Conversando sobre Consciência, Amor e Maturidade


Uma Entrevista com um dos Espíritos da Companhia do Amor*
 
- Por que as pessoas tanto temem se abrir para um grande Amor?
 
Resposta: Por causa do rabo preso no próprio ego, por medo de ficar vulnerável no contato com os outros e por falta de profundidade para viver com o Amor real pulsando no próprio coração. Logo, somando-se esses fatores, observa-se, claramente, o porquê das relações humanas serem tão complicadas. A maioria quer viver um grande Amor, mas só na teoria ou na base de um romantismo distorcido.
Contudo, o Amor não vive de teorias ou fantasias de romance. A realidade cobra posturas e posições claras e, por vezes, surgem atritos variados e dificuldades de relacionamento. Sem maturidade e verdade, não há Amor que resista.
 
- Como é possível as pessoas se amarem e, ao mesmo tempo, brigarem tanto?
 
Resposta: Meu caro, quando o coração aperta, não é fácil! Então, lhe digo o seguinte: Quem vive cheio de emoções pequenas e instáveis não tem condições de suportar a força e a Luz de um grande Amor.
As pessoas brigam mesmo por arrogância encruada e rasura consciencial.
A maioria carrega um monte de penduricalhos emocionais agarrados no coração, causando peso e agonia. E se pelam de medo de soltar tais bugigangas afetivas. Aliás, não sabem nem viver sem elas.
 
- E pessoas presas de ciúmes doentios? O que se passa com elas?
 
Resposta: Insegurança crônica, falta de doses cavalares de bom senso ou traumas trazidos de outras relações anteriores, dessa ou de outras vidas. Trata-se de doença crônica da mente. Precisa ser combatida e tratada adequadamente.
Algumas pessoas ensandecidas de ciúmes e emoções gosmentas tomam atitudes drásticas, mesmo sem causa verdadeira para tanto. Gritam, esperneiam e brigam facilmente, movidas por suspeitas, muitas vezes infundadas.
Algumas mais parecem detetives investigando a vida do parceiro (a). Fuçam no celular e na bolsa alheia, procurando provas do suposto crime da pessoa amada.
Pena que elas não procuram sabedoria nem consciência com tanta vontade.
 
- Certa vez, você me disse que as pessoas com baixa autoestima perderam o respeito, inclusive por si mesmas. Você pode me falar mais alguma coisa sobre isso?
 
Resposta: Claro. “Está na ponta da língua”, como se dizia antigamente.
Quem não respeita a si próprio, não tem como respeitar aos outros e nem à própria existência. Por isso, é prioritário recuperar a autoestima e batalhar para melhorar. Isso não pode depender de contextos exteriores, é coisa de dentro, no cerne da própria inteligência.
“Estar bem” é um estado de consciência! Depende da pessoa não se conformar com estados internos deprimentes. Ninguém deve aceitar climas sombrios dentro do coração e nem manchas cinzentas toldando o raciocínio. É essencial trabalhar em cima disso. E, se for preciso, procurar ajuda para vencer a miséria interna. Mas, sempre lembrando que toda ajuda externa, por melhor que seja, depende da vontade da própria pessoa de melhorar.
Fazer terapia ajuda muito. Rezar também. E procurar clarear a “cuca” com idéias bem arejadas. Porém, a principal força de renovação está dentro dela mesma. O objetivo é resgatar essa parte essencial e trazê-la para a vida. E se a própria pessoa não quiser melhorar, quem poderá dar jeito nela?
É por isso que o Papai do Céu criou o Dr. Carma** - e quando a pessoa empaca igual burro teimoso, é Ele que vem resolver a parada. E se o Amor e a inteligência não convencem, Ele entra com a medicação certa: a dor (física, moral ou espiritual, tanto faz). E a sabedoria popular registra isso com a seguinte máxima: “Quem não evolui pelo Amor, vai pela dor!”
 
- Como lidar com as emoções?
 
Resposta: Meu caro, não tem técnica para isso aí. O lance é observar a si mesmo,  aprender com os próprios erros e evitar repeti-los tolamente. As emoções não são boas ou más e fazem parte do ser humano. Boa ou ruim é a forma como os homens lidam com elas.
Alguns explodem facilmente; outros se retraem e não enfrentam a verdade de frente; e outros mais, deixam-se levar sem reação saudável.
A maioria exagera mesmo! Partindo para cima, ou correndo de medo, as pessoas são presas fáceis de suas confusões afetivas; são verdadeiros joguetes, sendo balançados para cá e para lá, ao sabor de suas próprias sandices emocionais.
Como falar de Amor real para quem está cheio de tantas fantasias distorcidas e rasura emocional?
 
- O choro alivia a alma?
 
Resposta: Depende do tipo de choro e de quem chora, pois há choros de vários tipos. Alguns choram porque seu ego foi ferido de alguma maneira. Esse é o verdadeiro motivo das pessoas não processarem muito bem suas perdas afetivas. Outros choram porque não conseguiram o que queriam, seja lá o que for. E outros, ainda, choram de chantagem emocional.
E essa choradeira não dá em nada! Porque não é choro d’alma, é choro do ego!
O choro que lava a alma é aquele que vem da alegria espontânea e do Amor verdadeiro. E, falando direto, na lata, como manda o figurino, as pessoas choram muito, por isso ou por aquilo, mas, quem chora pela falta de consciência em si mesmo? Ou pela falta de qualidade de suas emoções? E quem chora pelo Papai do Céu?
 
- Como fica o coração que permite a entrada do ódio e da vingança?
 
Resposta: Um lixo! E coração não é lugar de tranqueiras emocionais.
O ódio deixa a pessoa doente por dentro e causa sérios bloqueios nas energias, empatando o impulso da vida de fluir livremente pelo sistema.
Odiar custa caro! Mesmo assim, tem gente que se deixa levar...
E, novamente eu pergunto: Como falar de Amor para gente assim, tão infeliz e apagada?
 
- E a solidão? Fale algo sobre isso.
 
Resposta: Que solidão, meu caro? Isso não existe!
Nesse mesmo momento, se alguém lhe visse, diria que você está sozinho. E, no entanto, eu estou aqui junto com você. O outro nome da solidão é “cegueira espiritual”.
Alguém pode estar sozinho no plano físico, mas sem sentir solidão, estando bem consigo mesmo; enquanto outros podem estar no meio de uma multidão, mas sentindo-se deslocados e solitários. Tudo depende de como as pessoas lidam com isso.
O ser humano tem necessidade de se relacionar, é de sua própria natureza, porém, às vezes, também precisa ficar sozinho, para refletir e reciclar a si mesmo.
Agora, o pior é ter tudo o que se quer na mão, mas, ainda assim, sentindo-se insatisfeito e infeliz. Então, a solidão aparece e cobra seu preço.
E a pior solidão é a daquele que não reconhece a presença do Papai do Céu em todas as coisas. O mundo está cheio de gente assim.
 
- Você sabe do caso de minha amiga que foi traída e tomou um chute do parceiro e viu o que eu disse para ela na ocasião. Então, você pode me falar algo a respeito disso?
 
Resposta: Quando a pessoa está bem consigo mesma, tomar um chute não é o fim do mundo. Ela processa bem o fato, até porque sua autoestima é boa e o respeito por si mesma é maior. Ela absorve o golpe e supera rapidamente, seguindo em frente... Inclusive, porque conhece bem seu coração e sabe que nada sujo pode habitar ali, muito menos a mágoa ou remoques de qualquer tipo. Ela sabe de seu valor e confia em sua luz.
Em contrapartida, se a pessoa não estiver bem com ela mesma, carregará seu coração de peso e dor. E isso só causará prejuízos em sua vida. Se o ego dela for grande, não suportará a rejeição e se sentirá no papel de vítima.
Às vezes, perder alguém pode ser de grande valia para a maturidade tomar seu lugar. O lado bom é o da quebra do ego, mostrando o que precisa ser trabalhado dentro da pessoa. Então, diga para sua amiga que se ela se considera do bem e da Luz, que supere logo a tristeza e siga em frente... E, se ela for boa como pensa, compreenderá isso claramente.
E, diga mais uma coisa para ela que não precisa ser santa para superar uma situação dessas; basta ser razoável consigo mesma. E não valorize tanto o que aconteceu; afinal, quem perdeu uma boa pessoa foi ele. E, por favor, dê um jeito de ser feliz, com alguém ao seu lado, ou não, quem sabe? O que não se pode admitir, em hipótese alguma, é a perda da Luz do coração.
 
- Como você é um craque nesses lances emocionais, deixe algum toque final para os leitores.
 
Resposta: Craque é o Papai do Céu, meu chapa! Ele bate um bolão e o campo d’Ele é o universo inteiro. Ele é o Cara!
O meu apontamento final é o seguinte: O Amor é maior do que tudo; não tem idade e nem vê aparência; não é medido por valores materiais; jamais julga ou cria dramas; não é drástico e nem machuca; é, verdadeiramente, um estado de consciência!
Para aguentar um Grande Amor no coração, só sendo uma grande pessoa porque sua Luz é intensa e fere os olhos de quem não quer enxergar além de suas ilusões.
Meu caro, fique bem feliz, sempre...
Que o Papai do Céu abençoe a todos os leitores.
 
 
P.S.:
Muita gente voa nos aviões de suas ilusões, e não chega a parte alguma.
Contudo, quem é esperto (e desperto), salta fora desses voos ruins.
Quem ama realmente, só voa de primeira classe, nas asas do Papai do Céu.
Na Terra ou no Astral, o Amor é a força de tudo o que é forte.
Quem sabe disso, é feliz.
 
- Companhia do Amor –
A Turma dos Poetas em Flor***.
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges.)
 
- Nota de Wagner Borges:
Ah, o Amor!
Aplaca a fera;
Amansa o ego;
Abre os olhos;
Faz rir de nada;
Faz a Luz eclodir;
Faz viver;
E derrete o coração...
Ah, derrete, sim.
E quem ama, sabe.
E agradece.
Porque o Amor é um presente.
E faz a consciência virar sol.
 
Paz e Luz.
 
- Notas do Texto:
* Esses escritos são a transcrição de um papo extrafísico com um dos espíritos da Companhia do Amor. O lance rolou durante uma experiência extracorpórea, e continuou depois, quando voltei ao corpo denso. Então, corri e escrevi tudo rapidamente, para não perder o registro desses apontamentos interplanos. E o melhor: o amigo espiritual me prometeu retomar esse tema das emoções oportunamente.
Aproveito e deixo registrada aqui a minha alegria por esses lances extrafísicos tão legais. E também agradeço a amizade e o respeito desses amigos espirituais.
Mesmo depois de tantos anos de estrada espiritual, ainda fico igual criança com tudo isso. E me sinto cada vez mais espiritualista, não por causa de alguma doutrina criada pelos homens da Terra, mas, simplesmente, por estado de consciência. E vamos em frente, sempre pela Luz...
Obs.: Experiência extracorpórea - é a capacidade parapsíquica - inerente a todas as criaturas -, que consiste na projeção da consciência para fora de seu corpo físico.
Sinonímias: Viagem astral – Ocultismo.
Projeção astral – Teosofia.
Projeção do corpo psíquico - Ordem Rosacruz.
Experiência fora do corpo – Parapsicologia.
Projeção da Consciência – Projeciologia.
Viagem da alma – Eckancar.
Viagem espiritual – Espiritualismo.
Viagem fora do corpo – Diversos projetores extrafísicos e autores.
Emancipação da alma (ou desprendimento espiritual) – Espiritismo.
Arrebatamento espiritual - autores cristãos.
** Carma - do sânscrito, karma - ação; causa – é a lei universal de causa e efeito - Tudo aquilo que pensamos, sentimos e fazemos são movimentações vibracionais nos planos mental, astral e físico, gerando causas que inexoravelmente apresentam seus efeitos correspondentes no universo interdimensional. Logo, obviamente não há efeito sem causa, e os efeitos procuram naturalmente as suas causas correspondentes. A isso os antigos hindus chamaram de carma.
*** A Companhia do Amor é um grupo de cronistas, poetas e escritores brasileiros desencarnados que me passam textos e mensagens espirituais há vários anos. Em sua grande maioria, são poetas e muito bem humorados. Segundo eles, os seus escritos são para mostrar que os espíritos não são nuvenzinhas ou luzinhas piscando em um plano espiritual inefável. Eles querem mostrar que continuam sendo pessoas comuns, apenas vivendo em outros planos, sem carregar o corpo denso. Querem que as pessoas encarnadas saibam que não existe apenas vida após a morte, mas, também, muita alegria e amor. Os seus textos são simples e diretos, buscando o coração do leitor.
Para mais detalhes sobre o trabalho dessa turma maravilhosa, ver os livros "Companhia do Amor - A Turma dos Poetas em Flor – Volumes 1 e 2" - Edição independente - Wagner Borges, e sua coluna no site do IPPB (que é uma das seções mais visitadas no site): www.ippb.org.br  
 

Para acessar os textos anteriores dessa seção, por favor, clique aqui.

ImprimirEmail