E Me Vejo a Pensar... - IV*

E Me Vejo a Pensar... - IV*
 
E ME VEJO A PENSAR... – IV*
 
E me vejo a pensar...
Nos sentimentos que viajam na noite.
E que vão direto ao coração.
 
E me vejo a pensar...
Naqueles que já passaram pela ponte de Luz.
E que hoje fazem suas canções na Casa das Estrelas.
 
E me vejo a pensar...
Naquilo que os meus olhos não veem.
Mas que sinto em meu coração.
 
E me vejo a pensar...
Naquele Amor que não é desse mundo.
E que, às vezes, vem me visitar, em Espírito e Verdade.
 
E me vejo a pensar...
Naquela Luz que não ofusca, só ilumina e esclarece.
Que faz o carrilhão de estrelas surgir no Samadhi**.
 
E me vejo a pensar...
Nas Almas Livres que velam silenciosamente pela humanidade.
E que amam a todos os seres, incondicionalmente***.
 
E me vejo a pensar...
Nas coisas que as mãos não tocam.
E que só são sentidas de alma para alma.
 
E me vejo a pensar...
Na responsabilidade que o conhecimento acarreta.
E que quem sabe mais, precisa compreender mais...
 
E me vejo a pensar...
Nos que se encantaram com a sedução do mal.
E se perderam num mar de trevas e Carma****.
 
E me vejo a pensar...
Na arrogância que desvia o Ser dos bons propósitos.
E no quanto isso custa de dor e decepção no final.
 
E me vejo a pensar...
Que quem ama a Luz, é conhecido pelo Alto.
E mais: precisa viver por isso.
 
E me vejo a pensar...
Nos espíritos que me olham enquanto escrevo.
Todos eles bem vivos, algures...
 
E me vejo a pensar...
No olhar silencioso de um Rishi*****.
Que também me olha com os olhos do Amor.
 
E me vejo a pensar...
Que, às vezes, poucas palavras podem dizer muito.
Principalmente quando vão direto ao coração.
 
E me vejo a pensar...
Na violência e tristeza que campeiam no mundo.
Então, sinto o coração do Rishi tocando o meu coração.
 
E me vejo a pensar...
No quanto essas consciências elevadas e anônimas ajudam a todos.
E tudo isso só por causa de sua natureza generosa.
 
E me vejo a pensar...
Na responsabilidade de escrever essas linhas.
Sempre afirmando a imortalidade da consciência.
 
E me vejo a pensar...
No quanto sou pequeno diante da magnitude da vida universal.
E o quanto tenho que aprender na jornada da alma.
 
E me vejo pensar...
Na bondade dos mentores extrafísicos (a quem devo muito).
E no carinho dos iniciados espirituais inspirando a senda dos homens de bem.
 
E me vejo a pensar...
Que não há efeito sem causa.
E que o Todo está em tudo!
 
E me vejo a pensar...
Que no dia em que renasci na Terra, não foi feriado no universo.
E que no dia em que eu partir, também não será!
 
E me vejo a pensar...
Naqueles que lerão esses escritos.
Ah, tomara que eles vibrem espiritualmente junto!
 
E me vejo a pensar...
Novamente nas Almas Livres, que, como a primavera, fazem bem a todos.
E que auxiliam os homens na longa travessia das existências seriadas...
 
E me vejo a pensar...
Que há uma Luz que brilha mais do que bilhões de sóis juntos.
É a Essência da Alma... Essa é a Luz que mora no coração.
 
E me vejo a pensar...
Num Amor que não se explica, só se sente...
E mais não sei dizer.
 
P.S.:
Às vezes, alguém imagina que eu escrevo porque estou apaixonado.
Sim, é por isso mesmo... Estou apaixonado pela Luz.
Sempre foi assim... E sempre será!
 
(Dedicado a Paramahamsa Ramakrishna e à Mãe Divina.)
 
Paz e Luz.
 
- Wagner Borges - pequeno espírito nas ondas de um Grande Amor...
São Paulo, 09 de janeiro de 2015.
 
- Notas:
* As três primeiras partes desse texto podem ser acessadas no site do IPPB - www.ippb.org.br -, nos seguintes endereços específicos:
** Samadhi – do sânscrito - expansão da consciência; estado de consciência cósmica.
*** Ver o texto “Lembrando as Almas Livres”, no seguinte link do site do IPPB: http://www.ippb.org.br/textos/textos-periodicos/1340-lembrando-as-almas-livres-iii
**** Carma - do sânscrito “Karma” - ação; causa – é a lei universal de causa e efeito - Tudo aquilo que pensamos, sentimos e fazemos são movimentações vibracionais nos planos mental, astral e físico, gerando causas que inexoravelmente apresentam seus efeitos correspondentes no universo interdimensional. Logo, obviamente não há efeito sem causa, e os efeitos procuram naturalmente as suas causas correspondentes. A isso os antigos hindus chamaram de carma.
***** Rishis – do sânscrito – sábios espirituais; mestres da velha Índia; mentores dos Upanishads.
Obs.: Deixo na sequência mais um texto em que falo das Almas Livres e de assistência extrafísica (o mesmo foi postado há alguns anos no site do IPPB).
 
 
DESPRENDIMENTO ESPIRITUAL – ENTRANDO NA LUZ...
(Transformando a Dor da Saudade em Luz Clarinha)
 
Enquanto eu me preparo para sair, para uma reunião espiritual onde falarei sobre as experiências fora do corpo no contexto hinduísta, sinto uma energia sutil chegando aqui no meu apartamento. Por intuição, sei que há um trabalho de assistência extrafísica em andamento.
Então, coloco para tocar um lindo CD do músico americano Robin Miller* e me sento numa cadeira do quarto, para realizar um trabalho de energia (pulsação de luz nos chacras). Sinto várias presenças extrafísicas no ambiente. Sei que os amparadores** estão enchendo o ambiente de Luz clarinha.
Quietinho, elevo meus pensamentos àquelas Almas Livres, tranquilas e magnânimas, que ajudam a todos, invisivelmente. Faço uma prece de agradecimento ao Alto, por tudo. E fico à disposição, para tudo aquilo que for útil e positivo para o bem de todos.
Subitamente, sinto uma saudade lancinante invadindo meu coração. Daí, passo a sentir a dor de uma perda em mim mesmo. Sinto a perda de um filho. Então, percebo que estou sentindo a dor da saudade de um pai. Alguém que perdeu seu filho e que está muito agoniado e sofrido. Alguém que os mentores extrafísicos estão ajudando à distância.
Continuo quietinho, com a consciência ligada ao Alto e irradiando energias sadias a favor desse pai desconhecido. Sinto que estão transferindo a dor dele, para aliviá-lo, e passando-a por meu coração, transformando-a, por obra e graça de um Amor sutil, em Luz clarinha e serena.
Sinto a dor dele, como se eu mesmo fosse esse pai e, ao mesmo tempo, sinto a serenidade e o amor descendo em mim. E oro a favor desse homem sofrido, para que a Luz toque seu coração e lhe devolva a paz de espírito e a alegria de viver.
Gradualmente, enquanto a linda música do Robin Miller se torna a trilha sonora desse momento, vou entrando num estado alterado de consciência. E aí, o lance espiritual se revela completamente. Vejo, pela clarividência***, a figura de um garoto desencarnado à minha direita.
Ele está tranquilo. Está pelado e me olha com simpatia. Sinto que ele é o filho do tal homem e que está recém-desencarnado. Telepaticamente, ele me diz:
“Obrigado por ajudar o meu pai.
Eu estou bem e vou fazer a passagem para a Luz.
O meu avô**** veio me buscar antes, mas eu não quis ir. Fiquei preocupado com meu pai. Ele está sofrendo muito e não aceita minha partida.
Então eu rezei para Deus mandar um anjo para ajudá-lo. E aí surgiu um facho de Luz e me trouxe até aqui. E eu vi você rezando para as Almas Livres que ajudam a todos os seres. E rezei junto, para elas ajudarem meu pai. Também senti que a dor dele veio para você. Com isso, eu sei que ele melhorou. E agora, eu posso seguir em frente...
Você promete que continuará rezando por ele? Para que ele volte a rir como antes? Para que ele não se sinta culpado de nada. Eu sei o quanto ele me ama. Mas a minha saúde nunca foi muito boa mesmo. O meu tempo chegou e é preciso aceitar isso.
Você promete que continuará transformando a dor dele em Luz?”
E aí, ele segura na minha mão direita e fecha os olhos. E um grande facho de Luz desce sobre ele e o leva para cima, de volta para a “casa espiritual”.
Nem deu tempo de dizer para ele que quem transforma a dor em Luz é o Alto e que sou apenas um servidor interplanos tentando fazer o melhor possível.
Olho a hora e vejo que tenho de sair para a aula. Ainda estou sob a emoção do lance.
Antes de sair, ainda curto mais um pouco a música e agradeço ao Alto por mais uma chance de participar da maravilha da assistência espiritual. Espero que o pai dele tenha melhorado de alguma maneira. E que algo bom tenha tocado seu coração.
De toda forma, penso que algo assim também melhora outros pais por aí... Outros que perderam seus filhos. Talvez, lendo essas linhas, eles melhorem junto e elevem seus pensamentos ao Alto.
Seus filhos seguem vivos, além... Isso é certo. Mas eles também precisam seguir vivos, aqui e agora! Precisam superar a dor da saudade e recuperar a alegria. Saudade dói, mas ignorância e apego machucam bem mais.
Que aquele Amor sutil transforme a dor de todos os pais em Luz clarinha, como deve ser. E que aquelas Almas Livres, tranquilas e generosas, continuem velando secretamente por todos nós. Que os filhos, além, e os pais, por aqui, sejam felizes.
Nada morre! O Todo está em tudo! O Amor é maior do que tudo!
E que tudo fique clarinho, como aquela Luz do Alto.
Que tudo vire Luz!
 
Paz e Luz.
 
- Wagner Borges - sujeito com qualidades e defeitos, espiritualista, pai de duas estrelinhas, Helena e Maria Luz, mestre de nada e discípulo de coisa alguma, e que sempre agradece ao Grande Arquiteto Do Universo, por tudo.
 
- Notas:
* CD "In the Company of Angels” - do tecladista new age americano Robin Miller - Importado – U.S.A.
** Amparador extrafísico – entidade extrafísica e positiva que ajuda o projetor nas suas experiências extracorpóreas; mentor extrafísico; mestre extrafísico; companheiro espiritual; protetor astral; auxiliar invisível; guardião astral; guia espiritual; benfeitor espiritual.
*** Clarividência – do latim, clarus - claro; videre, ver – é a faculdade perceptiva que permite ao indivíduo adquirir informações acerca de objetos, eventos psíquicos, cenas e coisas, físicas ou extrafísicas, através da percepção parapsíquica de imagens ou quadros mentais.
**** No caso, o avô dele é desencarnado e veio buscá-lo em sua hora final. Isso é muito comum, parentes e amigos extrafísicos costumam vir buscar seus entes queridos no momento da passagem interplanos.

 Para acessar os textos anteriores, clique aqui http://www.ippb.org.br/textos/textos-em-destaque

Imprimir Email