POEMA PARA O DIA DE FINADOS

- Por Washington da Silva -

E alguém disse, há mais de dois mil anos:
"Deixe os mortos enterrarem os mortos..."

No mar da Galiléia, o Mestre,
Em silêncio cósmico, medita.
Sabe Ele, que neste Dia de Finados,
Parte da população de vários países,
Vai aos cemitérios louvar os ossos lustrosos
E os caixões podres.
Essas pessoas irão passar na frente de irmãos extrafísicos
Dementes, doentes, carentes, rebeldes e necessitados,
Apegados à matéria física densa, sem perceberem
Que há vida que vibra "do outro lado da vida"...

(Nisso, uma criança, com sua inocência no olhar,
Vê os espíritos de um casal de velhinhos pedindo ajuda.
Conta para seus pais, mas eles dão risadas...)

Mas o Mestre não condena... Nunca!
Ele apenas sempre convida a todos
Para estarem no Banquete do Amor!

Nesse banquete, entram todos:
Do sujo ao rasgado, do mendigo ao rei.
Ou seja, todos os contrários,
Que formam apenas a única Realidade:
A Unidade Cósmica.

Após dois mil anos,
Apenas as vozes humanas mudaram.
Mas as palavras e entonações continuam as mesmas:
"Até quantas vezes devo perdoar?"
"Mas ela não é prostituta?"
"Expulsa os conquistadores de Nossa Terra!"

O Olhar de Jesus é o de Cristo-Luz.
Por isso, Ele estende seus braços caridosos
Para todos os seus irmãozinhos,
Que são ondinhas do Grande Mar da Vida.

Sabe que umas vão levar os Barcos
Carregados de Conhecimento Cósmicos
A um destino certo e seguro, com boas intenções.

Sabe, também, que outras vão afundar
Esses barcos, e que outras vão
Comercializar os conteúdos sagrados Deles...

Contudo, também sabe, que no fundo,
Nenhuma ondinha age exclusivamente
Por conta própria:
As amarras da Unidade comandam
As ações de cada uma!

Hoje o jugo não é romano,
E sim o da ignorância das
Leis do Carma (1) e da Reencarnação.

Hoje o jugo é o escárnio
Por alguém falar sobre o que se vê no Astral,
É a crucificação do deboche!

Hoje o jugo da pobre prostituta
Não são as pedradas físicas.
Mas sim as pedradas do orgulho
E da ignorância da Cosmoética (2).

Neste Dia de Finados, o choro
Não é para os mortos,
POIS ELES NÃO MORRERAM, ESTÃO BEM VIVOS!

Choram porque um dia irão "morrer" também...
Assim sendo, Jesus, o Cristo-Luz,
Convida todos para serem capitães conscientes
De seus próprios navios, no Mar da Galiléia,
Simbolicamente, o Mar do Prana (3), da Energia Vital,
Para que auxiliem os náufragos
No Mar da Ignorância Cósmica!

A Nova Jerusalém não é um único país...
Interpretar dessa maneira é mais
Do que ignorância...
A Nova Jerusalém é um Estado de Espírito,
O Planeta melhorado!

E o convite está feito:
Quem não puder ser capitão de sua própria embarcação,
Que seja, então, aquela ondinha de Amor que,
Ao invés de adorar os ossos e caixões sem vida,
Emane uma doce prece ou palavra de Amor
Para aqueles que já fizeram a Grande Viagem
De volta ao Verdadeiro Mundo:
A Pátria Espiritual!

P.S.: Esse texto foi inspirado por um amparador extrafísico ligado às energias e os ensinamentos de Jesus.

- Notas:
1. Carma (do sânscrito “karma”): é a lei universal de causa e efeito.
2. Cosmoética: código de ética espiritual, ética extrafísica, ética cósmica.
3. Prana (do sânscrito): sopro vital, força vital, energia.

Imprimir Email