CANÇÃO À YEMANJÁ

Passei toda a minha vida aprendendo a só usar a mente, e descubro que para descobrir o caminho espiritual, preciso "sentir", mas do que pensar.

A mente continua dizendo que isso é bobagem, mas o coração conta que os africanos estavam certos. Eles sabiam que o mar era mais do que aparentava. O mar era Ela. meu coração?
Observo o mar, fecho os olhos, e ainda posso ver as ondas. Abro os olhos e observo o vai e vem, cada gota que pula no ar e retorna ao lar. Richard Bach estava certo, tudo é uma metáfora contando a nossa jornada na Terra.

Ouço o estalar das ondas e sinto o meu coração batendo.

Por um momento, sinto uma leve conecção com o mar e com o espaço que nos separa, e sinto uma presença feminina que lembra minha mãe e a maneira como ela me abraça. Começo a sentir um leve balançar, e me solto, deixando o meu corpo seguir a música do mar.

Fecho os olhos e tento não julgar, não raciocinar, mas apenas sentir.

E o meu corpo vai balacando, e as ondas cantam na praia.

Passei toda a minha vida aprendendo a só usar a mente, e descubro que para descobrir o caminho espiritual, preciso "sentir", mas do que pensar.

A mente continua dizendo que isso é bobagem, mas o coração conta que os africanos estavam certos. Eles sabiam que o mar era mais do que aparentava. O mar era Ela.

O Mar é nossa Mãe, em eterna comunhão com o Pai Céu.

Continuo mergulhado nesse embalar, e quando abro os olhos mais uma vez, me perco no azul do vestido de Yemanjá e me entrego em devoção numa canção:


"Olha o canto de Yemanjá
Em ondas de amor e carinho
No eterno balanço do mar

Olha o anil do seu olhar
Olha o azul do seu vestido
Ó Mãe, cuida de mim, não se esqueça do seu menino

Menino tentando nadar
Contra a correnteza da ilusão
De que o mundo é somente o que vejo
E não o que sinto com o coração

Que o seu azul possa sempre trazer inspiração
Pois minha alma é marinheiro encantado
E meu corpo apenas um barco
Navegando em sua imensidão

Mãe do Mar, dedico-lhe essa canção
Pois tudo o que posso oferecer-lhe
São minhas palavras em oferenda-oração

Sei que são palavras tolas, rima não tão rica
Mas vem do peito, Mãezinha
Em agradecimento pela vida

Agora talvez eu possa explicar
Porque meu coração bate sem parar
E as ondas fazem travessuras no mar

E o seu amor vestido de gente, amor vestido de mar
Amor em ondas caindo, amor em luz pelo ar

E separação, minha Mãe, é apenas ilusão, apenas um muro
Pois o seu amor interpenetra a todos
O seu amor está em tudo!"

Somos Todos UM SÓ!

- Frank
Londres

Ps: Nao sou adepto de nenhuma religião, apenas tento conhecer e aproveitar o melhor de cada cultura, religião ou conhecimento que há no mundo. Afinal, todos os caminhos vão dar no mesmo destino.

Imprimir Email