VOLTANDO A BRILHAR, PARA SER FELIZ!

(Toques Espirituais da Cia. do Amor*, na Lata, como Deus Mandou!)

Menina, sai dessa e raciocina. Não tem mais nem menos!
Você está usando sua perda como desculpa para não voltar a viver.
Mas você não fica bem vestida de preto. E o luto está no seu peito.
E você sabe bem: as estrelas continuam lá em cima, como antes.
E a Terra continuará o seu giro pelo espaço, com seu choro ou não.
A vida segue, mesmo que você atrase o seu viver.
E quem partiu para o “outro lado da vida”, também segue, para viver...

 

E isso rola todos os dias; com o seu luto ou não, a vida sempre segue...
Você “acha” que perdeu alguém, que sequer morreu, só saiu da casca de vez.
Todavia, você perdeu algo realmente: o seu sorriso.
Você ainda se lembra de como é sorrir com gosto?
Você ainda curte a luz do sol beijando o seu rosto?
E aquela canção? Nunca mais tocou no seu som.
Aliás, você hoje só toca o som da tristeza, que nem é estéreo, é som rasteiro.
Você já viu o seu cabelo? Parece palha quebradiça.
E o seu olhar, que antes era só aurora, agora ficou igual céu nublado de dor.
Você “acha” que perdeu, mas quem perdeu foi quem lhe ama.
Isso mesmo! Você deixou de brilhar e tirou a beleza que iluminava os outros.
Você deixou de sorrir e, com isso, baixou a auto-estima de muitos outros.
E agora, você só chora, e eles também. E o seu cabelo está horrível.
Você perdeu a cor: gostava tanto de azul, e agora ficou cinza...
Querida, se ligue: a vida segue, mesmo que você não queira cantar mais.
Segue para quem fica na Terra, dos homens que andam e respiram.
E também segue para quem vai além da casca, onde os homens voam livres.
Ontem sua mãe rezou muito e pediu a Deus que recuperasse o seu sorriso lindo.
E o Papai do Céu é muito legal. Ele compreende a todos, sempre de alto astral.
Tocado pela prece de sua mãezinha, Ele chamou a galera da Cia. do Amor.
E disse: “Vão lá embaixo e façam a menina se ligar. Dêem um toque, na lata!”
Por isso nós viemos, só para lhe dar um toque, na lata, como o Homem mandou.
Não temos mensagem alguma para você, só a verdade que você precisa ouvir.
Esse pretinho básico não lhe cai bem mesmo. Que tal um azul turquesa?
Os seus olhos são lindos, mas o seu olhar está bem soturno.
Que tal recuperar aquela aurora que iluminava as trevas de tantos outros?
Volte a sorrir, menina, para que quem gosta de você também volte a sorrir.
Tire o peso do luto e volte a cantar para o sol, de que você gosta tanto.
Aliás, inspire-se no sol, para brilhar mais e para voltar a ser feliz.
E, também, para fazer sua mãezinha voltar a rir, pela linda filha que tem.
Ah, e dê um jeito nesse seu cabelo de palha. Aplique uns reflexos espertos.
Nós queremos ver o brilho do sol refletido em seus cabelos.
Até o sol quer isso, mas, como ele não fala, viemos nós mesmos.
É que ele também está com saudade de você sorrindo na janela.
Ele gosta de beijar o seu cabelo e brilhar nos seus olhos de aurora.
Por favor, volte a viver com gosto, por você mesma e por quem lhe ama.
Quanto ao seu amigo que “descascou”**, não esquente. Ele continua vivo.
E vive, não porque você quer, mas porque ninguém morre mesmo!
Saindo daqui, nós vamos até onde ele está para dizer-lhe as mesmas coisas.
E ele também voltará a sorrir, quando nós lhe dissermos que o seu luto passou.
Você vive aqui; ele lá! Você ri aqui; ele lá! E os dois vivem, como sempre...
E a vida faz o que ela sempre faz: vai seguindo, para ele, para você, para nós...
Vai dar um jeito nesse cabelo, agora mesmo. E tire o azul do armário.
É hora da aurora brilhar nos seus olhos, para iluminar o mundo, mais uma vez.
E agora, menina, é hora de nós darmos o fora, lá para cima, na casa dos poetas.
Viva bem!

P.S.: A vida é uma maravilha! E foi o Papai do Céu que inventou.
Ele é o Cara! Ele é o Cara! Ele é o Cara!

- Cia. do Amor – A Turma dos Poetas em Flor –
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges – São Paulo, 04 de junho de 2006.)

- Nota de Wagner Borges:
Mais uma vez fui acordado no meio da madrugada para escrever o recado do pessoal da Cia. do Amor. Segundo eles, esses escritos seguirão para quem de direito e cumprirão sua função no mundo, que é a de passar toques espirituais pertinentes à imortalidade da consciência para os homens da Terra.
Não sei detalhes particulares nem nada mais do que está escrito aqui, apenas transcrevi para o plano físico o recado deles. Na verdade, nem quero saber, só quero voltar para a cama bem quentinha, pois está um frio danado aqui em São Paulo.
Penso que toques conscienciais desse porte têm o poder de suscitar a reflexão sadia de outras pessoas que perderam entes-queridos, ajudando-as de alguma maneira.
E isso já me deixa contente.
Mais detalhes, só procurando diretamente o pessoal da Cia. do Amor, lá em cima, no Astral, na casa dos poetas em flor.

- Notas do texto:
* A Cia. do Amor é um grupo de cronistas, poetas e escritores brasileiros desencarnados que me passam textos e mensagens espirituais há vários anos. Em sua grande maioria, são poetas e muito bem humorados. Segundo eles, os seus escritos são para mostrar que os espíritos não são nuvenzinhas ou luzinhas piscando em um plano espiritual inefável. Eles querem mostrar que continuam sendo pessoas comuns, apenas vivendo em outros planos, sem carregar o corpo denso. Querem que as pessoas encarnadas saibam que não existe apenas vida após a morte, mas, também, muita alegria e amor.
Os seus textos são simples e diretos, buscando o coração do leitor.
Para mais detalhes sobre o trabalho dessa turma maravilhosa, ver o livro "Cia. do Amor - A Turma dos Poetas em Flor" - Edição independente - Wagner Borges, e sua coluna no site do IPPB (que é uma das seções mais visitadas no site): www.ippb.org.br
** Sobre a expressão “descascar”, ver a nota ao final do texto postado logo abaixo.





TOQUES DE AMOR DA CIA. DO AMOR

Já ouvi dizer que o amor pode se desgastar.
Isso é balela!
Amor não cansa, só renova.
Se cansa, não é amor.
Quem abre a janela do coração
Vê flores em tudo.
É que o amor é igual à água:
Com ele não tem ressecamento.
O amor não tem idade.
Isso é verdade!
Mas ele amadurece o espírito.
Isso não é idade, é consciência.
Nem os poetas entendem o amor.
Eles só sentem.
E isso basta!
Só o amor compreende o amor.
Esses são pequenos toques de amor.
Foram extraídos da experiência dos poetas.
Que jamais morrem, somente descascam*.
Mas continuam amando e escrevendo...

- Cia. do Amor - A Turma dos Poetas em Flor.
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - São Paulo, 23 de abril de 2002).

- Nota:
* Os espíritos da Cia. do Amor costumam brincar chamando a morte de "descascar" no lugar das expressões populares "desencarnar" e "morrer", já tão batidas e desgastadas. Ou seja, "descascar" significa sair definitivamente da casca carnal.

ImprimirEmail