O DESPERTAR DA KUNDALINI E OS CONDUTOS SUSHUMNA, IDA E PINGALA - por Dr. Quantz Crawford

De acordo com os iogues, existem dois condutos nervosos na coluna espinhal chamados IDA e PINGALA, e um canal ôco, ao qual chamam de "Sushumna;" Os gregos o chamavam de SPIEREMA, "correndo através da medula da espinha."
 
O DESPERTAR DA KUNDALINI E OS CONDUTOS SUSHUMNA, IDA E PINGALA

De acordo com os iogues, existem dois condutos nervosos na coluna espinhal chamados IDA e PINGALA, e um canal ôco, ao qual chamam de "Sushumna;" Os gregos o chamavam de SPIEREMA, "correndo através da medula da espinha."
No final mais baixo do canal ôco está o que os iogues chamam de "Lótus da Kundalini." Eles o descrevem como uma forma triangular; dentro dele, na linguagem simbólica dos iogues, há o poder espiralado da Kundalini. Quando aquela Kundalini desperta, ela tenta forçar a passagem através desse canal ôco. Conforme ela ascende passo a passo, camada após camada, a mente torna-se aberta, e todas as visões diferentes e poderes maravilhosos despertam para o iogue. Quando ela alcança o cérebro, o iogue torna-se completamente desapegado do corpo e da mente. A alma encontra-se liberta.
Nós sabemos que a medula espinhal é composta de uma maneira peculiar. Se tomarmos a figura do oito horizontalmente, existem duas partes que estão conectadas no meio. Supondo que você acrescente oito após, mais oito após oito empilhando-se um sobre o outro; isso representará a medula espinhal. O da esquerda é IDA e o da direita é PINGALA, e o canal oco que corre através do centro do cordão espinhal é o SUSHUMNA. Todos os três se encontram e se unem na parte mais inferior.
No lugar onde a medula espinhal termina em algumas das vértebras lombares, uma fibra fina emerge para baixo e o canal continua a percorrer suave para dentro daquela fibra, só que bem mais fino. O canal é fechado na parte mais baixa, a qual está situada no que é chamado o plexo sacral – que, de acordo com a fisiologia moderna, está em forma triangular. Os diferentes plexos que têm seus centros no canal espinhal correspondem aos diferentes lótus ou chacras do iogue.
O iogue imagina vários centros sutís (os chacras) começando pelo MULADHARA, ou o centro triangular básico, e terminando com o SAHASRARA, o lótus das mil pétalas no cérebro. Tome nota que diz-se que ele ESTÁ no cérebro. A maioria, senão todos os escritores ocidentais e "autoridades" entendem que isso significa o cérebro. Mas não é bem assim. Diz-se NO cérebro, portanto isso não significa que o lótus das mil pétalas SEJA o cérebro. Logicamente isso não poderia ser tampouco, porquanto o cérebro é um orgão de função sensorial material e o Lótus das mil pétalas é de função psíquica e espiritual. (Pesquisas recentes encontraram uma área no topo do cérebro que é DIFERENTE da "matéria cinzenta." Quando você faz os exercícios prescritos, ou outras práticas hinduistas, budistas, taoistas, sufista etc., abrirá um centro no topo da cabeça através do qual nova energia é contatada, confirmando esse fato para você mesmo.) Portanto, se tomarmos esses diferentes plexos como representando esses lótus, as idéias dos iogues podem ser facilmente compreendidas na linguagem da fisiologia moderna.
Sabemos que existem duas fontes de ação nessas correntes nervosas, uma conduzindo para dentro e a outra para fora, uma sensorial e uma motora; uma carrega uma sensação para o cérebro e a outra do cérebro para o corpo exterior. Essas vibrações estão todas conectadas com o cérebro no final das contas. Vários outros fatos terão que ser relembrados para poder clarear o caminho para a explanação que vem a seguir.
A medula espinhal termina no cérebro com aquilo que é chamado de PONS, um orgão parecido com uma lâmpada na base da medula, o qual diz-se que não está conectado ao cérebro, mas flutuando dentro de um fluido no cérebro, o que entre outras razões, serve para atuar como uma proteção de choque para esse orgão – um fato importante a ser lembrado. O PONS é o receptáculo dos centros que controlam essas funções vitais do corpo, como a respiração, os batimentos cardíacos, etc.
Segundo, de todos os centros você deve lembrar-se particularmente de três: o MULADHARA, que é o centro básico (chacra básico), o MANIPURA, ou o lótus do umbigo (chacra umbilical), e o SAHASRARA no cérebro (chacra da coroa ou chacra coronário). O muladhara é o receptáculo, o gerador da Kundalini. O manipura é o "Portal" ensinado em todas as leituras de ocultismo. Todas as escolas esotéricas fazem uso desse centro de uma maneira dinâmica para aumentar as energias que precisam ser manipuladas. O sahasrara tem sido chamado de "porta" através da qual outra energia é contatada. É o ponto do Samadhi – a fonte da Iluminação Espiritual (expansão da consciência, consciência cósmica)
Agora vamos pegar um fato da Física. Ouvimos falar de eletricidade e de várias outras forças conectadas a ela. A eletricidade é associada com movimento. As moléculas que compõem a matéria são acionadas pela eletricidade. Geralmente movem-se em padrões específicos. Se todas as moléculas num quarto, ou num objeto são feitas para se moverem em uma direção, formar-se-á uma imensa bateria. Outro ponto da fisiologia a ser lembrado é que o centro que regula o sistema respiratório, o sistema respiratório, tem uma espécie de ação controladora sobre o sistema das correntes nervosas. Agora vamos ver porque a respiração é praticada.
Em primeiro lugar, da respiração ritmada vem a tendência para todas as moléculas do corpo moverem-se em uma direção. Quando a mente transforma em vontade, as correntes nervosas são transformadas em um movimento similar à eletricidade. Os nervos mostram a polaridade sob a ação de correntes elétricas, mostrando por sua vez que quando a vontade é transformada, as correntes nervosas são transformadas em algo parecido com a eletricidade. Portanto, quando todas as moléculas de um corpo se tornaram perfeitamente rítmicas, o corpo tornou-se uma bateria gigantesca de vontade. Essa vontade gigantesca, tremenda é exatamente o que o iogue deseja. Existe, portanto, uma explicação fisiológica dos exercícios de respiração. Eles tendem a trazer uma ação rítmica para dentro do corpo e ajudam o centro respiratório a controlar os outros centros.
Na base da coluna, na área Sacral, existe uma área anular parecida com um canal, uma seção de osso que tem na realidade, três e meia espirais. Depois, no sexto VENTICLE tem o espaço vazio que percorre o centro da medula espinhal. Considerando que tudo o mais nos ensinamentos iogues foi confirmado agora pela ciência ocidental, precisamos presumir que da mesma maneira pode ser demonstrado que esse canal é fechado na parte de baixo onde se une ao canal anular. É por essa razão que a energia acumulada, ou gerada ali, não pode ascender até que a clausura seja aberta. Mas, mesmo depois de ter sido aberta, deve-se AUMENTAR O INFLUXO, e é aí que entra a área do Plexo Solar (em realidade a área do umbigo). Por isso ele é chamado de "Portal."
É interessante notar-se que os povos pelo mundo todo têm desenhado a serpente como estando em pé, conforme ilustrado adiante, e que a coluna se parece exatamente como a serpente se levantando.
É também interessante que a base da coluna é o ÚNICO lugar do corpo todo onde todos os sistemas nervosos se unem num lugar comum de encontro. Os nervos simpático, o vago e cérebro-espinhais, todos se unem por anastomose na base da coluna. A clausura do canal na base da coluna explica porque os estudantes que realizam certas práticas sem a preparação correta, podem sofrer contusões ou então a morte! Se a energia é aumentada, para onde ela deverá ir? Ela tem que ir para algum lugar! Se "para baixo", produz um excesso sexual; se através do nervo vago ou simpático, produz doença; se subir pela coluna para dentro do cérebro, insanidade.
O objetivo do pranayama (prática respiratória) aqui é o de ascender o poder espiralado no muladhara chamado Kundalini. Tudo o que vemos ou sonhamos ou imaginamos, temos que perceber no espaço, que é chamado MAHAKASHA. Sempre que um iogue lê os pensamentos de outros homens ou percebe objetos supersensíveis, ele os vê em outro tipo de espaço chamado de CHITAKASHA, o espaço mental. Quando a Kundalini é despertada e entra pela medula espinhal, o SUSHUMNA, todas as percepções estão no espaço mental. Quando atinge o final do canal que de abre para o cérebro, a percepção não-objetiva está no espaço do conhecimento. Pense em "espaço" como relacionado à palavra "Akasha", e você irá compreender melhor esses conceitos.
Ida e Pingala são os principais canais através dos quais essas correntes passam. Se você conseguir fazer com que a corrente passe através do sushumna no meio da medula espinhal, você já resolveu o problema. O sushumna nas pessoas comuns, está fechado na extremidade inferior; nenhuma ação se processa através dele. O iogue propõe uma prática pela qual ele pode ser aberto e as correntes nervosas serem levadas a transitar através dele. Quando uma sensação é levada até um centro, o centro reage. Agora o centro no qual todas as sensações residuais ficam acumuladas é o muladhara, o receptáculo da base, e a energia espiralada é a Kundalini, conforme mencionado acima. É muito provável que a energia motora residual também esteja acumulada no mesmo centro, depois de estudo profundo ou meditação sobre o externo, objetiva a parte do corpo onde está situado o muladhara e torna-se quente. Se essa energia espiralada for despertada e ativada e conscientemente levada a viajar até o sushumna, ela atua sobre centro após centro e uma tremenda reação será desencadeada. Quando uma porção minúscula de energia percorre uma fibra nervosa, causa uma reação do centro de percepção e você tem ou um sonho ou imaginação. O poder da meditação longa, interna, atua sobre a imensa massa de energia que está acumulada, e se alguma parte dela percorrer o sushumna e atingir os centros, a reação é tremenda e imensamente superior à reação do sonho ou da imaginação. Uma percepção supersensível ocorre. Quando chega na metrópole de tudo, no cérebro, a área inteira reage, e causa uma enorme labareda de iluminação, a percepção do Ser. Conforme a força da Kundalini percorre desde um centro para o outro, a mente como era, abre-se e o universo é percebido pelo iogue pela forma sutíl causal.
Agora para a prática do despertar da Kundalini e da abertura da clausura na base da coluna. É por causa dessa clausura na coluna que essa energia não pode subir pela coluna. Ocasionalmente, sob variadas circunstâncias, um pouquinho atravessa e então uma pessoa tem uma experiência de superconsciência, ou uma pequena iluminação, ou a nível mesmo de um gênio.
Agora, para despertar a Kundalini, nós utilizamos a prática do pranayama somente com cada INSPIRAÇÃO pela narina esquerda. Você envia uma corrente mental para baixo através da IDA, pelo lado esquerdo da coluna até o centro sacro básico da Kundalini, o muladhara, atingindo-o violentamente pela sua imaginação. Então, quando você exala a respiração através da outra narina você visualiza ou imagina ir trazendo aquela corrente PARA CIMA através do centro da coluna, através do sushumna, até a cabeça. Quando respira pela narina direita, você envia a corrente para baixo através do lado DIREITO da coluna, pelo PINGALA, atingindo outra vez violentamente o muladhara; mantenha lá a concentração, conforme lhe foi ensinado nessa fase do pranayama, e outra vez conduza a corrente pelo sushumna, o centro da coluna. O esforço mental de mandar uma corrente de poder forte como a eletricidade ao longo de sua coluna com cada uma das respirações – IDA, para baixo pelo lado esquerdo, e PINGALA para baixo pelo direito – e permanecer com o pensamento no muladhara, e depois trazê-lo pelo centro da coluna, juntamente com a respiração, é a maneira de promover o despertar da energia Kundalini.
Ao fazer a khumbaka ( depois de inspirar e expirar regular e normalmente através das duas narinas e repentinamente segurando na expiração), segure na expiração e coloque toda a sua atenção sobre o muladhara. Concentre toda a sua mente, seu pensar, seus pensamentos, seus sentimentos sobre o muladhara.
Outro exercício que ajuda a despertar a Kundalini é sentar-se e contrair a região retal o mais fortemente possível e segurar a tensão da contração na região retal. Enquanto mantém a concentração e a contração no muladhara na área do reto, tente levantar-se do chão. Isso deve ser feito quando sentado no chão com as pernas cruzadas. Coloque as mãos no chão, e enquanto você se concentra com a contração de seus músculos e nervos na região retal, tente levantar-se do chão e fique de pé contando até dez, depois deixe-se sentar novamente. Relaxe por um minuto e repita. Faça esse exercício de se levantar com a contração dez vezes, duas vezes ao dia. Assim, você descobrirá que a Kundalini um dia despertará. Essas duas práticas – de mandar a corrente para baixo e para cima na coluna, e depois a Khumbaka com a tensão e contração e o exercício de se levantar – todos juntos servem para abrir esse canal e para despertar a Kundalini. É o despertar da Kundalini que faz com que realizações posteriores se tornem possíveis.

- Por Dr. Quantz Crawford –

- Em livros de anatomia, menciona-se que uma fibra se extende desde a área por trás e entre os olhos (atrás da base do nariz), na estrutura da hipófise, para baixo até o final da coluna. Também, uma ramificação é encontrada vindo desde a área da orelha, conjugando-se com as fibras na área da hipófise.
Narina esquerda conectada com IDA: narina direita conectada com PINGALA.

Os nádis são os condutos sutis de transporte de energia pelo sistema. Há milhares deles interligando vibracionalmente vários pontos energéticos no corpo sutil. Estão correlacionados com os mesmos pontos no corpo denso. Contudo, apenas dez deles é que são de grande importância na ativação dos chacras e da kundalini. E desses, são três os principais: Ida, Píngala e Sushumna.
Esses nádis são importantes porque correm ao longo do duplo etérico da coluna, onde estão situadas as raízes dos chacras principais.
Sugiro ao leitor interessado no tema que leia o livro “Teoria Dos Chacras”, de Hiroshi Motoyama – Editora Pensamento.
(Texto extraído do livro “Methods of Psychih Development”- Ed. Samuel Weiser - EUA)
PS: Metódos de Desenvolvimento Psiquico - Dr. Quantz Crawford - Ed. Samuel Weiser - Impresso nos Estados Unidos da América.

ImprimirEmail