BABAJI - O PADRINHO ESPIRITUAL SECRETO II

- Por Wagner Borges -

Que amor é esse, que desce em meu coração e faz os meus chacras brilharem como sóis?
Assim como um raio corta o negrume da noite, Ele vem como um clarão na noite do meu ego.
Ele nada diz, apenas ergue a mão e me saúda.
Em seu olhar, o brilho de miríade de estrelas.
Então, eu sinto que Ele me ama como um filho e que sempre me protegeu na senda consciencial.
Ele não está no Himalaia, está no mundo todo!
Sem sair do lugar, Ele viaja secretamente por entre o turbilhão psíquico dos homens, tocando sutilmente os chacras dos estudantes espirituais.
Ele, o padrinho espiritual secreto de tanta gente, mestre da Krya-Yoga, e que é como um clarão de firmeza consciencial no horizonte escuro do ego do mundo.
Ele, que me olha como a um filho, sem me julgar e sem me questionar se sou iniciado em alguma linha iogue ou espiritual.
Ele, que é só compreensão silenciosa!
Ele, que viaja dentro da estrela prânica, no centro do olho espiritual.
Ele, o mestre do grande Lahiri Mahasaya, que, certa vez, me disse espiritualmente:

“Eu sou um pequeno polegar. Ele é como um sol.
E, quando Ele olhar em seus olhos, apenas fique quieto e receba as ondas miríficas da paz imperecível.
Então, você sentirá o sol do espírito derretendo as camadas frias de Maya, e o Amor chegando em seu coração.
Ele é essa Luz tão querida dos iogues e, quem medita em seu nome, imediatamente é abençoado, mesmo que nem saiba disso.
Eu sou apenas uma pequena estrela; Ele é o sol de bem-aventurança.
Em qualquer circunstância, Ele é a firmeza luminosa dos viajantes espirituais.
Bem-aventurados aqueles que viajam com Ele no centro do olho espiritual.”

Ele, o amigo de Jesus e Krishna, que me olha como a um filho.
Ele, o padrinho espiritual, que faz os chacras brilharem como sóis.
Ele, Babaji!

Paz e Luz.
São Paulo, 20 de fevereiro de 2007.


Nota: para melhor compreensão desses escritos, estou postando sua primeira parte na seqüência.



BABAJI - O PADRINHO ESPIRITUAL SECRETO

- Viajando nas Ondas Espirituais do Olhar do Avatar Sereno -

No meio da madrugada, enquanto preparo um material para um curso, sinto a presença de certa atmosfera espiritual muito cara ao meu coração. Parece que o meu apartamento está permeado por energias sublimes, inspiradoras, amigas...
A serenidade está no ar, dentro e fora, no espírito e no corpo, no coração e na consciência, chamando sutilmente para um colóquio espiritual interplanos.
Atendo ao chamado sutil: fecho os olhos, abro o coração e elevo os pensamentos ao Amor Maior Que Gera a Vida, com respeito e contentamento.
Pelas vias da inspiração dos amigos espirituais, recebo a sugestão de visualizar acima da cabeça uma esfera de luz azul brilhante. Faço isso, e imagino a mesma pulsando suavemente e emanando sua luz azulada para dentro de minha cabeça, através do chacra coronário. A seguir, recebo a idéia de visualizar uma luz dourada envolvendo os meus pés até a altura dos joelhos.
Tranqüilo, presto atenção na luz azul por cima e na luz dourada embaixo.
Suavemente, como que dotada de uma inteligência própria, a energia dourada começa a subir e envolver o meu corpo até a altura do peito. Na seqüência, a luz azul começa a descer por dentro de minha cabeça, até chegar à altura do peito também.
E aí, as duas energias se interpenetram, porém sem se misturarem. Sem que eu faça nada, formam-se duas esferas no centro do meu peito, uma dentro da outra (a azul por dentro, a dourada por fora). Finalmente, surge uma brilhante estrela de cinco pontas no meio da esfera azul. Ou seja, está brilhando no meu centro peitoral, sede do chacra cardíaco, uma estrela dentro de uma esfera azul, que, por sua vez, está dentro de uma esfera dourada.
Fico quietinho e desloco minha atenção para dentro do peito brilhante, no centro da imagem plasmada, como se a sede de minha consciência fosse ali. Na verdade, mergulho o foco de todo o meu ser e me fundo na estrela; penso na grandeza da vida e no quanto tenho recebido de bênçãos e coisas legais por parte da Espiritualidade Maior e, por que não dizer, de muitos amigos encarnados também, que tanto me ajudaram ao longo da existência - são tantos, e eles sabem quem são (agradeço a Deus por não ser portador da miséria da ingratidão em meu coração).
Fico dentro da estrela, que pulsa suavemente, cheia de amor sereno. Ao mesmo tempo, o meu chacra frontal começa a pulsar e se encher de luz branquinha brilhante. Sinto que uma inteligência espiritual ativou as energias ali, e que algo maravilhoso está rolando extrafisicamente.
Penso: “Meu Deus, dê-me forças para que eu permaneça sereno diante da luz espiritual que aqui está. Que eu seja digno daquilo que a Espiritualidade Maior quer me ensinar.”
Então, do centro da estrela sobe um facho de luz suave e interpenetra o meu chacra frontal, impregnando-o de amor e paz. Nesse instante, eu O vejo dentro de minha testa, em meio à luz branquinha. Ele me olha profundamente e projeta mentalmente uma série de orientações a respeito do trabalho espiritual que realizo. E é tudo tão sereno, energia e inteligência somadas a sentimentos puros, harmonia e contentamento silencioso, tudo direto, de espírito a espírito.
Sim, aqui e agora estou nas ondas do excelso Babaji, o guardião da Kriya Yoga, avatar de Shiva, padrinho secreto dos iogues e trabalhadores espirituais, o amigo de Jesus e Krishna... E Ele gentilmente me projeta uma benção secreta, revelando-me algumas coisas e me sugerindo um determinado mantra para meu uso particular.
Agradeço-O pelo carinho e atenção e penso em projetar as energias desse momento para outras pessoas, mas Ele faz um gesto com a mão, e percebo que o lance deve ficar somente por aqui. De toda forma, Ele sugere que eu peça às pessoas que se conectem com os avatares já conhecidos, principalmente Jesus e Krishna.
Pergunto-lhe se posso, pelo menos, grafar esse momento e passá-lo para outras pessoas, para que elas saibam que um avatar não pertence a nenhuma organização iogue ou espiritualista da Terra - nem se manifesta apenas para iniciados, gurus ou escolhidos de algum grupo -, mas que opera invisivelmente a favor de todos os seres.
Ele concorda, sem nada dizer, somente o olhar brilhando lúcido e comunicando aquilo que só se pode compreender de espírito a espírito. E, uma parte de mim reconhece esse olhar, de outros tempos e experiências. Sim, reconheço essa firmeza de olhar mesclada com doçura, como um pai olha para o filho, ou um mestre para o discípulo. Ah, como eu gostaria de impregnar o brilho desse olhar nestes escritos...
Olho para o chão da sala do apartamento e vejo o par de sandálias da Maria Luz - minha segunda filha, de onze anos - jogado num canto. Até mesmo elas estão impregnadas de uma energia dourada - ou será que é o meu olhar que está vendo brilho em tudo, por causa da presença Dele?. Daí, sou tomado por uma onda de amor e penso na menina, que está dormindo no quarto e, também, na minha namorada, que está junto com ela nesse momento. Agradeço espiritualmente a elas pelo que sentem por mim, e peço ao Grande Arquiteto Do Universo que ilumine seus caminhos.
De alguma maneira, sinto que devo parar por aqui, pois já escrevi mais do que devia. Penso que os leitores mais sintonizados às esferas espirituais perceberão algo nas entrelinhas desses escritos e, talvez, possam se aprofundar mais naquilo que não tenho como dizer aqui.
Já está quase amanhecendo, mas estou cheio de energia e contentamento, sem sono algum. Vou esperar o rei sol surgir daqui a pouco, para mais uma vez me maravilhar com a aurora de um novo dia que chega. E, dessa vez, vou olhar a luz surgir no horizonte com o olhar de Babaji interpenetrado nos meus olhos, os da carne e os do espírito. E que esse dia seja abençoado.
Ah, que alegria pensar nisso tudo, e lembrar-me de tantos amigos espirituais da humanidade: Krishna, Jesus, Ramakrishna, Sidarta Gautama, Yukteswar, Lahiri Mahasaya, Rama, Aurobindo, Mataji, Ananda, Maria, Yemanjá, Maomé, Lao-Tzé, Kuan-Yin, Ramatís, Yogananda, Mikhael Aivanhov, Pai Joaquim de Aruanda, Rumi, Kabir, Ramana Maharish, Ghandi, Aghastyar, Boghanatar, Goraknath, Trailanga, Chuang-Tzú, Milarepa, Pena Branca, Radha, Yasodá e tantas outras consciências bacanas, magnânimas, amigas de todos... OM a vocês!

P.S.: “Entre o azul e o dourado, Ele chegou.
E o meu coração se alegrou e cantou em silêncio.
Em sua canção, o brilho da estrela.
No centro do olho espiritual, um olhar especial.
Em seu brilho, uma bênção.
Tudo isso de espírito a espírito, no contentamento silencioso.
Pois, quando o coração fala ao coração, não há mais nada a dizer.”

Om Kriya Babaji Namah!

(Dedico estes escritos aos meus amigos Edmilson Federzoni, Samuel S. Silva, Emília França, Vitor Hugo França, Márcio Janjácomo, Emílio Cid, Simone Schumacher, Luiz Medeiros, Vanderlei Oliveira, Dirce Bustamante, Joyce Montenegro, Ana Lúcia Sarcià, Ivan Salina Fernandes, Elza, Evaldo Ribeiro, Lázaro Freire, Frank, Bene, Cila Pirajá, Maísa Intelisano, C.H., Jerônimo e João - de Salvador e a Dra. Maria de Fátima. Dedico-os, também, a todas as pessoas que me ajudaram nesta vida. Pode até ser que muitas delas nem se lembrem, mas eu me lembro!)

Paz e Luz.

- Wagner Borges – sujeito com qualidades e defeitos, carioca radicado em São Paulo, 44 anos de “encadernação”, pai das estrelinhas Helena e Maria Luz, espiritualista que não segue nenhuma doutrina criada pelos homens da Terra e que, cada vez mais, agradece ao Senhor da Vida por todas essas chances de aprendizado que vem recebendo freqüentemente.
São Paulo, 04 de fevereiro de 2005.

Notas:
* Enquanto todo o lance espiritual rolava, eu estava ouvindo um maravilhoso Cd de música celta. Trata-se do Cd. “Celtic Twilight – Vol. 6” – É uma coletânea de canções celtas organizada pela gravadora americana “Hearts of Space” - lançada aqui no Brasil pela gravadora MCD - www.mcd.com.br. Nesse sexto volume - aliás, os outros cinco volumes anteriores também são excelentes -, destacam-se três canções: “Sweet Surrender”, “Nil Si Ngra” e “Forest Hymn” - 2ª, 3ª e 7ª músicas do Cd, respectivamente. Como a MCD lançou todos os volumes aqui no Brasil, vale a pena procurar esse material celta bem legal nas boas lojas que vendam Cds de música new age. Resumindo: esse trabalho é muito inspirado e leva a pessoa a pensar em outros climas, algures, nos planos dos sentimentos elevados e das alegrias secretas, onde moram “aqueles que operam no silêncio do amor incondicional”.
* Avatar (do sânscrito): emissário celeste, canal da divindade.
* Para enriquecer ainda mais esses escritos, reproduzo na seqüência uma mensagem de Babaji, esse grande mentor espiritual de tantos trabalhadores espiritualistas, do Ocidente e do Oriente, que opera secretamente a favor da humanidade, em seu trabalho sereno e silencioso, pela união das consciências na Luz do Eterno.





BABAJI

Não sou seu mestre, sou somente seu irmão.
Apenas alguém que caminha pelos vales da consciência, ensinando as disciplinas dos mestres da sabedoria.
Não estou no Himalaia nem pertenço a algum grupo espiritual em particular.
Eu sou simples consciência, colega de evolução, cidadão do Universo e seu irmão de caminhada.
Meu lugar é junto às consciências que viabilizam o universalismo e a fraternidade entre os homens.
Sou o sinal luminoso que alerta aqueles que estão embrenhados nas selvas de Maya (ilusão).
Sou simples energia, mas posso personificar o menino, a senhora, o ancião ou o mendigo. Portanto, ninguém deve ter qualquer imagem preconcebida a meu respeito.
Posso ser um dos elementos de seu caminho: o fogo que o aquece; a água que lava seu corpo; o ar que lhe comunica a força vital; a terra que o sustenta; ou o prana que impulsiona seu viver. No entanto, encontre-me na luz de seus chacras e nas vibrações de seu serviço espiritual.
Há muitos mitos envolvendo minha presença no mundo. Porém, meus passos são silenciosos, e meu trabalho é realizado nos bastidores espirituais dos corações dedicados ao Bem.
Os homens gostam muito de lendas e fenômenos, mas a Suprema Sabedoria não é alcançada por vias levianas.
O acesso aos níveis superiores da consciência só é aberto mediante a apresentação de credenciais luminosas. São elas:
• serviço desinteressado prestado à humanidade;
• propagação silenciosa de vibrações amistosas a todos os seres;
• produção constante de pensamentos e atitudes construtivas no seio do mundo;
• participação em atividades sadias nos planos sutis, pelas vias da emancipação da consciência durante o sono do corpo;
• serenidade plena, advinda do equilíbrio das emoções.
Posso ir a qualquer lugar, sem me deslocar, pois o espaço é meu irmão. Por esse motivo, não posso ser evocado por rituais, lamentos, intenções egoístas ou motivações místicas.
Eu sou simples liberdade interdimensional.
EU SOU BABAJI, apenas seu irmão.

OM KRIYA BABAJI NAMAH!*

(Recebido espiritualmente por Wagner Borges).

Nota de Wagner Borges: essa mensagem foi recebida no extrafísico, durante uma experiência fora do corpo (viagem astral, projeção da consciência, projeção astral). Posteriormente, fiz sua transcrição, muito feliz por ter encontrado esse mestre tão legal, que não pertence a grupo algum da Terra, seja iogue ou espiritualista. Consciências dotadas de tal nível elevado não estão presas a parâmetros doutrinários de nenhum lugar. Sempre operam no coletivo, visando o bem da humanidade como um todo.

(Texto extraído do livro "Viagem Espiritual III"; Wagner Borges - Editora Universalista – 1998.)

Notas do sânscrito:
* Om Kriya Babaji Namah!
Tradução desse mantra:
- OM: a Vibração interdimensional do Todo que está em tudo; verbo divino.
- KRIYA: ação de purificação
- BABAJI: nome carinhoso dado ao mestre hindu que modernizou as práticas de Kriya Yoga. Para maiores detalhes sobre o seu trabalho, sugiro aos leitores a leitura do excelente livro “Autobiografia de Um Iogue”, de autoria de Paramahansa Yogananda - editado em português pela Self-Realization Fellowship e pela Editora Lótus do Saber.
- NAMAH: saudação, reverência ao poder espiritual evocado.
Obs.: Esse é um excelente mantra para concentração mental, ativação dos chacras e evocação daquela sintonia elevada, oriunda do apoio invisível daquelas consciências que ajudam o mundo em silêncio operante.
Prana – sopro vital; força vital; energia.
Chcras - são os centros de força situados no corpo energético e que tem como função principal a absorção de energia (prana, chi) do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.
Maya - ilusão; tudo aquilo que é mutável, que está sujeito à transformação por diferenciação.

ImprimirEmail