Yogananda, um Iogue-Poeta-Divino

Yogananda, um Iogue-Poeta-Divino

- Por Wagner Borges -

Yogananda
 Paramahansa Yogananda (pseud. de Mukunda Lal Ghosh; 1893-1952) foi um dos iogues hindus mais conhecidos no Ocidente. Seus pais eram bengalis da castaKshastrya e ele ingressou na ordem dos Swamis em 1914. Recebeu a iniciação de Sri Yuktéswar Giri (pseud. de Priya Nath Karada; 1855-1936) que, por sua vez, era depositário dos conhecimentos de Kriya Yoga, recebidos diretamente dos mestres Lahiri Mahasaya (pseud. de Shyama Charan Láhiri ; 1828-1895) e Bábaji.
É autor de vários livros, dentre eles o clássico "Autobiografia de um Iogue", que já foi traduzido para diversos idiomas, e é utilizado no currículo de algumas universidades americanas.
Fundou em 1918, na Índia, a Yogoda Sat-Sanga Society e em 1920, nos Estados Unidos da América, a Self-Realization Fellowship.
Segundo YoganandaBábaji o incumbiu de divulgar no Ocidente as técnicas de Kriya Yoga. Por isso, ele viveu nos Estados Unidos, na década de 1920 até a data de sua morte, em 1952.
 
* * * 
 
A primeira vez em que ouvi falar de Yogananda foi em 1982.
Um amigo meu tinha verdadeira adoração pelo guru indiano e, insistia para que eu lesse o livro "Autobiografia de um Iogue".
Ao olhar a capa do livro (que contém uma foto do rosto de Yogananda), fiquei bem curioso em conhecer o trabalho daquele iogue que parecia tão simpático.
Mas, por essa época, eu estava pesquisando os livros de Ramatís e a coleção de livros do espírito André Luiz, psicografados por Francisco Cândido Xavier.
Além disso, minha estante já estava abarrotada de livros sobre projeção astral, Teosofia e Ocultismo, que eu ainda não havia lido. Em função disso, resolvi comprar aquele livro em outra oportunidade.
O tempo foi passando e montei uma bela biblioteca de livros espiritualistas variados. Porém, faltava nela o livro de Yogananda.
Por várias vezes, estive por comprá-lo, mas como seu custo era alto (o livro tem mais de quatrocentas páginas), eu acabava preterindo-o por outros livros mais acessíveis ao meu poder aquisitivo.
Em 1989, finalmente consegui comprá-lo. Guardei-o carinhosamente na estante de livros, esperando arranjar um tempo para mergulhar em sua leitura.
Alguns dias depois, ainda sem ter lido o livro, fui dar uma palestra na União Espiritualista Brasileira (1), uma das maiores sociedades espiritualistas de São Paulo.
Lá chegando, encontrei por volta de cem pessoas esperando o início da palestra sobre projeção astral e chacras. Antes de começar, resolvi fazer um pequeno relaxamento com o pessoal, que consistiu em um simples trabalho de visualização dos chacras (2).
Bem no meio do relaxamento, para minha grande surpresa, percebi, pela clarividência, a figura de Paramahansa Yogananda à minha esquerda. Ele pôs a mão em meu ombro esquerdo, como se fôssemos velhos amigos e, sorrindo, disse-me: "Vim com um grupo de amigos espirituais assistir sua palestra.
Estou acompanhando seu trabalho e precisamos conversar sobre isso oportunamente, mas ainda não é o momento. Por enquanto, dê a sua palestra, que, aqui nos bastidores invisíveis, nós estaremos lhe ajudando a emanar amor e alegria para todos que estão presentes".
Durante toda a palestra ele ficou ao meu lado, emanando energia para o ambiente. De vez em quando, cantava alguns mantras (3) hindus que eu não compreendia direito. Ao final da palestra, ele me deu um abraço e disse que em breve nos encontraríamos novamente. Logo a seguir, as pessoas vieram conversar comigo e eu deixei de percebê-lo. O interessante disso tudo é que haviam muitos médiuns presentes na palestra, e vários deles viram o Yogananda ao me lado.
O segundo encontro que tive com ele foi somente em março de 1991, também durante uma palestra, dessa feita no Espaço Reviver, em São Paulo, e foi mais ou menos como o primeiro.
Daí em diante, passei a vê-lo com frequência, porém, de maneira diferente. Na maioria das vezes, eu o via à distância, isto é, daqui do plano físico eu o via no plano extrafísico. Inclusive, por várias vezes, observei-o fazendo preleções para seus discípulos
desencarnados e até mesmo praticando meditação junto com eles.
A partir de maio de 1991, comecei a receber suas mensagens e nosso contato estreitou-se mais ainda. Comecei a encontrá-lo extrafisicamente durante as minhas experiências fora do corpo (4) e ele ensinou-me vários exercícios para a melhoria da intuição e para a expansão da consciência.
Depois de vários meses tendo contato com Yogananda, finalmente decidi ler seu livro. Evitara lê-lo, até então, para que não houvesse nenhuma interferência anímica nas mensagens.
Após sua leitura (é um livro imperdível!), comecei a ter uma nova compreensão do Oriente e uma nova etapa espiritual iniciou-se em minha vida.
Sugiro ao leitor que gosta de aprofundar-se no estudo da Espiritualidade, que leia o livro "Autobiografia de um Iogue".
No mais, só posso dizer que ele é uma das consciências espirituaismais amorosas que conheço e que devo a ele muito do que sei.
Como ele mesmo diz, seu amor é imperecível (e minha gratidão também!).
Espero que o amigo leitor possa absorver o carinho contido em suas mensagens.
 
- Notas:
1. A União Espiritualista Brasileira é uma sociedade espiritualista universalista, onde há, semanalmente, em dias apropriados para cada reunião, sessões espíritas clássicas, sessões de umbanda, trabalhos esotéricos e alguns estudos sobre Ioga.
2. Chacras - do sânscrito - são os centros de força situados no corpo energético e que têm como função principal a absorção de energia -prana, chi - do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.
Os principais chacras são sete - que estão conectados com as sete glândulas que compõem o sistema endócrino: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico.
3. Mantra - do sânscrito - palavra oriunda de manas: mente; e tra: controle; liberação - Literalmente, significa "Controle ou liberação da mente".
Determinadas palavras evocam uma atmosfera superior que facilita a concentração da mente e a entrada em estados alterados de consciência. Os mantras são palavras dotadas de particular vibração espiritual, sintonizadas com padrões vibracionais elevados. São análogos às palavras-senhas iniciáticas que ligam os iniciados aos planos superiores.
Pode-se dizer que os mantras são as palavras de poder evocativas de energias superiores. Como as palavras são apenas a exteriorização dos pensamentos revestidos de ondas sonoras, pode-se dizer também que os mantras são expressões da própria mente sintonizada em outros planos de manifestação.
4. Projeção da consciência - é a capacidade parapsíquica - inerente a todas as criaturas -, que consiste na projeção da consciência para fora de seu corpo físico.
Sinonímias: Viagem astral - Ocultismo.
Projeção astral - Teosofia.
Projeção do corpo psíquico - Ordem Rosacruz.
Experiência fora do corpo - Parapsicologia.
Viagem da alma - Eckancar.
Viagem espiritual - Espiritualismo.
Viagem fora do corpo - Diversos projetores extrafísicos e autores.
Emancipação da alma (ou desprendimento espiritual) - Espiritismo.
Arrebatamento espiritual - autores cristãos.

 


Textos selecionados de Yogananda nesta seção:

ImprimirEmail