O ALIENÍGENA HUMANO - por Nelson Correia Abreu

Não é nenhuma surpresa ler que a raça humana tem tido sérias dificuldades éticas e comportamentais. Tornou-se muito claro para aqueles com conhecimento sobre Conscienciologia e Projeciologia que o nosso comportamento negativo e as emoções são em grande parte um resultado da ignorância de nossa natureza e das dinâmicas da vida. Enquanto nós tentamos detectar seres extraterrestres, virtualmente todos os humanos continuam a ser essencialmente alienígenas consigo mesmos.
 
O ALIENÍGENA HUMANO
(Compreendendo a consciência como um meio para reduzir o comportamento humano negativo)

Não é nenhuma surpresa ler que a raça humana tem tido sérias dificuldades éticas e comportamentais. Tornou-se muito claro para aqueles com conhecimento sobre Conscienciologia e Projeciologia que o nosso comportamento negativo e as emoções são em grande parte um resultado da ignorância de nossa natureza e das dinâmicas da vida. Enquanto nós tentamos detectar seres extraterrestres, virtualmente todos os humanos continuam a ser essencialmente alienígenas consigo mesmos.
Precisamos reconhecer que este problema transcende assuntos religiosos e que diz respeito a cada ser humano individualmente. Precisamos identificar também as raízes daquilo que nos impele a ser tão violentos, quando nós nascemos tão meigos; sermos frios, quando temos um sorriso tão raro e incomparável; machucar e destruir, quando possuimos um potencial incrível para amar e criar.
Primeiro, vamos reconhecer que todos tentam, ou pelo menos desejam, levar uma vida feliz e com significado. Precisamos também nos dar conta de que somente alguns poucos na Terra sabem muito sobre a natureza, a essência e o propósito de cada pessoa, da vida e do universo. Essa saudade universal e essa ignorância compartilhada deixam somente a sabedoria e a crença como uma barreira entre o comportamento positivo e o negativo.
É amplamente aceito que um comportamento como o preconceito é traço geralmente pertencente ao ignorante. No entanto, precisamos admitir que uma porção esmagadora da população da Terra não sabe quem nós somos, o que nós somos, de onde viemos, por que existimos, para onde vamos depois que nosso corpo morre e outros tais enigmas milenares. A despeito disso, nós temos profundamente embutida em nossos corações uma espécie de senso comum universal do bem e do mal, positivo e negativo.
Alguns poderão argumentar que este sentimento está ausente naqueles que são julgados como pessoas "más". É muito fácil, talvez prazeroso e definitivamente hipócrita fazer tal assertiva. Deveremos concluir daqui a pouco que alguns bebês são maus e outros são bons?
À exceção daqueles com certas deficiências mentais sérias, os humanos nascem com o potencial para se dedicarem a causas positivas ou negativas. Na ausência de conhecimento sólido sobre a nossa existência e essência, muitos de nós procuram felicidade e um propósito por caminhos perversos ou superficiais. Também existem aqueles que não conseguem encontrar um propósito para simplesmente viver e procuram um suposto refúgio em substâncias viciantes, atividades que ameaçam a vida ou até no suicídio.
Os indivíduos cujas vidas são centradas em comportamento negativo sofrem muito, porque estão perdidos e não conseguem encontrar seu caminho para a felicidade, porque suas ações permanecem profundamente registradas em seus corações. Similar à lei de Newton da ação e reação, nós nos machucamos quando machucamos outra pessoa.
Muitos daqueles que são afortunados para levar uma vida em sua maior parte positiva estão muito ocupados para ajudar os perdidos e simplesmente apontam o dedo para eles. Mas muito poucos se dão conta que não importa quão mesquinho, ganancioso, violento ou enganoso seja o seu comportamento, nós todos estamos tentando encontrar a felicidade e uma tarefa satisfatória de um modo ou de outro. Alguns dedicam-se a ajudar os perdidos e os deseducados, mas é uma tarefa difícil porque geralmente envolve convencer os outros sobre algo, sem terem eles mesmos diretamente passado por aquilo.
A melhor solução é primeiro encontrar cada um e nós mesmos, ganhando conhecimento sobre a consciência (ego, ser interior, inteligência e princípio da individualidade, alma, espírito). O leitor poderá argumentar que não é possível obter-se o conhecimento que foi citado. Afinal de contas, nunca houve meios diretos de estudar a natureza, a essência, propósito e a existência da consciência. Isso já foi tentado através da história e um sinal do fracasso desse esforço é a criação de diferentes sistemas de crença.
No entanto, nas últimas décadas deste milênio, pesquisadores finalmente descobriram a tecnologia para desvendar mistérios antigos e permitir a nós estudarmos objetivamente o universo extrafísico e a consciência. De fato, nós sempre possuimos essas ferramentas, que são capacidades humanas inatas. As ferramentas utilizadas pela Conscienciologia e Projeciologia, ciências novas que estudam a consciência, incluem o controle e a manipulação da projeção consciente ou OBE (out of body experience = experiência fora do corpo) e da bioenergia (chi, prana, energia vital).

A projeção consciente nos permite acessar informações sobre nossa existência passada, nosso processo evolutivo e o "mapa rodoviário" ao que nós nos destinamos para a nossa vida atual. Com essas informações os humanos podem viver mais focalizados em suas tarefas, sua evolução e conseqüentemente sentem-se mais preenchidos. Também contribui para um melhor entendimento do impacto dos pensamentos, sentimentos, intenções, energia e ações sobre os outros e sobre nós mesmos.
Comportamento negativo ocorre seguidamente como um resultado de frustração, problemas de infância, ou perda de direção, esperança ou conhecimento. Uma perspectiva mais clara e um discernimento maior mostram que nós somos todos almas com uma meta em comum e um caminho evolutivo em comum, e que podemos gradualmente nos afastar do comportamento negativo.
Esta grande perspectiva oferece um senso de direção concreto, propósito e identidade que irão gradualmente reduzir o comportamento negativo, pois mais humanos saberão finalmente que a compaixão, o altruísmo, a paz, o amor e a procura pela sabedoria catalizam nossa evolução consciencial e contribuem para a nossa felicidade.
Nossa reação à manifestação negativa provavelmente mudará também. A holomemória (a lembrança de todas as nossas experiências através de uma série de existências) mostra que mesmo as consciências mais piedosas já cometeram atos terríveis, que nos dias de hoje as chocariam. Ao invés de manter a dicotomia social usual entre o "bom" e o "mau", reconheceremos "irmãos e irmãs" em etapas diferentes da evolução consciencial.
Ao nos identificarmos até com as mais perturbadas consciências, uma união universal mais forte entre os humanos deverá desenvolver-se, o que permitirá a clarificação e a assistência para dominarem acima da vingança, do hipócrita dedo-em-riste e do isolamento. Conseqüentemente, sistemas judiciais poderão passar por mudanças profundas. Talvez nossas prisões se modificarão para uma espécie de escola e centro de cuidados, e a punição capital será extinta.
Nossa preocupação neste momento deveria ser a de fazer com que este conhecimento se torne disponível para o mundo. Conscienciologia e Projeciologia, as ciências que estudam a consciência e a projeção da consciência (experiências fora do corpo) não se encaixam no paradigma "materialismo-reducionismo-newtoniano-cartesiano-físico" da ciência de 300 anos de idade que assume que a fonte de nossa inteligência e identidade é física – DNA, o cérebro. Está claro para aqueles que já viveram a experiência da projeção de consciência que a consciência transcende os parâmetros comuns da energia física (matéria) e de que o nosso endereço é extrafísico. Este conhecimento pode ser obtido diretamente pelo indivíduo através de observações objetivas feitas durante as experiências fora-do-corpo.

Experiências fora do corpo – lúcidas ou não, mais comumente inconscientes – ocorrem todas as noites quando o soma (corpo físico) está num estado de não-alinhamento com o psicossoma (corpo não-físico). A experiência fora do corpo tem sido ligada ao misticismo no decorrer das idades, porque não podia ser explicada cientificamente. Hoje, com um esforço suficiente, coragem, determinação e perseverança, ela pode ser experienciada e compreendida. No entanto, para que os conceitos de realidade multidimensional e de consciência extrafísica sejam aceitos, uma intensificação epistemológica é inevitável.
Muitos argumentos podem ser usados contra a credibilidade e a realidade da projeção consciente, mas nenhum pode sobreviver à evidência avassaladora colhida por pesquisadores de todo o mundo, incluindo a Suécia, Brasil, os Estados Unidos e o Reino Unido. Estes incluem Charles Tart, Janet Lee Mitchell, Robert L. Morris, Rick Stack, Robert Monroe (Instituto Monroe), Michael Grosso, Waldo Vieira (Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia), Wagner Borges (IPPB - Instituto de Pesquisas Projeciológicas e Bioenergéticas, São Paulo), William Buhlman, Geraldo Medeiros Jr. e Robert Peterson. Agora, precisamos fazer com que essas técnicas sejam divulgadas para o público em geral, para que todos tenham a oportunidade de acessar estas informações de mudança potencial de vida sobre o indivíduo, sobre a espécie humana e o universo.
É muito importante, no entanto, que a Conscienciologia e a Projeciologia não sejam confundidas com fé, misticismo ou práticas esotéricas, como a experiência fora do corpo tem sido através da história. Relatórios históricos e estudos científicos demonstram que essas experiências ocorrem nos indivíduos independentemente de sua cultura, religião, credo, idade, sexo ou condição sócio-econômica. Conseqüentemente, é chegado o momento de começar a desfazer os velhos mitos e falsos conceitos que têm mantido a maioria da humanidade ignorante sobre este assunto. Já é tempo de avançar e disseminar estes estudos críticos científicos, para ir aos poucos expandindo a maturidade e a auto-consciência humanas.

Em 2000, muitos artigos provocativos, não-convencionais explorando assuntos grandemente relacionados à pesquisa da Conscienciologia foram publicados em revistas noticiosas de liderança, como no US News e World Report e no Time. Estes incluem artigos sobre pesquisa na Conscienciologia, emoções dos animais e conceitos modernos sobre o inferno. No entanto, a Conscienciologia não tem sido mencionada, ainda. Após serem apresentados à Conscienciologia e suas possíveis aplicações e efeitos, os editores e os reporteres de ciência e tecnologia dessas revistas pioneiras, muito provavelmente publicarão artigos sobre ela.
Instituições de pesquisas e indivíduos podem educar as pessoas sobre esta experiência direta, pessoal que substitui ou esclarece a crença pelo conhecimento direto. A integração de Conscienciologia com a Projeciologia dentro do ambiente de universidade parece ser uma estratégia eficiente de disseminação. As universidades podem fornecer uma combinação favorável de cientistas convencionais experientes e grandes populações ecléticas de estudantes de mente mais aberta, que residem nas grandes proximidades. Estudantes de vários interesses podem discutir e investigar as ciências, e professores-pesquisadores pioneiros podem aplicar a Conscienciologia aos seus estudos e produzir resultados dignos de nota. Após a integração da Conscienciologia na educação e programas de pesquisas de universidades, a ela poderia ser ensinada em escolas de segundo grau, assim como a física e a química. Com crescentes resultados científicos e tecnológicos e aumentando a consciência dos jovens, uma nova cultura humana surgirá.
É importante dar-se conta de que este processo provavelmente irá levar um longo tempo para se tornar um movimento significativo, dependendo do esforço e eficácia de seus pioneiros diante dos vários desafios. Mesmo quando este conhecimento tornar-se comum, ninguém deve esperar que a vida seja "perfeita". A vida com certeza será mais feliz e mais positiva, mas enquanto existir erros para serem aprendidos com eles, e contribuições a serem feitas, haverá uma razão para se viver na Terra. O que geralmente consideramos "um mundo perfeito", não precisa, não inclui nem beneficia o ser humano imperfeito.
O renascimento consciencial já começou a empurrar os limites físicos do conhecimento humano para todo o mundo. Agora é somente uma questão de tempo para que a espécie humana abra seus olhos para a beleza e os benefícios do universo extrafísico onde nós todos moramos. Agora, mais do que nunca, cada indivíduo tem a oportunidade de estar no limite da exploração humana. A consciência e o universo extrafísico são as derradeiras fronteiras.

- Por Nelson Correia Abreu - *


Do: Journal of Conscienciology, Vol. 3, Número 10 (Outubro 2000)
Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia 2001

REFERÊNCIAS:
  • BORGES, Wagner. Viagem Espiritual II. Disponível online: www.ippb.org.br
  • Bstan-‘Dzin-Rzy. Ethics for the New Millenium, Penguin Books (Agosto 1999)
  • Buhlman, William. Adventures Beyond the Body. Edições Booth Clibborn (Junho 1996)
  • De la Tour. Consciousness Research using the Out-of-body Experience. SpiritWeb. Disponível online:
  • 1999)
  • IDEM. The Existential Program – Discovering Your Life’s Purpose. IIPC-New York. Não mais disponível online:
  • (Agosto 1999)
  • De la Tour, Simone. OBE: Fact or Fantasy. IIPC-NY. Não mais disponível online:
  • (Agosto 1999)
  • IDEM. The Art and Science of Astral Projection. IIPC-NY. Não mais disponível online:
  • (Agosto 1999)
  • FELISMINO, Silvia. Consciousness Therapy. IIPC-NY. Não mais disponível online:
  • (Agosto 1999)
  • TRIVELLATO, Nanci. Conciousness Evolution. IIPC-NY. Não mais disponível online:
  • (Agosto 1999)
  • IDEM. Consciential Evolution: Personal Effort and Prioritization. Disponível online:
  • (Janeiro 1999)
  • IDEM. Out-of-Body Experience: Is it Possible?. IIPC-Main. Disponível online:
  • (Janeiro 1999)
  • VIEIRA, Waldo. Nossa Evolução. Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (1999)
- Notas:
* Nelson Correia Abreu nasceu em Lisboa, Portugal, em 1982 e vive na Flórida, USA desde 1996. Atualmente um estudante de engenharia elétrica na Universidade da Flórida (UF), ele tem estudado Conscienciologia desde que ampliou um clube de hipnotismo para se tornar o Fórum de Pesquisa e Educação da Conscienciologia com estudantes inicialmente da Escola Nova de Segundo Grau na Flórida. Com o apoio do IIPC-Miami, o estudante de engenharia mecânica Fernando Tavares e Nelson iniciaram o trabalho no Clube de Exploradores Conscienciais, como parte do Projeto de Integração da Conscienciologia da UF.

Composição: Este ensaio foi escrito em Agosto de 1999 para a classe de inglês Advanced Placement do Dr. E. Israel, para um projeto criativo relacionado à novela Memórias de uma Geisha, por Arthur S. Golden. Revisões: Dezembro 2000, Fevereiro 2001. Publicação: Journal of Conscientiology, Vol. 3, Número 10.

ImprimirEmail