COM BÁBAJI E O CHINÊS NA CALADA DA MADRUGADA

(Texto postado originalmente na lista do grupo de estudos e assistência do IPPB)

Olá, pessoal.

São 02h56min da madrugada do dia 13 de novembro, 4a feira.

Estou aqui em Jundiaí desde a 2a feira, realizando um curso de Bioenergia, aura e chacras.
Estou há cerca de três horas trabalhando em cima de vários textos para o site e para alguns artigos pedidos por duas revistas.

Horas atrás, na parte da tarde, olhei para o meu rosto refletido no espelho e vi um aura brilhante irradiando dele e principalmente dos olhos. Aquilo era espontâneo, pois eu não havia feito nada para isso.

Mais tarde, enquanto eu fazia um trabalho de energia antes de ir para o curso, surgiu um amparador chinês e me sugeriu uma prática de alinhamento vibracional muito interessante para fazer com a turma.

Realizei a prática com a turma e o resultado foi fantástico! (Oportunamente ela será realizada numa das reuniões do Grupo).

Depois do curso, fui fazer um lanche (estava com uma fome de leão depois de três horas de aula teórica e prática). Enquanto eu traçava um sanduíche, comentei com o meu amigo Júnior que o meu chacra coronário ainda estava ativado por causa do exercício e que ainda rolariam diversos lances de trabalho na madrugada.

Voltei para a casa aonde estou hospedado (lar da minha amiga Máris, que está viajando e deixou a casa por minha conta nesses dias) e comecei a trabalhar nos textos.

Ainda agora, senti a vibração suave do mestre Bábaji chegando aqui. Recebi a intuição para um determinado trabalho espiritual e diversas dicas para lances posteriores.

Junto com a vibração dele veio uma onda de firmeza e serenidade integradas.

Como os textos espiritualistas que escrevo chegam para milhares de pessoas, presumo que de vez em quando alguém da "chefia" venha dar uma força espiritual para a veiculação de temas consciencias sadios no seio do mundo.

Pensei em escrever um relato dos lances espirituais que estão rolando aqui por causa de sua presença, mas sinto que ele não quer nenhuma ostensividade em relação a sua ação.

De todo modo, não consigo ficar sem compartilhar vibrações desse nível. Por isso, estou escrevendo isso aqui para vocês no meio da madrugada. Não dá para falar de muitas coisas (estou com a tela mental cheia de imagens e idéias criativas, e o coração cheio de luz), mas pelo menos tento passar um pouquinho desse perfume espiritual nas entrelinhas.

Também está aqui um espírito chinês muito risonho.

Caceta! Ele também não quer que eu fale nada dele.

Então, vou jogar com a tática deles para variar:

Lázaro, há algum livro que você sempre carrega na pasta e que é um de seus favoritos? Uma obra antiga, filha do TAO (ou seria do tal?)

Pois ele é o autor dela. Hehehehehehe...

Você lembra do mantra "BO YANG"? Já que não posso falar, pelo menos deixo a pista no ar...

Daí, você conta quem é para o grupo... hehehehehehe...

Bom, vou continuar o trabalho por aqui, e depois vou novamente fazer um trabalho de energia ou somente uma meditação e ver o que rola espiritualmente.

Deixo logo abaixo um texto inspirado para vocês, com os votos de que essas vibrações de firmeza serena possam também chegar a vocês por pura sintonia.

Om Tat Sat.


- Wagner Borges - Jundiaí, 13 de novembro de 2002.


BÁBAJI

Não sou seu mestre, sou somente seu irmão.

Apenas alguém que caminha pelos vales da consciência, ensinando as disciplinas dos mestres da sabedoria.

Não estou nos Himalaias nem pertenço a algum grupo espiritual em particular.

Eu sou simples consciência, colega de evolução, cidadão do Universo e seu irmão de caminhada.


Meu lugar é junto às consciências que viabilizam o universalismo e a fraternidade entre os homens.

Sou o sinal luminoso que alerta aqueles que estão embrenhados nas selvas de maya (ilusão).

Sou simples energia, mas posso personificar o menino, a senhora, o ancião ou o mendigo. Portanto, ninguém deve ter qualquer imagem preconcebida a meu respeito.

Posso ser um dos elementos de seu caminho: o fogo que o aquece; a água que lava seu corpo; o ar que lhe comunica a força vital; a terra que o sustenta; ou o prana que impulsiona seu viver. No entanto, encontre-me na luz de seus chacras e nas vibrações de seu serviço espiritual.

Há muitos mitos envolvendo minha presença no mundo. Porém, meus passos são silenciosos e meu trabalho é realizado nos bastidores espirituais dos corações dedicados ao Bem.

Os homens gostam muito de lendas e fenômenos, mas a Suprema Sabedoria não é alcançada por vias levianas.

O acesso aos níveis superiores da consciência só é aberto mediante a apresentação de credenciais luminosas.

São elas:

• serviço desinteressado prestado à humanidade;

• propagação silenciosa de vibrações amistosas a todos os seres;

• produção constante de pensamentos e atitudes construtivas no seio do mundo;

• participação em atividades sadias nos planos sutis, pelas vias da emancipação da consciência durante o sono do corpo;

• serenidade plena, advinda do equilíbrio das emoções.

Posso ir a qualquer lugar, sem me deslocar, pois o espaço é meu irmão. Por esse motivo, não posso ser evocado por rituais, lamentos, intenções egoístas ou motivações místicas.

Eu sou simples liberdade interdimensional.

EU SOU BÁBAJI, apenas seu irmão.

OM KRYA BÁBAJI NAMAH!*

(Texto extraído do livro "Viagem Espiritual III"; Editora Universalista)

* OM: vibração interdimensional; KRYA: ação de purificação; BÁBAJI: nome carinhoso dado ao mestre hindu que modernizou as práticas de Krya Yoga; NAMAH: saudação, reverência.

Esse é um excelente mantra para concentração mental, ativação dos chacras e evocação daquela sintonia elevada oriunda do apoio invisível daquelas consciências que ajudam o mundo em silêncio operante.

ImprimirEmail