Amor preservado pela distância

Pensamento do dia 20 de outubro de 2014.

Amor preservado pela distância

"Um homem e uma mulher que se amam procuram, instintivamente, aproximar-se, e isto é natural. Mas se eles analisassem o que acontece no campo das emanações sutis, compreenderiam que essa aproximação pode não ser tão favorável ao seu amor. Porquê? Porque o espaço que separa dois seres – o espaço que se imagina vazio –, na realidade, está cheio de essências sutis que são as melhores condutoras das suas energias psíquicas. Se eles aceitarem manter uma certa distância, se sentirão cada vez mais vivificados e fortalecidos pelas correntes de energias que circulam entre eles. O amor não é o encontro entre dois corpos, mas a fusão entre duas quintessências, e é a distância que oferece as melhores condições para que as verdadeiras comunicações continuem a ser estabelecidas entre as almas.
E se depois, um dia, esses seres decidirem viver juntos, também nesse caso, eles devem manter uma certa distância para evitarem cair na familiaridade prosaica que caracteriza a vida cotidiana dos casais, se eles não estiverem vigilantes. Muitas vezes, é por causa desta falta de vigilância que se perde o amor. Assim, é bom que, em um casal, cada um mantenha algo de secreto, de misterioso para o outro a fim de manter vivos o interesse e a curiosidade. É este mistério que protege e alimenta a atração que um sente pelo outro."

Omraam Mikhaël Aïvanhov


Esse texto é recebido da Edizioni Prosveta em italiano, e traduzido para o português (do Brasil), com o objetivo de difundir as mensagens do Mestre Omraam Mikhaël Aïvanhov.

Imprimir Email