que a morte chega e bate o ponto mesmo.
Ela faz o papel dela, bem direitinho, sem firulas.
É do jogo. É da vida. Faz parte. Nasceu, dançou!
Mas ninguém quer aceitar isso, pois o medo é grande.
E isso é fruto direto da ignorância espiritual.

E a morte não liga para o que os homens acham ou imaginam.
Ela chega na marca do pênalti e converte o lance, sem máscara.
E não adianta choramingar ou lamentar-se. Isso é do jogo!
Quem não quiser passar por isso, que não reencarne, ora bolas!
Que se ilumine nessa vida atual e se eleve ao infinito...
Mas isso é difícil e demanda muito crescimento e consciência.
E quem é o tal que consegue fazer isso de chofre, sem errar?
Enquanto houver reencarnação, haverá morte. Isso é fato!
Enquanto houver lambança nos atos, haverá volta à carne.
E os espíritos não têm nada a ver com isso. É da vida!
Mas o homem é cabeça dura e gosta de repetir lambanças.
Por isso, desce muitas e muitas vezes a Terra... E toma na cabeça!
Fazer o que? Isso também é do jogo. Faz parte...
O que entra no corpo, um dia sai! E novamente entra, e sai...
E essa roda de viver, na Terra e no Astral, só cessa com a iluminação.
As tolices e tonturas só cessam com o despertar da consciência.
E isso leva tempo... Se pouco ou muito, isso depende de cada um.
Mas, quem irá compreender isso com lamentação ou ironias?
Saudade boa de quem se foi é sentimento do coração. Também é do jogo.
Contudo, saudade revoltosa e que não leva a nada, essa é ruim mesmo.
Ah, meu amigo, escreve mesmo: a morte não tem hora para chegar!
Quem está vivo na carne, que fique esperto (e desperto).
A vida continua além da morte, mas, continua bem para quem já está bem.
Cada um leva dentro de si mesmo o cabedal do que pensa e faz na vida.
E isso é justo: a cada um cabe aquilo que cultiva em si mesmo.
Logo, quem quiser ficar mal após a morte, basta cultivar o mal em si mesmo.
Paraíso ou inferno, cada um carrega o seu, bem dentro do próprio coração.
Isso é da vida. É do jogo. Faz parte. E assim também é além da carne...
Cada um é o que é! Se na paz ou em trevas, quem sabe?
Então, meu caro, continue fazendo sua parte e escrevendo sobre a luz.
E quando a sua hora chegar, não faça por menos: ria na cara da morte!
Se puder, faça uma canção, só de sacanagem. E cante na hora H!
E depois, saia voando espiritualmente, de volta para casa, lá nas estrelas...
Até lá, vá fazendo sua parte na vida... O resto, o tempo ajeita, como sempre.
Nós nos encontraremos, meu caro. Faz parte. É do jogo. Isso é certo!
Que o Papai do Céu inspire seus caminhos e seu coração.
Como você mesmo diz, fique na Paz e na Luz.
(E não se esqueça de rir das tontices, principalmente das suas).

P.S.:
A vida segue... Isso é certo!
O amor também.
Então, ame.
E isso é tudo.

- Companhia do Amor* –
A Turma dos Poetas em Flor.

(Recebido espiritualmente por Wagner Borges – São Paulo, 23 de maio de 2009.)

- Nota:
* A Companhia do Amor é um grupo de cronistas, poetas e escritores brasileiros desencarnados que me passam textos e mensagens espirituais há vários anos. Em sua grande maioria, são poetas e muito bem humorados. Segundo eles, os seus escritos são para mostrar que os espíritos não são nuvenzinhas ou luzinhas piscando em um plano espiritual inefável. Eles querem mostrar que continuam sendo pessoas comuns, apenas vivendo em outros planos, sem carregar o corpo denso. Querem que as pessoas encarnadas saibam que não existe apenas vida após a morte, mas, também, muita alegria e amor.
Os seus textos são simples e diretos, buscando o coração do leitor.
Para mais detalhes sobre o trabalho dessa turma maravilhosa, ver os livros "Companhia do Amor - A Turma dos Poetas em Flor – Volumes 1 e 2" - Edição independente - Wagner Borges, e sua coluna no site do IPPB (que é uma das seções mais visitadas no site): www.ippb.org.br.

Obs.: Segue-se abaixo mais um texto desse grupo de espíritos bem legais (em conjunto com o grupo dos Iniciados).



O AMOR AMADURECE?

Em se falando de amor, tudo pode acontecer.
Tem gente que confunde emoção com sentimento ou paixão com amor.
Pensando nisso, podemos perguntar o seguinte:
O AMOR AMADURECE?
Ou será que é o amante que evolui e cresce amando?
O amor é fogo brando que aquece a alma e ilumina o sentido de viver.
A paixão é fogo alto que torra o coração e lança as cinzas em torno da mente.
O amor maduro é profundo e sereno, não causa nenhuma turbulência; não incendeia a alma; não cobra coisa alguma; não é louco; não doutrina; não reprime nunca. É quieto, mas sua canção é ouvida pelas almas brilhantes.
Voltando ao assunto: O AMOR AMADURECE? E quando ele acontece, as pessoas o reconhecem como amor?
Esse amor sereno não deseja nada, pois ele sabe o que fazer, justamente porque é sereno e responsável.
A paixão acende a fogueira do desejo e isso leva as pessoas fatalmente na direção da turbulência, pois se não se consegue o objeto do desejo, não há satisfação e, muito menos, paz de espírito. Paixão lembra traição, ciúme, loucura e briga. A maioria das pessoas que se dizem apaixonadas, na verdade, pelo ciúme que demonstram, são mais detetives do que amantes.
É de se perguntar então: um amante ama o quê? A si mesmo? O seu prazer? O seu ego?
O amor real é complexo porque exige do amante que ele ame de outro jeito. Quer que ele ame alguém, um ideal ou algo, mas sempre colocando como móvel da relação a condição de despojamento necessária à verdadeira felicidade.

- Companhia do Amor* -
A Turma dos Poetas em Flor.

* * *

No inferno das relações humanas, pode-se saber quem ama e quem tem paixão. As características diferenciais são:

Quem tem paixão:
* Tem sempre o espírito bronzeado, pois o fogo insensato queima-lhe a razão.
* Adora discutir.
* Queixa-se demais.
* Sempre diz que ama, mas não parece, pois tem sempre uma briga armada.
* Grita muito.
* Tem pavor de si mesmo, e é por isso que procura alguém para se apaixonar; precisa dividir sua angústia com alguém.

Quem ama mesmo:
* Tem sempre a consciência brilhante, pois nada pede e, por isso, está sempre em paz.
* Tem os olhos brilhantes.
* O silêncio é seu amigo.
* Ama tranqüilo, porque o amor é assim mesmo.
* O amor real não pode ser descrito; não é passível de ser explicado racionalmente; não pode ser escrito em um quadro; não pode nem mesmo ser psicografado. Contudo, pode ser sentido no íntimo de cada um, através de colóquios espirituais, em que os planos se misturam. E esse amor jorra pelo ar saturando o próprio prana** com as cores de um sentimento que ultrapassa corações, amantes, planos e dimensões e só pára de volta no coração do próprio amor em pessoa: O TODO!”

- Os Iniciados*** -

(Textos recebidos espiritualmente por Wagner Borges)

- Notas:
* A Companhia do Amor é um grupo de cronistas, poetas e escritores brasileiros desencarnados que me passam textos e mensagens espirituais há vários anos. Em sua grande maioria, são poetas e muito bem humorados. Segundo eles, os seus escritos são para mostrar que os espíritos não são nuvenzinhas ou luzinhas piscando em um plano espiritual inefável. Eles querem mostrar que continuam sendo pessoas comuns, apenas vivendo em outros planos, sem carregar o corpo denso. Querem que as pessoas encarnadas saibam que não existe apenas vida após a morte, mas, também, muita alegria e amor.
Os seus textos são simples e diretos, buscando o coração do leitor.
Para mais detalhes sobre o trabalho dessa turma maravilhosa, ver os livros "Companhia do Amor - A Turma dos Poetas em Flor – Volumes 1 e 2" - Edição independente - Wagner Borges, e sua coluna no site do IPPB (que é uma das seções mais visitadas no site): www.ippb.org.br
** Prana - do sânscrito - força vital; energia.
*** Os Iniciados - grupo extrafísico de espíritos orientais que opera nos planos invisíveis do Ocidente, passando as informações espirituais oriundas da sabedoria antiga, adaptadas aos tempos modernos e direcionadas aos estudantes espirituais do presente.
Composto por amparadores hindus, chineses, egípcios, tibetanos, japoneses e alguns gregos, eles têm o compromisso de ventilar os antigos valores espirituais do Oriente nos modernos caminhos do Ocidente, fazendo disso uma síntese universalista. Estão ligados aos espíritos da Fraternidade da Cruz e do Triângulo. Segundo eles, são “iniciados” em fazer o bem, sem olhar a quem.

ImprimirEmail