Rompendo os Grilhões Espirituais

ROMPENDO OS GRILHÕES ESPIRITUAIS
 Rompendo os Grilhoes Espirituais
 
 
 
- Por Wagner Borges - 
 
São 23h10min.
Estou hospedado na casa dos meus amigos baianos Jerônimo e Eliana.
Todos na casa já estão dormindo. Amanhã o pessoal acordará cedo para o trabalho e eu para tomar um avião de volta para São Paulo.
No momento, estou na sala do apartamento escrevendo sobre um trabalho de assistência espiritual que foi realizado ainda agora... Procurei fazer isso agora mesmo para não perder as fortes impressões psíquicas do que aconteceu e nem a força das lágrimas que rolaram soltas e lavaram minha alma junto com a libertação de vários espíritos que estavam cativos de velhos dramas.
Por volta das 21h40min, sentei-me aqui na sala sozinho e coloquei no aparelho de som um CD do tecladista e guitarrista austríaco Gandalf (1). O ponto de onde eu estava (sentado numa cadeira perto da mesa), era em frente à janela da sala, que tem uma ótima vista da avenida Paralela de Salvador (2). Dali, eu via os carros passando em alta velocidade.
Li um pouco e fechei os olhos por alguns instantes, para curtir a música daquele belo disco... Subitamente, o meu chacra frontal começou a pulsar fortemente, de forma espontânea (3). Então, percebi um dos amparadores espirituais (4) à minha esquerda e um pouco atrás do ponto de onde eu estava. Ele colocou a mão (paramão, mão extrafísica) no meu ombro esquerdo e saudou-me com um gesto de cabeça. Era um dos espíritos hindus da equipe extrafísica dos “Iniciados” (5).
O seu semblante era sereno e sua expressão emanava aquela sabedoria de quem já passou por tantas coisas ao longo de muitas experiências e superou o jogo ilusório das emoções e das formas perecíveis. Ele tinha uma barba escura e aparentava ter uns 48 anos. Em seus olhos havia um brilho azulado (e em torno da barba também).
Ele nada disse, mas, por experiência, eu já sabia: havia um trabalho de assistência espiritual em andamento e eu estava envolvido nele.
Acertei a minha posição na cadeira e apoiei as mãos na mesa. Concentrei-me, ergui os pensamentos ao Grande Arquiteto Do Universo e abri o meu coração, para que eu pudesse ser útil em alguma coisa. Vi que o mentor extrafísico também estava se concentrando e comunicando-se mentalmente com alguém mais elevado, em outro plano de manifestação. Ou seja, ele e eu estávamos na sintonia do “Amor Que Ama Sem Nome”.
Repentinamente, pulou um espírito denso na janela e apoiou-se no vidro da mesma tentando abri-la (6). Logo a seguir, pulou um segundo espírito. Os dois eram negros desencarnados e tentaram abrir o vidro da janela para entrarem, mas não conseguiram e olhavam-se, estranhando o fato. Daí, ficaram ali, pendurados, observando-me com uma expressão de olhar muito perturbada.
Enquanto isso, por intuição, eu sabia que aqueles espíritos eram de um grupo de negros extrafísicos que existe no plano extrafísico adjacente ao bairro do Bonfim (7). Esse grupo passou pelos percalços da época da escravidão no Brasil e permanece atrelado até hoje aos climas espirituais dos pontos mais antigos da cidade de Salvador. Eles não gostam de brancos e são muito ligados às tradições negras da Capoeira (8). Eles também são ligados às práticas de Magia oriundas da África antiga.
O problema desses espíritos é que até hoje ainda não conseguiram se livrar do ódio que possuem contra os brancos e, por isso, estacionaram no duplo extrafísico de alguns bairros de Salvador (9), de onde eles influenciam invisivelmente as pessoas encarnadas para o clima psíquico de suas contendas raciais.
Sentado ali e interligado consciencialmente com o amparador, eu sabia que haviam vários espíritos lá embaixo, perto da entrada do condomínio do prédio. Também sabia que em diversos lugares de Salvador estava sendo realizado um imenso trabalho de limpeza espiritual e de quebra de bolsões extrafísicos obsessivos.
Enquanto a música rolava no ambiente, em meio aos solos de guitarra e teclados bem elaborados, eu exteriorizava energias na intenção de que tudo de bom acontecesse. De todo meu corpo, irradiavam energias em conjunto com as energias do amparador. Nós dois ficamos dourados por inteiro, e uma Força Maior interpenetrou nossas consciências.
Alguém muito elevado estava nos usando (cada um na sua vibração interplanos) como canais energéticos para o trabalho coletivo de desassédio espiritual.
Em dado momento, uma poderosa onda de Amor transformou toda a atmosfera da sala em um ambiente rosado mesclado com tons de lilás e violeta. Senti que aquilo era muito Amor para eu aguentar, era muita “areia para o meu caminhão”. Não aguentei e comecei a chorar em silêncio enquanto aquelas ondas de sentimento superior passavam por mim e se propagavam espiritualmente...
Nesses momentos não há nada melhor no mundo que possa externar essas ondas de Amor incondicional do que as lágrimas vertidas espontaneamente na calada da noite e em silêncio. Esse silêncio do Amor Que Ama Sem Nome... Esse Amor Que Gera a Vida... Esse Toque do Grande Arquiteto do Universo... Esse Beijo Secreto da Mãe Divina.
Os dois espíritos na janela olhavam a tudo, muito assustados com aquela Luz emanada da sala, mas também envolvidos nela.
A essa altura, eu estava num estado alterado de consciência e a própria música que eu ouvia parecia mais viva e bela. Daí, o amparador me disse mentalmente:
“Só o Amor é capaz de romper as cadeias do ódio e da vingança. Há muitas dores escondidas dentro dos corações humanos. Milênios de equívocos e de orgulho já custaram muito à humanidade. Sem Amor, como curar tantas feridas e romper os grilhões emocionais que tanto machucam e destróem o discernimento?
O passado dos homens de todas as raças goteja sangue. Algozes e vítimas se encontram novamente, com outras vestes e outros ares, muitas vezes vivendo sob o mesmo teto, como familiares.
As poderosas engrenagens da roda do Carma seguem o seu movimento contínuo de esmagamento da arrogância humana.
Só o Amor conseguirá romper os bolsões extrafísicos trevosos ainda remanescentes da escravidão no Brasil.
Portanto, é importante emanar ondas de Amor com o coração limpo, sem tomar partido de branco ou negro, apenas deixando o coração ser canal de celestes vibrações a favor de todos.
Pense no Cristo abraçando a todos esses irmãos presos a dor do ódio. Com a pureza de uma criança, ore a favor da quebra dessas correntes inferiores que tanta aflição ainda causam.
Os seus pensamentos de respeito e de boa intenção chegarão até esses espíritos infelizes, pois, devido a sua condição momentânea de ser humano encarnado, é mais fácil conduzir suas exteriorizações energéticas até eles, que vibram numa frequência muito densa, logo acima de alguns bairros da cidade.  
No entanto, o seu Amor é mais importante do que as suas energias, meu amigo. É ele que rompe as correntes e desprende esses irmãos sofridos. Pense no Alto irradiando benesses invisíveis para todas as pessoas dessa cidade de alma tão dolorida... Pense na elevação desses espíritos em direção aos rumos da Luz.
Eles já sofreram muito e os portões da Pátria espiritual, nação de todos, estão abertos e os Seres de Luz os convidam para entrarem na liberdade tão almejada.  
Pense na liberdade do coração e eles o escutarão interdimensionalmente... Pense nas luzes dos mentores espirituais da raça negra e suas mãos estendidas no resgate desses seus filhos em confusão... Pense naquelas mãos calejadas de tanto trabalhar e que alcançaram a Luz nas asas do perdão. Elas estão estendidas sobre seus irmãos em constante trabalho de assistência espiritual. Junto com elas, cante a canção que o seu coração pedir. Ela chegará até eles numa onda de Amor.”
Então, sob a inspiração dele e de tudo o que estava rolando, peguei papel e caneta e escrevi e cantei chorando dentro do meu coração, o seguinte:  
“Ela veio do Céu toda vestida de branco.
Por onde Ela passava, as flores desabrochavam.
A todos Ela abençoou - e fez uma promessa:
Velaria no Céu por eles e seus descendentes.
Por muitas gerações os antigos dela falaram.
Ela, a Mãe Negra do Céu - e sua roupa branquinha.”
(Não sei direito o que estou escrevendo, mas, Mãezinha Negra, liberta esses irmãos e eleva-os nas ondas de Seu Amor. Minha pele é branca, mas o meu coração é vermelho como o de seus filhos e minha alma é tão luminosa quanto a deles.
Por favor, abra a passagem luminosa e eleve esses nossos irmãos às muitas moradas da Paz Celestial.)
Canta comigo, Mãezinha:
“As correntes se partiram
E nós voamos nas asas do Amor.
A liberdade parecia um sonho,
Mas nós estamos voando para fora
Das cadeias do ódio.
Aquele tempo de dor passou e agora
Nós ouvimos as vozes dos ancestrais na Luz.
Nossas asas de Luz se abriram e
vamos ao encontro de nosso sonho de liberdade.
Ah, como é lindo esse canto dos espíritos ancestrais!
Estamos voando além das dores,
Nas asas da liberdade.
Axé!”
(Mãezinha Negra, guie os seus filhos aos planos da Paz Espiritual e inspire aos homens de todas as raças a certeza de que todos nós somos irmãos de Luz.)
 
                                   * * *
 
Abri os olhos e continuei vendo os dois espíritos na janela. Eles estavam chorando e olhando-me de um jeito carinhoso. A seguir, pularam para baixo e não os vi mais. Pela intuição, eu sabia que eles e os outros que estavam lá embaixo estavam sendo levados para os lugares de tratamento espiritual no Astral. E que isso também estava acontecendo em vários lugares da cidade naquele mesmo instante.
O mentor fez um gesto de despedida e sumiu em meio aquelas energias do ambiente. Ele ainda continuaria o trabalho nos planos extrafísicos, talvez acompanhando aqueles mesmos espíritos atormentados pelas dores do ódio e da vingança.
Permaneci ali na sala escutando o belo CD do Gandalf e olhando para a avenida Paralela - e os carros passando por ela velozmente. Estava feliz e agradecido pela oportunidade de ter participado de um resgate espiritual desse nível.
No apartamento, todos dormiam. Fiquei ali na janela por um tempão meditando em tudo o que rolou. Olhei para cima: no céu as estrelas brilhavam muito. Ali embaixo, na avenida movimentada, os carros correndo. E em meu coração as ondas do Amor Que Ama Sem Nome... O Amor Que Gera a Vida... Às Vibrações da Mãezinha do Amor.
 
P.S.:
Até hoje não entendo uma coisa que observo em muitas pessoas: como é que pode alguém que estuda temas espirituais ser racista? Ou seja, estuda reencarnação e continua sendo racista. É um absurdo, mas há muitas pessoas assim.
Oxalá essa postura vergonhosa, verdadeira doença consciencial gravíssima, seja definitivamente erradicada da coração dois homens da Terra.
 
Paz e Luz.
 
- Wagner Borges – mestre de nada e discípulo de coisa alguma.
 
- Notas:
1. Gandalf - CD “Barakaya” (Gravadora Sattva Music – Alemanha) – trata-se de um maravilhoso trabalho de guitarras, teclados e cello. As melhores músicas estão da sexta faixa em diante. É pura maravilha sonora e remete aquele clima viajante que o Yes e o Pink Floyd realizavam na década de 1970.
2. O apartamento dos meus amigos fica no bairro do Imbuí, bem em frente a avenida Paralela.
3. Quando o chacra frontal (chacra da testa) está ativado, a pessoa sente algumas dessas sensações: calor intenso na testa, ardência na testa, intumescimento da aura da testa, pulsação nas têmporas (onde existem dois chacras secundários ligados ao frontal), pulsação no centro da testa, clarões dentro da testa, sensação de testa rachada e, ocasionalmente, flashes de clarividência.
Obs.: Chacra Frontal - é o centro de força situado na área da glabela, no espaço espiritual interno da testa. Está ligado à glândula hipófise – pituitária - e tem relação direta com os diversos fenômenos de clarividência, intuição e percepções parapsíquicas. É o chacra da aprendizagem e do conhecimento. Em sânscrito ele é conhecido como “Ajna”, o centro de comando.
(Chacras - do sânscrito - são os centros de força situados no corpo energético e têm como função principal a absorção de energia - prana, chi -, do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.
  Os principais chacras são sete – que estão conectados com as sete glândulas que compõem o sistema endócrino: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico).
4. Amparadores extrafísicos – entidades extrafísicas e positivas que ajudam na evolução de todos; mentores extrafísicos; companheiros espirituais; protetores astrais; auxiliares invisíveis; guardiões astrais; guias espirituais; benfeitores espirituais.
5. Os Iniciados - grupo extrafísico de espíritos orientais que opera nos planos invisíveis do Ocidente, passando as informações espirituais oriundas da sabedoria antiga, adaptadas aos tempos modernos e direcionadas aos estudantes espirituais do presente.
Composto por amparadores hindus, chineses, egípcios, tibetanos, japoneses e alguns gregos, eles têm o compromisso de ventilar os antigos valores espirituais do Oriente nos modernos caminhos do Ocidente, fazendo disso uma síntese universalista. Estão ligados aos espíritos da Fraternidade da Cruz e do Triângulo. Segundo eles, são “iniciados” em fazer o Bem, sem olhar a quem.
6. Normalmente os espíritos densos não voam e nem conseguem atravessar o duplo energético dos objetos e coisas do plano físico. Por isso, eles costumam pular ou correr velozmente para compensar sua falta de leveza vibracional.
7. Certa vez, no ano de 1992, eu estava em Salvador para alguns cursos e fui levado fora do corpo durante o sono por um amparador por cima do bairro do Bonfim (um dos mais antigos de Salvador). Ali eu vi uma comunidade extrafísica de negros desencarnados ainda presos às ideias de vingança contra os brancos, por causa da escravidão a que estes submeteram a raça negra no passado. Por isso eu já sabia de onde vinham aqueles negros pendurados na janela do apartamento.
8. A Capoeira é uma luta mesclada com dança trazida pelos negros da África para as terras do Brasil durante o período da escravidão. É bela de se ver e muito rica em tradições ancestrais do povo africano e seus descendentes.
9. Salvador é uma das cidades brasileiras onde a escravidão foi violentíssima e que ainda conserva pontos turísticos como o Pelourinho, local de tortura de escravos no passado. As cidades do Rio de Janeiro e Curitiba - e várias cidades do interior de São Paulo e Minas Gerais também foram pontos de alta violência contra o raça negra. Porém, em Salvador essa atmosfera parece conservar-se mais devido as próprias características culturais da cidade.
Obs.: Deixo na sequência um outro texto referente a assistência extrafísica, passado por um dos mentores extrafísicos, para complementar esses escritos conscienciais.
 
 
ASSISTÊNCIA RADIANTE - II
 
Meus irmãos, levem a sério esses estudos e práticas espirituais.
Vocês não percebem, mas enquanto realizam esses exercícios, suas auras são purificadas de manchas antigas.
Os amigos extrafísicos aproveitam esses momentos de convergência energética para efetuarem vários mecanismos de assistência espiritual, tanto para os participantes do grupo, quanto para outras pessoas distantes, físicas e extrafísicas.
Ocorrem muitas coisas nos planos sutis referentes à uma reunião de cunho espiritualista, desde a pura e simples desobsessão espiritual até o desbloqueio dos centros de força (chacras); desde a limpeza energética dos participantes até a implantação de ondas de intuição extremamente sutis em seus centros coronário, frontal e cardíaco.
A ação dos amparadores é plenamente eficaz, mas ocorre fora dos padrões de percepção comum dos encarnados. Seu trabalho é realizado em frequências espirituais quintessenciadas, fora do alcance das ansiedades humanas. Não obstante o seu anonimato, estão sempre presentes! São invisíveis aos olhos físicos, mas são operantes e não buscam mérito algum em suas atividades. Estão ligados a vocês por sintonia de objetivos sadios.
Por isso, executem com diligência e seriedade as práticas espirituais sugeridas. Elas são portas abertas para um maior contato com seus amparadores. Mantenham um padrão de consciência elevado, com humildade e respeito pelas Leis Maiores que governam a existência de todos.
Mente aberta em todos os procedimentos e muita Luz no caminho...
 

* * *

Meus amigos, podemos fazer um bom trabalho individualmente, mas, quando unidos a outras consciências em elevado padrão consciencial, transformamo-nos em poderosas ondas espirituais a favor do Bem de todos os seres.
Encarnados e desencarnados, em harmonia de objetivos, operam a maravilha da assistência espiritual no mundo dos homens e em seus subplanos extrafísicos mais densos.
 

* * *

Há pessoas que entram e saem de suas vidas. Porém, os amparadores continuarão presentes! Durante a romagem terrena, na hora da morte, e no período extrafísico - entre as vidas -, eles sempre estarão presentes com vocês!
Ninguém está sozinho!
Pois, como dizia o mestre Jesus: “Na casa do Pai há muitas moradas”.
E nessas moradas extrafísicas vivem os amparadores de várias frequências. Eles trabalham e torcem para que vocês sigam os preceitos do Amor e do bom senso ao longo da vida.
 

* * *

Isolados, somos simples farol aceso em meio às brumas de nossas dúvidas e frustrações. Juntos, na sintonia do Bem, somos um Sol de amor. Somos Luz no caminho!*
(Esses escritos foram direcionados, em primeiro plano, para os alunos do curso “Luz no Caminho", realizado em Salvador. Contudo, o seu teor poderá ser útil para outros leitores.)
 
P.S.:  
Os amparadores que me passaram esses escritos não querem identificar-se. Preferem ficar no anonimato, pois, segundo eles, suas individualidades não são significativas. Para eles, o importante é ventilar ideias benéficas às pessoas.
(Recebido por Wagner Borges; Salvador, 02 de fevereiro de 1999)
 
- Nota:
* Enquanto eu recebia esses escritos, os amparadores me mostraram, por clarividência, a ação de um grupo de médicos extrafísicos em algum lugar da África.
Dentre eles, estava o meu querido amigo Dr. Luiz Raphael, que há tempos eu não via. A equipe estava aplicando passes energéticos para efetuar o desprendimento espiritual de várias pessoas que haviam desencarnado por lá hoje.
Vi muitos cadáveres de pessoas de cor negra estirados no chão (boa parte eram de crianças), cobertos de moscas. Por incrível que pareça, às bordas do século XXI, com tanta tecnologia no mundo, ainda há muitos seres humanos desencarnando por causa da miséria.
Olhando a dedicação daqueles espíritos e sua ação organizada, lágrimas de admiração tomaram-me de assalto e não pude evitar o choro solitário na calada da madrugada. Já vi e participei de trabalhos assim (dentro e fora do corpo), centenas de vezes, mas, em certas ocasiões, as ondas de sentimento são tão intensas que não há como permanecer incólume emocionalmente, mesmo lastreado por anos de experiência prática nisso.
Paradoxalmente, enquanto observava as cenas, à distância, e escrevia, lembrei-me de várias pessoas envolvidas em estudos espirituais. Pensei nos pesquisadores teóricos das experiências fora do corpo e dos fenômenos parapsíquicos em geral (verdadeiros burocratas conscienciais). Onde se encaixaria o seu virtuosismo técnico e sua nomenclatura opulenta naquelas ondas de sentimento dos amparadores?...
Lembrei-me das pessoas que aparecem em cursos e palestras espiritualistas, cheias de egoísmo em suas aspirações místicas. Onde se encaixaria a leviandade da maioria desse pessoal no trabalho daqueles amparadores?... Haveria alguma ressonância espiritual entre eles?
Lembrei-me, também, do pessoal do nosso Grupo de Estudos e dos vários grupos de irradiação de energia do nosso espaço em São Paulo. Onde se encaixaria o egoísmo e o personalismo barato de alguns deles na ação dos amparadores?... Que sintonia haveria entre suas mediocridades emocionais, suas reclamações de coisas ínfimas e seus objetivos místicos fúteis e os envolvimentos espirituais superiores dos amparadores?
Se todo esse pessoal pudesse ver os amparadores trabalhando com tal dedicação e Amor, será que seus olhos brilhariam mais?... Será que seus objetivos espirituais seriam mais dignos e suas presenças em grupo mais responsáveis?
Será que eles entenderiam essa canção?:
“Venha, minha criança!
Segure na minha mão.
Atravessaremos os portais luminosos
Junto com os anjos da aurora.
Eles nos guiarão pelas alamedas do Céu...
Entraremos no Coração do Bem-amado,
Lar da luz imortal,
Onde as estrelas nos saudarão.
Venha, solte-se do corpo,
Velha morada da dor,
E vamos para a luz.
Os anjos estão aqui, trabalhando em silêncio.
Eles nos guiarão nas luzes do Amor
Pelas alamedas do Céu.”
 
Paz e Luz!

Para acessar os textos anteriores dessa seção, por favor, clique aqui.

 

Imprimir Email