DETONANDO A FALTA DE DISCERNIMENTO

Amigo, você está a fim de escrever? Então, que tal colocar a caneta para se mexer e sintonizar seus pensamentos com os nossos? Deslize a menina pelo papel e vamos lá, rumo à aventura de fazer o parto de um texto que leve a cabeça do leitor a mover-se no ritmo da espiritualidade e do amor:

- “Têm gente que é igual ao tigre de papel: feroz por fora e babaca e frágil por dentro!”

- “Abra as portas de sua consciência e deixe o vento do discernimento varrer para fora de sua mente a sujeira dos pensamentos negativos e as teias de aranha de suas idéias arcaicas. Para completar, dê um banho de luz e alegria em seu cérebro e sinta-se muito bem.”
- “A aura do consumidor de drogas é igual a um campo de futebol mal cuidado: é buraco pra todo lado!”
- “Por esta nem o Carlos Gardel esperava: Quem faz besteira hoje, irá dançar tango com o Carma amanhã!”
- “Burro-médium: animal que percebe os espíritos;
Médium-burro: animal que não gosta de estudar!”
- “O fofoqueiro de agora será o mudo da próxima vida!”
- “Jesus não liga se você não acredita nele, mas o religioso fundamentalista liga!
- “Jesus lhe ama! Mas é o fundamentalista que lhe chama.*
- “De que adianta ter a Bíblia na mão e não ter os ensinamentos de Jesus no coração?”

- Cia. do Amor - A Turma dos Poetas em Flor.
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges; São Paulo, 17 de julho de 1997.)

* Nota de Wagner Borges: Nas mãos do fanático religioso a Bíblia se transforma em uma verdadeira arma de guerra. Se você não aceita, então o diabo está com você. Mas se você aceita, Jesus vai salvá-lo. O inconveniente disso é que você terá que pagar uma taxa (chamada convenientemente de dízimo, mas que não passa de verdadeiro “pedágio religioso”) para que o amor de Deus chegue até você.
Se você é inteligente o suficiente para questionar os dogmas religiosos, logo dizem que você está sob a ação do demo. Mas se você engole os preceitos religiosos sem raciocinar, dizem que você está salvo. A questão é: salvo de quê? Da capacidade de questionar e de não aceitar argumentos que não sejam razoáveis?

ImprimirEmail