Uma Viagem Espiritual na Casa das Estrelas

Projecao do Corpo Mental

UMA VIAGEM ESPIRITUAL NA CASA DAS ESTRELAS
(Um Relato de Projeção do Corpo Mental)
 
- Por Wagner Borges -
 
(O texto abaixo foi postado originalmente na lista interna do Grupo de Estudos e Assistência Espiritual do IPPB, em janeiro de 2003. Por isso está com um toque informal, escrito para um grupo de amigos, como um relato espontâneo.
Deixei desse mesmo jeito justamente para manter o tom informal do relato, e não como um texto elaborado, mas apenas como uma narrativa simples e direta de um projetor sob o efeito de uma experiência projetiva (1) importante.
Esclareço, ainda, que o motivo de postar um relato projetivo é o de esclarecimento sobre o tema. Sua leitura poderá clarear as experiências de outros projetores e estudantes do tema. As notas de rodapé contêm informações adicionais interessantes nesse estudo.
Lembro aos leitores que as explicações inseridas nas notas são fruto de minha própria interpretação pessoal dentro da pesquisa das experiências fora do corpo, por isso não constituem nada definitivo no âmbito desse estudo do tema, sendo apenas isso: explicações adicionais para clarear diversos pontos do relato.
Bom, tudo explicado, vamos aos escritos.)
 
* * *
 
Olá, pessoal.
Hoje é sábado e estou em casa à toa curtindo minhas férias, escutando música e lendo bastante. Há algumas horas que estou sentindo uma abertura energética diferente nas costas, bem na boca posterior do chacra cardíaco (2). Concentro-me nessa região e percebo uma energia amarela brilhante emanando dali e subindo para a parte posterior da cabeça.
Como não fiz nada para isso acontecer, presumo que durante o sono algum mentor extrafísico (3) mexeu em minhas energias. Percebo que há um processo anímico-mediúnico em andamento. É só esperar para ver o que rola nesse lance...
Passo a tarde assistindo alguns vídeos legais. Depois falo com o Pablo por telefone e combinamos de jantar e assistir um filme à noite, junto com outros amigos. Porém, falo o seguinte para ele:
“Não tenho certeza se vou mesmo. Estou sentindo um lance rolando aqui no meu chacra cardíaco e, se ele aumentar, vou ficar em casa para ver o andamento disso. Dá uma ligada antes, ok.?”
Por volta das 18h, sento no sofá do quarto para ouvir alguns discos de vinil antigos. Escolho um de música clássica repleto de violinos virtuosos (4). Fecho os olhos e fico curtindo aquela maravilha sonora e sentindo-me privilegiado de poder curtir algo desse nível. Sem perceber, cochilo profundamente.
Desperto uns vinte minutos depois, com o ruído automático do fim do disco e o deslocamento do braço do toca discos para a posição de desligado.
Percebo uma presença sutil no quarto, mas não diviso sua aparência. Em minha tela mental, surge a figura de um xamã pele-vermelha idoso e de cabelos longos e grisalhos, mas rapidamente a figura desaparece. Sinto que a sua presença tem a ver com o lance do chacra cardíaco.
Coloco o disco para tocar novamente e vou para o quarto de dormir. Deito-me e fico prestando atenção naquela emanação amarela nas costas. Apago novamente.
Desperto às 19h45min.
Levanto-me e tomo um banho. Persiste a sensação de que algo está rolando nos bastidores extrafísicos aqui do apartamento.
O Pablo liga e digo a ele que não posso sair.
A seguir, janto um sanduíche (na verdade, a outra metade dele que sobrou do almoço), e tomo um suco.
Tento assistir um pouco de televisão, mas não consigo suportar a mesmice da programação. Então, vou para o quarto escutar música novamente.
Coloco mais um disco de música clássica (5) e sento-me no sofá. Percebo que estou um pouco inquieto por dentro, pois sinto que está para rolar algo muito importante. Porém, a inquietude é só intelectual, pois algo dentro do meu coração sabe, me guia intuitivamente e confia no próprio espírito.
Fecho os olhos e relaxo. Mergulho na música e me delicio.
Levo a atenção para a emanação de energia amarela nas costas. Ela continua ascendendo por fora das costas até a parte posterior da cabeça. Sinto que esse processo está chegando ao seu ápice e é só esperar mais um pouquinho para que ele se complete e me revele o que está rolando.
O disco chega ao fim do lado 1. Levanto-me e troco para o lado 2.
Aproveito e acendo um excelente incenso de sândalo que recebi hoje. Ele é forte e rapidamente enche o quarto de fumaça perfumada (6).
Dou uma risada, pois me lembro de que esse é o incenso preferido de Shiva (7), o Senhor dos iogues e Divino transformador da vida e das energias.
Saio do sofá e sento-me no chão de pernas cruzadas. Escuto barulho de risadas e vozes altas lá embaixo na rua. Tem uma turminha batendo papo e se divertindo. Fico tentado a ligar para o Pablo e um grupo de amigos (na verdade, três casais aqui da lista), que estão se encontrando nesse mesmo momento. Lembro-me de outras pessoas também.
Fico tentado a ligar para alguém para compartilhar esse algo espiritual que ainda não sei o que é, mas que já me traz uma sensação de elevação espiritual por dentro. Nessas horas gosto muito de compartilhar o que está rolando e de propiciar uma carona espiritual para que alguém também possa viajar nessas energias maravilhosas da espiritualidade.
Talvez seja essa minha natureza de libriano, mas compartilhar algo bom com alguém me faz muito contente. Porém, sinto que o lance está para acontecer e que não dá mais tempo de chamar ninguém.
Volto a atenção novamente para o chacra cardíaco, e aí o lance finalmente se revela. Vejo a energia passar do amarelo para o verde-limão brilhante. A essa altura, percebo a boca posterior do chacra umbilical se abrindo e jorrando energia amarela suave para o cardíaco. Ao mesmo tempo, a boca frontal do chacra laríngeo se abre e emana para baixo um jorro de energia azul-clara. Então, as duas energias, azul descendo e amarelo subindo, se encontram no chacra cardíaco e ampliam aquela luz verde brilhante.
Nesse momento, todo o centro interno do peito está cheio dessa luz esverdeada. E isso passa uma sensação de alegria e de contentamento muito grande. Ao mesmo tempo, sinto uma sensação gostosa bem na base do pênis, e isso me revela as energias da kundalini em ação nesse processo (8).
Enquanto tudo isso rola, continuo escutando a música e o barulho da galera lá embaixo. Ainda penso: “Que pena não ter dado tempo de chamar o pessoal para dividir isso aqui in loco’ no momento em que está acontecendo.”
A seguir, a energia verde sobe e enche a minha cabeça com uma sensação maravilhosa que não tenho palavras para descrever. O ponto onde eu mais sinto ainda é na parte alta posterior da cabeça (9). O meu corpo entorpece por inteiro e sinto minha cabeça pender um pouco para baixo, quase encostando no pescoço.
Daí, um turbilhão suave invisível (se é que posso chamar assim) me arrebata abruptamente pelas costas e para cima. Vejo-me totalmente lúcido fora do corpo e acima dele, cerca de três metros no ar. Flutuo sentado no ar, na mesma posição em que o meu corpo físico está sentado. Parece que estou sentado num colchão de ar invisível.
Olho para baixo e vejo o meu corpo sentado com a cabeça caída meio de lado. Parece uma pessoa dormindo sentada.
Percebo que extrafisicamente eu sou como uma cópia exata da aparência do corpo abaixo, inclusive com o short azul e sem camisa.
Entretanto, há um brilho claro em torno de mim, e no físico só vejo sua forma carnal mesmo, sem o brilho suave que o corpo espiritual (10) apresenta naturalmente.
Presto atenção na cabeça física logo abaixo. Apesar da idade física e de alguns fios já grisalhos, até que o meu cabelo ainda está bem pretinho. E mais: há uma pequena calva bem na parte alta posterior (mas nada tão devastador quanto vejo em alguns amigos meus).
Como estou bem consciente mesmo (inclusive, ainda continuo ouvindo o pessoal lá na rua e a música aqui do quarto), aproveito para observar os detalhes do processo projetivo. Aprofundo a paravisão (visão extrafísica) e vejo que estou dentro de um campo de força esfumaçado (11).
De várias partes do corpo físico para cima, desprendem-se vários filamentos branco-brilhantes, notadamente de três áreas: a boca posterior do chacra cardíaco, da base da coluna e da base da nuca. Mas o interessante é que eles não chegam até a mim, parecendo sumir no ar à cerca de uns dois metros de altura, logo abaixo de onde estou sentado no ar. Porém, sinto que estou preso energeticamente por algo invisível na base da nuca (12).
Então, tenho uma surpresa: surge do meu lado esquerdo, sentado no ar, o mesmo xamã que eu havia visto antes. Sua figura é suave e generosa. Lembra aqueles mestres indígenas cheios de sabedoria ancestral. Ele está vestido à moda indígena americana das tribos das terras quentes da América do Norte. Em sua mão esquerda ele segura um cachimbo aceso, que escapa uma tênue fumaça.
Ele me olha serenamente e faz um gesto de saudação com a cabeça.
Por instantes, ele se concentra e do cachimbo emana uma fumaça mais forte. Noto que quanto mais intensa ela é, mais o campo de força se esfumaça também, e os filamentos energéticos ficam mais grossos e mais brilhantes. Penso que tudo isso é resultado de uma ativação kundalínica e de processos ectoplásmicos anímicos-mediúnicos.
Então, ele desliza no ar para baixo e senta-se de pernas cruzadas ao lado esquerdo do meu corpo físico abandonado. Eu continuo sentado no ar logo acima, ligeiramente balançando de um lado para o outro suavemente, porém sem poder escapar de alguma força invisível que me prende por trás da nuca.
O amparador-xamã começa a entoar um canto indígena e a manipular energias com as paramãos. Em dado instante, ele começa a bater no chão com elas, como se o chão fosse um tambor. Sinto que o cara entrou em transe e que sua mente está em estado alterado de consciência para outros planos de manifestação.
A fumaça se intensifica. Dou uma risada e penso:
“Aqui tem fumaça ectoplásmica, fumaça de cachimbo xamânico e fumaça de incenso de sândalo. Isso é uma mistura de projetor e médium com xamã e iogue. Acho que Manitu (13) e Shiva devem estar gostando."
Lá na rua alguém colocou uma música alta. Aqui dentro, rolando canto xamânico com música clássica. Penso comigo mesmo:
“Isso é uma mistura de Pena Branca com Beethoven.”
A seguir, sinto a aura do corpo espiritual dilatar-se amplamente. Lentamente, toda aquela fumaça brilhante me envolve completamente. Lá embaixo o xamã canta mais alto. É interessante, não sei o que ela significa, mas parte de mim reconhece essa canção e sabe que é uma prece ao Grande Espírito.
Tento lembrar-me dela, mas não consigo. Então, penso no Grande Espírito e sinto uma alegria serena elevando minha consciência.
E aí, acontece a maravilha consciencial: minha lucidez se expande e fico absolutamente concentrado dentro da paratesta (testa extrafísica, local do parachacra frontal), como um ponto mental, uma consciência sem sensação de barulho, música ou corpo algum, nem físico ou astral.
Abre-se algo ali (passagem interplanos? Portal espiritual? Sei lá, mas abriu-se alguma coisa)... Sinto-me passando por dentro dessa espécie de passagem em minha própria paratesta e adentrando o espaço sideral.
Daí, desprendo-me do corpo espiritual e mergulho nas estrelas com a consciência expandida. Sinto-me como pura consciência entre as estrelas. Pareço um cometa pensante, uma centelha eterna consciente, sem corpo algum, só consciência serena.
Ao mesmo tempo, também sou Alegria e Amor pensante. Parece que estou sulcando o tecido estelar com a minha presença. Parece que estou lá na ponta do universo, e aqui no começo dele também, mas tudo isso sem sair de mim mesmo e, ao mesmo tempo, tendo consciência das estrelas em torno...
Sinto que está tudo em seu lugar na economia universal, não há nada parado, e tudo vibra na energia do Todo (14). E o Amor é o elã vital que une a tudo e a todos. Os planetas, os sóis, as estrelas, as pessoas, os grãos de areia, os átomos, tudo fruto desse Amor. Tudo sem fim e sem começo, apenas existindo, como deve ser. Tudo vivo. Tudo vibrando.
Das bactérias aos centros galácticos, do grão de areia aos buracos negros, da gotinha de água ao Multiverso, das fossas abissais dos oceanos aos turbilhões intergalácticos, dos corpos mortos e transformados dentro da terra aos arquitetos siderais, e do homem da Terra aos homens do espaço, pulsa um mesmo Amor incondicional. As notas musicais do Grande Arquiteto Do Universo compõem a incomensurável sinfonia da vida. E sua música viaja dentro de cada criatura.
No centro das estrelas, e no centro de mim mesmo, manifesta-se o mesmo Grande Espírito. Tudo é Ele! Tudo é Ele! Tudo é Ele!
Imerso num oceano de ideias e sentimentos elevados, percebo que é hora de voltar ao espaço/tempo convencional. Sinto que o meu corpo espiritual requer minha consciência e que as malhas vibracionais sutis do cordão de ouro (15) estão exercendo a sua função de ancoragem astral.
Se é que posso expressar-me assim, em instantes me vejo dentro daquela espécie de passagem consciencial na paratesta. A seguir, estou dentro do corpo espiritual flutuando logo acima do corpo físico.
E segundos depois, sou puxado abruptamente para dentro do corpo físico sentado no chão do quarto. Sinto uma pequena repercussão física (aquela típica sensação de cair dentro do corpo vindo de grande altura) e abro imediatamente os olhos físicos, sem perder a lucidez em nenhum instante.
À minha esquerda, o xamã está em pé e dançando alegremente. Os seus olhos brilham muito, e eu sinto que ele está grato ao Grande Espírito pela experiência espiritual ter dado certo.
Estico o corpo e olho para o toca-discos. O disco de vinil está na última música. Ou seja, se passaram apenas uns 15 minutos, muito embora para mim a sensação do tempo transcorrido pareça bem maior.
Penso em correr até o computador para registrar tudo. Olho para o lado e o xamã faz um gesto positivo com a cabeça.
Agora estou registrando isso aqui para vocês em primeiro lugar.
Recebi tudo isso como mais um presente da Espiritualidade, por isso quero compartilhar com vocês essa alegria. Sei que fui fecundado com muitas ideias elevadas que agora o meu cérebro físico não aguenta registrar, mas que se transformarão posteriormente em novos textos e mensagens espirituais a serem veiculadas para as pessoas interessadas em temas espirituais.
Lá embaixo, a galera ainda está na gandaia. Aqui dentro, estou quieto e refletindo sobre tudo isso. Eles, vocês e eu, todos frutos do mesmo Amor. Todos nós somos estelares. Somos viajantes espirituais aportados temporariamente nos sítios da Terra, que nos hospeda generosamente por um tempo.
Estamos revestidos de corpos densos e sutis, mas somos pura consciência. Somos o Eterno na carne e no Astral.
Somos imortais mesmo!
Somos bem melhores do que sabemos!
Somos mais brilhantes do que supomos! (16)
 
P.S.:
Peço desculpas aos amigos que não consegui chamar a tempo para compartilhar juntos essa vivência espiritual. Mas, sei que ao lerem esse relato, os seus corações compreenderão... Muitas ligações em espírito são bem maiores do que as ligações físicas e temporárias, pois na Casa do Coração estamos todos juntos!
 
Paz e Luz.
 
 – Wagner D’Eloi Borges – nascido no Rio de Janeiro em setembro de 1961 – é pesquisador espiritualista, projetor extrafísico, conferencista, consultor da Revista UFO e colaborador de várias outras revistas como, Sexto Sentido, Espiritismo e Ciência, Revista Cristã de Espiritismo, Caminho Espiritual, Samadhi, e também dos Jornais O Legado e Ramatis.
É escritor - autor de onze livros dentro da temática projetiva e espiritual, dentre eles a série “Viagem Espiritual”, sobre as experiências fora do corpo.
É colunista de vários sites na Internet: SomosTodosUm –
 www.somostodosum.com.br, Revista Sexto Sentido: http://revistasextosentido.webnode.com, IPPB: www.ippb.org.br, dentre outros.
É radialista – apresentador do programa “Viagem Espiritual”, desde agosto de 1999, na Rádio Mundial de São Paulo – 95.7 FM. (www.radiomundial.com.br)
É apresentador do programa de TV WEB “KazConsciência”, desde agosto de 2014, sobre as experiências fora do corpo e os temas espirituais, na KAZ TV (www.kaztv.com.br)
 
- Notas:
1. Projeção da consciência – é a capacidade parapsíquica - inerente a todas as criaturas -, que consiste na projeção da consciência para fora de seu corpo físico.
Sinonímias: Viagem astral – Ocultismo.
Projeção astral – Teosofia.
Projeção do corpo psíquico - Ordem Rosacruz.
Experiência fora do corpo – Parapsicologia.
Viagem da alma – Eckancar.
Viagem espiritual – Espiritualismo.
Viagem fora do corpo – Diversos projetores extrafísicos e autores.
Emancipação da alma (ou desprendimento espiritual) – Espiritismo.
Arrebatamento espiritual - autores cristãos.
2. Chacras - do sânscrito - são os centros de força situados no corpo energético e têm como função principal a absorção de energia - prana, chi -, do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.
  Os principais chacras são sete – que estão conectados com as sete glândulas que compõem o sistema endócrino: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico.
Obs.: Ver o meu texto “Chacras e Cura Psíquica - II”, postado no seguinte link do site do IPPB:
3. Mentor extrafísico – entidade extrafísica e positiva que ajuda o projetor nas suas experiências extracorpóreas; amparador extrafísico; mes; companheiro espiritual; protetor astral; auxiliar invisível; guardião astral; guia espiritual; benfeitor espiritual.
4. O disco é o “Camerata Bariloche” – de Alberto Lysy (Violinist and conductor).
Obs.: Camerata Bariloche é a orquestra de câmara da cidade de Bariloche, Argentina. Nesse trabalho são interpretados temas de Zanetti, Purcell, Tartini e Vivaldi.
5. O disco é o “Telemann: Instrumental Music – Vol. III” – de Theodora Schulze e Richard Schulze.
6. Às vezes, alguém pergunta: “Acender incenso é bom espiritualmente? Favorece as projeções da consciência?”
- Resposta: Acender incenso não favorece diretamente as projeções, pois as mesmas ocorrem naturalmente devido a queda de metabolismo durante o sono. Contudo, indiretamente pode favorecer o relaxamento de alguém, e isso facilita a entrada em estados alterados de consciência, incluindo aí a projeção extrafísica.
Se alguém acende um incenso e com isso relaxa, é claro que isso favorece todo o resto. Porém, daí a criar uma dependência psicofísica com isso é outra história.
Não é necessário acender incenso para se projetar, basta dormir. Mas se alguém gosta, que acenda e se sinta bem com isso. O problema não é o incenso, mas o equívoco de se achar que seu uso é determinante para alguma coisa na Espiritualidade.
Da mesma maneira, tachar quem gosta de incenso de dependente de muletas psicofísicas, como muitos pesquisadores arrogantes fazem, também é um equívoco.
Há pessoas que acendem um incenso porque gostam do cheiro, não porque dependem dele para ascender espiritualmente. Da mesma maneira, há diversas outras que acendem incensos achando que isso melhorará o clima psicofísico de seus ambientes e vidas, prescindindo de sua própria capacidade de mudar as coisas pela melhoria dos pensamentos, emoções e energias.
Se tem algo pegando, em lugar de tentar mudar o clima com a melhoria íntima, esse pessoal acende incenso e acha que isso afastará o clima pesado que eles mesmos muitas vezes geraram.
Particularmente, gosto de incenso, principalmente de sândalo. Porém, não costumo acender incenso para melhorar o meu ambiente. Sei que a minha aura reflete fielmente o meu mundo íntimo energeticamente. E também sei que se houver algo pesado espiritualmente por perto, veio atraído pelo que penso, sinto e faço. E essa ligação não é desfeita pela fumaça do incenso. O mesmo pode até impregnar o clima energético do quarto com o aroma escolhido e inspirar a pessoa, mas não tem poder para afastar um assediador extrafísico, por exemplo. Inclusive, há espíritos pesados que adoram incenso também, principalmente se forem obsessores orientais antigos.
No meu caso, costumo acender um incenso só para sentir um cheiro e uma atmosfera legal, diferente desse ar poluído da cidade grande. Se sinto algo estranho, não acendo incenso, procuro vibrar energias legais para melhorar o clima espiritual.
Resumindo: Gosto de incenso também e uso frequentemente em casa (acho que o gosto de cada um é bem particular, por isso não gosto de fazer práticas em grupo com incenso aceso, pois sempre haverá alguém que não gosta de determinado cheiro e se sentirá muito incomodado), mas sei que, como consciência espiritual viva e eterna tenho muito mais capacidade consciencial de resolver algo espiritualmente do que uma vareta de incenso, que não pensa, não ama e não vibra como um ser vivo.
O Senhor Shiva gosta de incenso de sândalo, mas se ele aparecer por aqui será certamente atraído pelo brilho do meu coração.
Mas que esse cheiro de sândalo é fantástico, isso é mesmo...
7. Shiva - do sânscrito - na cosmogonia hinduísta o Deus Shiva é o divino transformador, aquele que opera as transmutações energéticas no seio da vida interdimensional. É também conhecido como o Senhor de todos os iogues.
8. Os condutos sutis de transporte energético pelo sistema (chamados em sânscrito de nádis), circulam as energias pelo meio e pelas extensões laterais da coluna vertebral, entre a cabeça e a base da coluna e os genitais. Por isso, muitas vezes ocorrem repercussões energéticas nas extremidades desses pontos. É comum, na ativação do chacra frontal, a pessoa sentir repercussões no baixo ventre e região, ou na área perineal. Também é possível ocorrer o inverso: a ativação dos chacras básico e sexual ocasionar repercussões dentro do chacra frontal, como se um jorro de energia ascendesse dos genitais e inundasse a testa de luz branca brilhante.
Inclusive, como detalhe adicional nesse esclarecimento bioenergético, informo que descobri isso fazendo uma das coisas mais naturais do mundo: transando.
Sim, isso mesmo. Em muitas ocasiões, notava que na hora de um orgasmo uma onda de energia branca ascendia em segundos e enchia a minha testa abruptamente. Às vezes, eu ficava sem ver nada por alguns segundos, devido ao clarão dentro da testa. Em algumas ocasiões raras, tive até mesmo flash’s de clarividência ou de vidas passadas (visões retrocognitivas) nesse instante.Tudo isso espontaneamente.
E a minha parceira relatava que sentia uma energia subir da base de sua coluna até os seus ouvidos, deixando-a meio surda por alguns instantes na hora de seu orgasmo. Depois, conversando com outras pessoas descobri que várias delas também sentiam coisas semelhantes, mas por motivo de vergonha não falavam nada.
A partir dessas sensações, passei a observar melhor o fato. Depois de anos estudando as bioenergias, na teoria e na prática, deparei-me com as descrições dos iogues sobre os nádis que correm ao longo da coluna, e foi aí que entendi o processo.
Para os interessados em pesquisar melhor os nádis, sugiro a leitura do excelente livro “Teoria dos Chacras”, do pesquisador japonês Hiroshi Motoyama – publicado no Brasil pela Editora Pensamento.
Obs.: Nesse livro há um texto excelente sobre as “Experiências Fora do Corpo Durante a Ativação dos Chacras”. O mesmo pode ser acessado para leitura no seguinte link específico:
9. Há um chacra secundário nesse ponto. Muitas vezes, algumas pessoas concentram-se no chacra coronário no centro da cabeça, mas sentem as repercussões energéticas na parte alta posterior da cabeça. Daí, elas imaginam que o seu chacra coronário está fora do lugar, mais para trás, quando, na verdade, elas estão sentindo o outro chacra. Muitos chamam esse chacra de bindu, e ele tem a ver com certos processos de elevação da kundalini.
10. Corpo espiritual - Cristianismo - Cor. I, cap. 15, vers. 44.
Sinonímias: Corpo astral - do latim, astrum - estrelado - expressão usada pelo grande iniciado alquimista Paracelso, no séc. 16, na Europa, e por diversos ocultistas e teosofistas posteriormente.
Perispírito - Espiritismo - Allan Kardec, séc. 19, na França.
Corpo de luz – Ocultismo.
Psicossoma - do grego, psique - alma; e soma, corpo. Significa literalmente "corpo da alma" - Expressão usada inicialmente pelo espírito André Luiz nas obras psicografadas por Francisco Cândido Xavier e por Waldo Vieira, nas décadas de 1950-1960, que atualmente é mais usada pelos estudantes de Projeciologia.
11. Durante uma projeção extrafísica, o cordão de prata, em conjunto com a aura, forma um campo de força em torno do corpo físico, por cerca de quatro metros irradiando em todas as direções. Isso é chamado de cúpula de ação do cordão de prata (ou de faixa de atividade do cordão de prata). Muitas vezes, o corpo espiritual fica retido nas malhas energéticas desse campo, e o projetor sente-se flutuando no ar sem poder se mover. Para maiores detalhes sobre isso, sugiro a leitura do meu livro “Viagem Espiritual – Vol. II" (disponível para leitura gratuita em nosso site), que contém uma parte explicativa específica sobre esse tema.
Obs.: Ver também o livro “Projeção do Corpo Astral”, de Sylvan Joseph Muldoon e Hereward Carrington (publicado no Brasil pela Editora Pensamento).
12. Trata-se dos filamentos energéticos do cordão de prata.
Obs.: Cordão de prata – Bíblia; Eclesiastes, cap. 12 – versículo 6 -  é o conduto energético que liga o corpo espiritual ao corpo físico; cordão astral, cordão fluídico; cabo astral, cordão de luz; laço vital; fio de prata; cordão perispirítico.
Para mais detalhes sobre o cordão de prata e seus filamentos, ver o meu texto “Descrições do Cordão de Prata”, postado no seguinte link do site do IPPB:
13. Manitu - designação que os índios algonquinos, dos E.U.A., dão a uma Força Mágica não personificada, mas inerente a todas as coisas, pessoas, fenômenos naturais e atividades. Ou seja, o Grande Espírito.
14. O Todo - expressão hermética para designar o Poder Absoluto que está em tudo. O Supremo, O Grande Arquiteto Do Universo, Deus, O Amor Maior Que Gera a Vida. Na verdade, O Supremo não é homem ou mulher, mas pura consciência além de toda forma. Por isso, tanto faz chamá-lo de Pai Celestial ou de Mãe Divina. Ele é Pai-Mãe de todos.
15. Cordão de ouro - conduto sutil que interliga o corpo mental ao corpo espiritual nas projeções do corpo mental.
Obs.: Ver o meu texto “Projeção do Corpo Mental”, postado no seguinte link do site do IPPB:
16. Segue-se abaixo um pequena bibliografia nacional sobre as experiências fora do corpo.
- Viagem Espiritual - Vols. 1, 2 e 3 - Wagner Borges - Editora Universalista.
- Projeção Astral – O Despertar da Consciência – Liliane Moura Martins – Editora Vida e Consciência.
- Aventuras Além do Corpo - William Buhlman - Editora Ediouro.
- O Segredo da Alma – William Buhlman – Editora Pensamento.
- Viagem Extrafísica - Geraldo Medeiros Jr. - Editora Forever.
- Projeções da Consciência - Waldo Vieira - LAKE (Editora Allan Kardec).
- Projeciologia – Waldo Vieira – Edição de Autor.
- Viagens Fora do Corpo - Robert Allan Monroe - Editora Record.
- Além do Corpo - Marco Antonio Coutinho – Editora Mauad.
- Sana Khan - Um Mestre no Além - Luiz Roberto Mattos - Editora Bookemakers.
- Voltar do Amanhã - George Gordon Ritchie - Editora Nórdica.
- A Viagem de Uma Alma - Peter Richelieu - Editora Pensamento.
- A Projeção do Corpo Astral - Sylvan Joseph Muldoon e Hereward Carrington - Editora Pensamento.
Obs.: Para ver uma extensa bibliografia específica (nacional e internacional) sobre as experiências fora do corpo, favor acessar o site do IPPB, no seguinte endereço específico:

 Para acessar os textos anteriores, clique aqui http://www.ippb.org.br/textos/textos-em-destaque

Imprimir Email