ILUMINANDO OS CORAÇÕES E OS OLHARES

(E Baixando o Sarrafo nas Emoções Medíocres!)

Ainda agora, enquanto eu corrigia alguns textos, senti a atmosfera espiritual de um amor chegando de mansinho. Imediatamente, surgiu a figura de um olhar triste em minha tela mental, e percebi que estava rolando algo aqui no astral do apartamento.
Então, liguei o computador e me preparei para registrar o lance nos escritos.
E, por mais um momento, vi novamente aquele olhar triste, que reconheci como sendo de mulher.
Em seguida, escutei o comando mediúnico típico da turma extrafísica da Companhia do Amor ecoando em minha mente e dizendo: “Está na hora de escrever, meu chapa!”
Os escritos na seqüência são deles.

* * *

“O amor não magoa ninguém!
O que faz mal é o apego ilusório.
Anime-se, minha cara!
Esses olhos lindos não podem inchar, de tanto você chorar.
Precisam brilhar novamente, na boa.
Alguém trouxe você aqui, para ler esses escritos.
Então, aproveite. Desperte, querida!
O amor não é uma pessoa; é um estado de consciência.
Ele existe por si mesmo e está em seu coração.
Aliás, já existia antes de você mesma, ou de qualquer ser.
E não pode ser comprado ou manipulado.
Se há preço a pagar, não é amor, é negociata emocional.
E se agride ou faz chantagem emocional, é tudo, menos amor.
Sacou o lance? Ponderou bem, menina?
Quando o Papai do Céu fez você, não foi para vê-la triste.
Ainda mais com um olhar desses, lindo demais.
Só está faltando nele aquele brilho de alegria, que revela a vida.
Não, não fique envergonhada. Apenas recupere o brilho.
O amor não foi embora. Foi só alguém que partiu (e partiu seu coração).
Mas o amor não se parte; o que quebra é a ilusão, e engana o coração.
Logo, você não precisa juntar nada. Não há cacos, só enganação.
O amor está aí, em você mesma. Alegre-se com isso. Bola para frente...
E agradeça ao seu guia espiritual, que a trouxe até aqui, para despertá-la.
E ao Papai do Céu, que não gosta de olhares tristes e nos mandou vir aqui.
Agora, volte para o corpo, mocinha. Veja se sonha um pouco com a luz.
E pela manhã, quando acordar, que esse olhar esteja lindo demais.”

P.S.: A Companhia do Amor não faz por menos.
Quem faz menos são as emoções enganosas.
Aqui não tem conversa mole nem rolo algum.
Só tem gente boa no nosso grupo, todo mundo cheio de amor.
Não tem anjos ou demônios; só tem gente legal, do bem.
O Papai do Céu nos ordenou: “Desçam a lenha nas emoções medíocres!”
E, além de fazer isso, também iluminamos os corações e os olhares.
Na Terra ou no Astral, os olhos precisam brilhar muito, pela vida!
Dito isso, só nos resta dizer “Tchau!”
Vamos nessa!

- Companhia do Amor* –
A Turma dos Poetas em Flor.
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges – São Paulo, 06 de novembro de 2006).

Nota de Wagner Borges: não tenho a mínima idéia de quem é a moça que foi trazida até o meu apartamento. Só sei que ela mora aqui, na cidade de São Paulo e foi projetada para fora do seu corpo físico, durante o sono, no meio da madrugada, pela ação do seu amparador espiritual.
Tudo indica que ele a trouxe até aqui para receber, por meio dos escritos, aquela energia alegre dos amigos da Companhia do Amor, sempre cheia de tesão pela vida e repleta de auto-estima elevada. E eles são craques nisso!

Nota:
* A Cia. do Amor é um grupo de cronistas, poetas e escritores brasileiros desencarnados que me passam textos e mensagens espirituais há vários anos. Em sua grande maioria, são poetas e muito bem humorados. Segundo eles, os seus escritos são para mostrar que os espíritos não são nuvenzinhas ou luzinhas piscando em um plano espiritual inefável. Eles querem mostrar que continuam sendo pessoas comuns, apenas vivendo em outros planos, sem carregar o corpo denso. Querem que as pessoas encarnadas saibam que não existe apenas vida após a morte, mas, também, muita alegria e amor.
Os seus textos são simples e diretos, buscando o coração do leitor.
Para mais detalhes sobre o trabalho dessa turma maravilhosa, ver o livro "Cia. do Amor - A Turma dos Poetas em Flor" - Edição independente - Wagner Borges, e sua coluna no site do IPPB (que é uma das seções mais visitadas no site): www.ippb.org.br

ImprimirEmail