A UNIÃO COM BRAHMA - por Martin Claret

(A Sabedoria do Buda)

Tendo dois brâmanes perguntado ao Buda qual o verdadeiro caminho para chegar à união com Brahma, respondeu o Bem-Aventurado:

- Qualquer dentre os brâmanes versados no estudo dos Vedas já viu Brahma face a face?

- Não, responderam os dois brâmanes.
 
- Mas algum mestre versado no estudo dos Vedas, ou qualquer dos autores dos Vedas, já viu Brahma face a face?

- Não, responderam os dois brâmanes.

- Então, retrucou o Buda, acaso deveriam dizer os brâmanes: "Indicamos o caminho para chegar a uma união com aquilo que não conhecemos, que nunca vimos?" Se tal é a substância da tradição dos brâmanes, bem vã é a sua missão. É exatamente como uma fila de cegos agarrados uns aos outros: o primeiro não vê, o do meio não vê, os últimos não podem ver.

- Imaginai agora, disse ainda o Buda, que um homem chega à margem deste rio e quer atravessá-lo. Julgais que se ele rogasse à outra margem que se aproximasse dele, ela, com efeito, viria por virtude de suas orações? É isso, no entanto, o que fazem os brâmanes. Negligenciam na prática das qualidades que realmente fazem um brâmane, e dizem: "Indra, nós te imploramos; Varuna, nós te imploramos, Brahma, nós te imploramos!" Mas não é possível que só por força dessas invocações possam eles jamais chegar à união com Brahma.

Mas, se um homem penetra sucessivamente os quatro quartéis do mundo com pensamentos de amor; se ele enche o mundo de pensamentos de um amor crescente, incessante e sem medida; se, como a trombeta que se faz ouvir facilmente em todas as direções, não deixa esquecido ente algum, no mundo, que tenha forma e vida, e a todos envolve em sentimentos de amor, de piedade, de simpatia e de serenidade crescente, incessante e sem medida, então, na verdade, esse homem conhecerá o caminho que leva à união com Brahma.

(Extraído do livro "Buda - Aquele que Despertou"; Editora Martin Claret).

ImprimirEmail