ANAM CARA II

(Texto postado originalmente na lista do Grupo de estudos e assistência espiritual do IPPB)

Ainda agora, estava preparando um material para o curso "Tambores Celtas". Esse é aquele curso baseado na espiritualidade celta antiga, cheio de referências espirituais e poéticas maravilhosas. Aqui em São Paulo já realizei duas fases desse curso, ambas com um clima maravilhoso.

Enquanto separava o material, coloquei para tocar o cd "Anam Cara", do músico new age inglês Medwyn Goodall.

Envolvido pelas canções inspiradas do disco, e ao mesmo tempo organizando mentalmente algumas idéias para a montagem da aula do grupo de estudos de amanhã, comecei a sentir dentro do coração uma sintonia bem legal relativa à expressão Anam Cara.

Por isso, vou escrever de improviso agora algumas coisas sobre Anam Cara, o amigo d´alma. Pode até ser que amanhã já role alguma coisa disso no Grupo, mas levando em conta que muitos não estarão presentes fisicamente na reunião, vou adiantando alguma coisa por aqui mesmo.

* * *

Anam Cara é uma expressão celta que significa "Amigo de minha alma" ou "amigo d´alma".

Há duas maneiras de interpretar o Anam Cara:

1. Neste plano fenomênico de manifestação densa, ele é o seu amigo(a) querido, aquela pessoa com a qual você poderá contar em qualquer ocasião, mesmo quando todos tiverem voltado as costas para você. E mais: é aquela pessoa a qual você pode abrir o coração com confiança. Quando você pensa nela, algo em seu coração brilha mais. Você sabe que ela existe e está no mesmo plano que você. Sabe que ela é valiosa e que, só de ver você, já sabe como você está, pois ela lhe conhece profundamente, além das aparências. Ela sabe sentir você em espírito.

2. Em outros planos mais sutis, ele é o amparador, aquela consciência extrafísica que lhe ajuda invisivelmente. Ele é aquele que lhe conhece há muitas vidas. Sabe dos seus dramas e de seus acertos ao longo dos milênios. Pode até ter participado dos eventos anteriores junto com você, tanto na carne quanto além dela. Porém, no momento ele está em outra condição vibracional. Mas não esqueceu de você!

Muitas vezes, ele mergulha nos planos mais densos para lhe apoiar invisivelmente. Você não percebe sua presença, mas ele vela secretamente pelo seu progresso. Ele não é uma divindade, é apenas o seu amigo invisível, um Anam Cara extrafísico.

* * *

O Anam Cara poderá ser o seu filho(a), seu parceiro(a), seu irmão, seu pai, sua mãe, seu parente, ou apenas um amigo que você reconheceu ao longo da vida.

Não importa nada disso. O laço real não está na carne nem no sangue, está na alma. Por isso, o Anam Cara independe de idade, raça ou condição.

Você o reconhecerá pelo brilho do olhar, sentirá o seu coração pulsando junto com o seu, sentirá muita saudade dele e reconhecerá a sua riqueza interior.

No entanto, muitas vezes o orgulho poderá obstacular tal percepção, e é possível que os seus olhos não o vejam, e que seu coração não o reconheça mais. Então, o coração não falará mais ao coração no silêncio de uma vibração silenciosa trocada no olhar da alma. Haverá apenas o olhar que percebe o convencional, e que se perde nele em meio a dor de tentar achar o Anam Cara aonde ele não está.

Sentir alguém que é um Anam Cara em sua vida, seja ele o irmão, o amigo ou o parceiro, é sentir-se acompanhado na existência por uma alma brilhante. É viajar pelo denso enganoso acompanhado de alguém que também vê algo além... É sentir-se ligado em alma, dentro do coração.

O Anam Cara é seu refúgio dentro da loucura em torno. É o porto que a nave de seu coração gosta de aportar em meio a tempestade.

Pense numa canção que lhe fala ao coração. Ao ouvi-la, você lembrará de muitas coisas. O Anam Cara é semelhante a essa música. Quando você lembra dele, o coração viaja...

Ele pode ser seu amigo, amparador, irmão ou parceiro. Tanto faz. O que vale mesmo é que ele é uma riqueza que você achou no mundo.

O Anam Cara é isso: um amigo d´alma.

Nesse aspecto, o TODO é o amigo d´alma de todos os seres.

E como o TODO está em tudo, Ele também está nos amigos d´alma, desse e de outros planos.

Pode-se gostar de alguém em vários níveis: mental, emocional, energético ou sexual. Porém, a ligação do Anam Cara transcende esses níveis e chega ao espírito. Por isso, os celtas antigos reverenciavam o conceito de Anam Cara.

Para eles, tratava-se de uma riqueza sem paralelos. E eles sabiam que as ligações que não são em espírito e verdade, são apenas manifestações temporárias e irrisórias ao sabor dos pensamentos, emoções e energias do momento.

Para eles, o real sempre foi o espírito eterno, não a bruma que dificulta a percepção. Por isso, os poetas cantavam:

"Oh, Anam Cara!

Muitos outros vieram, mas só sinto

Tua comunhão sagrada.

Só escuto a tua canção.

Ali está o sol,

Mais tarde virá a lua.

Mas, só me importa a tua canção!"

O Anam Cara é isso: uma riqueza sem paralelos.

Só o coração é que sabe. Só ele é que sente.

Certa vez, o mestre Bábaji ensinou:

"Quando o coração fala ao coração, não há mais nada a dizer."

O Anam Cara, seja ele(a) quem for, é um presente da vida ao coração.

Sua ligação não vem da Terra, mas do espírito!

Que as pessoas conscientes possam reconhecer o Anam Cara pelo coração.

(Dedico esses escritos a uma das minhas estrelinhas-filhas, a Maria Luz, pequena Anam Cara que O Grande Arquiteto Do Universo me presenteou por um tempo de vida, e que está aqui de férias comigo enchendo a casa do meu coração de alegria e agradecimento).

Paz e Luz.

- Wagner Borges -.



* O primeiro texto "Anam Cara" está em nosso site na seção de Textos periódicos (é o texto 243).

ImprimirEmail