PIPOCAS

Em todo canto existe o pessoal da pipoca.
Por qualquer coisa, pulam fora!
Alguns são sem sal; outros, com sal demais.
Mas numa coisa eles são iguais: sempre que esquenta, eles pulam fora!
E aí é que está o problema, pois o Dr. Carma* adora esquentar a vida desse pessoal, só para ver como eles reagem de frente com as dificuldades.

 

Doce ou salgada?
Tanto faz! Ambas pulam fora!
E ainda tem as queimadas demais; e aquelas que queimam as mãos de quem as tocam.
Tem pipoca em tudo quanto é canto. Então, por que não haverá de ter, também, nos chamados grupos espiritualistas?
Muitas vezes, as mais torradas estão ali. E aí, a coisa pega mesmo, pois os espíritos infelizes – pipocas torradas do astral – gostam de se misturar nessa panela.
O resultado disso é um cheiro de queimado de lascar!
Doce ou salgada?
Vai mais manteiga aí, ou o lance é na seca mesmo?
De todo jeito, é sempre o Dr. Carma que esquenta a coisa e faz a pipoca estourar.
Mas, se a pipoca é da boa, o filme fica mais bacana.
Doce ou salgada?
Não interessa! Importa é que o filme – o viver de cada um – seja bom.

- Companhia do Amor** –
A Turma dos Poetas em Flor.

(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - São Paulo, 28 de fevereiro de 2007.)

* Carma (do sânscrito “Karma”): Ação; Causa – é a lei universal de causa e efeito. Tudo aquilo que pensamos, sentimos e fazemos são movimentações vibracionais nos planos mental, astral e físico, gerando causas que inexoravelmente apresentam seus efeitos correspondentes no universo interdimensional. Logo, obviamente não há efeito sem causa, e os efeitos procuram naturalmente as suas causas correspondentes. A isso os antigos hindus chamaram de carma.

** A Cia. do Amor é um grupo de cronistas, poetas e escritores brasileiros desencarnados que me passam textos e mensagens espirituais há vários anos. Em sua grande maioria, são poetas e muito bem humorados. Segundo eles, os seus escritos são para mostrar que os espíritos não são nuvenzinhas ou luzinhas piscando em um plano espiritual inefável. Eles querem mostrar que continuam sendo pessoas comuns, apenas vivendo em outros planos, sem carregar o corpo denso. Querem que as pessoas encarnadas saibam que não existe apenas vida após a morte, mas, também, muita alegria e amor.
Os seus textos são simples e diretos, buscando o coração do leitor. Para mais detalhes sobre o trabalho dessa turma maravilhosa, ver os livros "Companhia. do Amor - A Turma dos Poetas em Flor – Volumes 1 e 2" - Edição independente - Wagner Borges, e sua coluna no site do IPPB (que é uma das seções mais visitadas no site): www.ippb.org.br

ImprimirEmail