O DESENVOLVIMENTO PSÍQUICO - (Folhas de Outono) – Parte V - Conclusão

A imaginação é um atributo divino. A imaginação é um fator de ação, pois tudo o que é concebido com inspiração, imaginando, precede a ação realizadora. O ideal determina o alcance das idéias de alguém naquele momento, ou seja, o ideal de alguém expressa o alcance da sua imaginação.
Nas circunstâncias da vida comum, na rotina do dia a dia, a imaginação pode estar limitada em um circuito de ações que se repetem. Se quisermos aumentar os limites de nossas ações, encontraremos os motivos e as soluções pelo uso da imaginação fora dessas bitolas.
Imaginar que nossa identidade depende da popularidade e da opinião que outras pessoas têm de nós, faz com que deixemos de ser indivíduo para ser um sujeito, sempre sujeito a essas pessoas. É preciso saber que a autoridade ou o poder de uma pessoa ou objeto, é a autoridade e o poder que nós atribuímos a eles, ou, a autoridade e poder que nós imaginamos. Se formos infantis, não analisamos e estamos sujeitos a todo tipo de sugestão.
A imaginação é a força potente que pode criar novas idéias, novos pensamentos que mudem o comportamento e dêem um novo alento para a atividade. A imaginação é a arma de que dispomos para resolver nossos problemas e ajudar a resolver os problemas de uma coletividade. O desenvolvimento da imaginação é o verdadeiro objetivo a fim de alcançar a magia celestial, a alquimia espiritual, a ação no “reino dos céus”, a Visão que constata o IKE dos havaianos. (IKE- percepção de que tudo e todos estão interligados subjetivamente)
A imaginação controlada, madura, ordena as idéias e é construtiva. A fantasia satisfaz a mentalidade infantil. O que é fantasia em movimentos religiosos pode desviar a alma de seu objetivo, que é o desenvolvimento espiritual. Pessoas de pouco entendimento cultivam a fantasia até na religiosidade, e todos os dias você pode observar quem tira proveito dessa tendência. A fantasia afeta a moda, mas a imaginação transfigura o motivo, e por essa razão, para uma verdadeira conversão é necessária uma imaginação consagrada.
Crescer é deixar a fantasia e cultivar a imaginação criadora.
A Magia se deve à uma ação psíquica. O progresso nas artes da Magia, como a mobilização de energia quântica por enfoque mental, mostra o progresso esotérico e a iluminação espiritual. Daí as afirmações xamânicas : “A energia flui para onde o pensamento vai”, e “A eficácia é a medida da verdade”.
Para isso é preciso treinar visualização e imaginação. É preciso desenvolver a faculdade de ver e de ouvir além da percepção objetiva, desenvolvendo a capacidade de perceber vibrações que atingem diretamente o cérebro. Sem essa ação eficaz, só resta a fantasia.
A Fantasia é efêmera e improdutiva. Ela pode ser mascarada com a eloqüência verbal e com a erudição pseudocarismática. A Visão e a Imaginação com Criatividade são os dons divinos a serem perseguidos.
A Origem de todas as formas é o Espírito. A Mente e o Corpo são instrumentos da Inteligência, que por sua vez é qualidade do Espírito. A Mente dá o enfoque a todas as formas-pensamento que poderão resultar em formas físicas. Ela enfoca todo o sentir como também todo o mover. Toda manifestação física tem sua origem em uma vibração de ordem espiritual. O espírito impulsiona a vibração, que atingindo o Sistema Nervoso, transmite às vibrações como impulsos eletroquímicos, e assim as Glândulas e os Músculos trabalham, pois, são os nossos efetores.
A Mente está sempre em atividade. Não há elementos estáticos no nível consciente desperto. Mesmo quando o nível consciente da Consciência adormece, a Mente está reativa, registrando, conotando, criando em nível subconsciente. Assim podemos dizer que o nível consciente da Consciência, é apenas um dos três níveis da mesma, e sua função é manter a relação do todo com o lado material da vida. Sua função é manter a lógica na razão da existência, e sua melhor qualidade é o bom senso nessa relação, sendo qualificado como Espírito Santo, pois expressa as qualidades divinas de Imaginação com Criatividade. As qualidades divinas da Imaginação obedecem aos preceitos encontrados em Filipenses: Cap. 4; vs. 8, resumidos nos dizeres do genial José Manuel Silva: “Seja criativo, construtivo, honesto, puro, limpo e bom”.
A Mente, com seus enfoques objetivos, relativos a estímulos provenientes do meio exterior, estabelece pontos de referência, ou, idéias, que associadas produzem os pensamentos e perfazem o intelecto. De outro lado, as impressões provenientes do meio exterior podem causar emoções favoráveis ou desfavoráveis, originando os sentimentos. Enquanto que o intelecto é fruto da existência dos sentidos, os sentimentos são fruto do que os estímulos externos produzem na consciência e as emoções são fruto do que nossos pensamentos em relação a terceiros, possam produzir em termos de sensações pessoais.
Todo estímulo que cause uma sensação atua de duas maneiras, como se estivesse estimulando a germinação de duas sementes, as quais crescendo, simbolizam nossa personalidade psíquica. Uma se refere ao intelecto, à percepção e aos vários graus de emoção que possam acompanhar. Outra é representada pelos sentimentos que são modificações do Ego provocado pelos estímulos externos, e, muitas vezes, também pelos internos, que são mais complexos e que são denominados: complexos de culpa, de grandeza, de superioridade, de poder, e outros...
Êxtase, prazer e alegria, são impulsores criativos, sendo que o êxtase permite a abstração e percepção das múltiplas facetas da personalidade. A dor devida a frustrações, a decepções, e a toda situação que se entenda como humilhação moral, é bloqueadora do progresso e evolução, sendo que a tristeza e a amargura podem desagregar a individualidade na medida em que o stress conseqüente, diminua o nível de energia vital que é necessário para manter o domínio do consciente (bom senso) sobre os impulsos do subconsciente, sempre silencioso (calado) e forte.

- Prof. Alberto Dias -
Atibaia, 28 de agosto de 2003.

Imprimir Email