CONVERSANDO SOBRE O TODO, A EXISTÊNCIA E ALGUNS TEMAS DIFÍCEIS DE EXPLICAR

Seguem-se, na seqüência, dois textos bastante esclarecedores sobre alguns temas difíceis de explicar. Ambos foram postados pelo site em 1999.

Estou postando-os aqui na minha coluna, devido ao grande número de pessoas que seguem perguntando as mesmas coisas que já respondi nesses dois textos. Lendo-os em conjunto, talvez possibilitem uma certa sinergia espiritual para o esclarecimento dos leitores.

Lembro, ainda, que dentro da relatividade das coisas e dos seres, só o Supremo Senhor da Vida é que conhece todas as respostas.

O relativo não pode compreender o Absoluto, mas Esse pode inspirar o relativo a abrir a consciência para outros parâmetros e, assim, aportar novos valores conscienciais na ascese evolutiva.

O TODO está em tudo! Mas nem tudo tem consciência do TODO.

Nenhum de nós sabe tudo, mas podemos expandir a consciência para percebermos que somos bem mais do que imaginamos sobre nós mesmos.

Então, vamos aos textos, que não têm nenhuma pretensão de explicar coisas incomensuráveis e incognoscíveis, mas estão aqui apenas para simplificar temas difíceis de explicar em raciocínios criativos e inteligentes, mesmo de forma relativa, que não é perfeita, e que, no entanto, é sempre melhor do que a ausência de raciocínio algum, tão comum em explicações fundamentalistas que abundam por aí...

Paz e Luz.


- Wagner Borges -
São Paulo, 07 de outubro de 2004.
 

Texto I - O GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO

Algumas pessoas enviam-me e-mails perguntando sobre Deus, Criação e o porquê das coisas da vida. Querem que eu explique como o Criador gerou a vida ou até mesmo se eu acredito em um Criador. Algumas cobram-me absurdamente uma resposta a essas questões magnas.

Na verdade, quem pode dar respostas satisfatórias e abalizadas sobre essas questões?...

Sou apenas um ser humano trabalhando com as idéias espirituais. Acho que essas perguntas deveriam ser direcionadas para alguém de melhor nível do que eu. Que tal enviarem um e-mail espiritual (conectado ao provedor divino no coração) com essas questões para Jesus, Buda, Krishna, Lao-Tzé, Ramakrishna, Ghandi, Ramana Maharishi, Francisco de Assis ou Babaji?

Em um universo contendo bilhões de galáxias, a Terra e os seres humanos não passam de um pequeno ponto suspenso na vastidão cósmica. A humanidade não tem condições de sequer compreender a magnitude da Criação, puro efeito; como compreenderá o incomensurável Criador, pura Causa Maior?

Obviamente que existe uma Causa Primária, pois não existe efeito (Criação) sem Causa (O Criador, Deus, Alá, Brahman, Zambi, Tupã, Jeová, Grande Arquiteto do Universo ou qualquer nome que alguém possa usar referindo-se ao Poder Maior que governa a existência). Mas, não ma atrevo sequer a tentar explicá-la, pelo simples motivo de que minha mente relativa não tem parâmetros para designar o Absoluto. Não há conceito intelectual suficientemente razoável para explicar o infinito.

Contudo, há como sentir espiritualmente a onipresença do TODO em nós. Em nosso coração pulsa aquela centelha imortal, herança cósmica de nossa divindade, que é capaz de nos momentos de inspiração sutil sentir o toque do infinito em si mesmo; capaz de conectar-se àquela presença incomensurável, que não é branco, negro, amarelo ou vermelho; que não é cristão, muçulmano, judeu, hinduísta, taoísta ou espiritualista; que não é homem ou mulher, alto ou baixo. Não há definição possível!

E se alguém fala "É o Amor Supremo!", ainda é uma pobre definição humana para designar o TODO.

Por onde quer que um ser humano fale sobre isso, sempre faltarão recursos ou vocabulário para apreender algum conceito sobre o Divino.

Esse é o motivo pelo qual recuso-me a dar uma definição sobre Deus. Esse é o motivo pelo qual uso tantos nomes diferentes da Divindade diluídos em meus textos. Usar Brahman, Deus ou o TODO, para mim é a mesma coisa, e no final, não é definição absoluta alguma, são apenas nomenclaturas criadas por um povo esquisito e brigão que mora em um planetinha azulado em um subúrbio da Via Láctea.

Você, eu e todos os seres (incluindo aí os desencarnados e os extraterrestres) existimos e somos imortais. Isso é uma maravilha! Nós somos a prova inequívoca da presença de uma força vital onipresente. Somos o efeito de uma Causa Maior que não podemos compreender diretamente, mas que podemos sentir no âmago de nossos corações. Somos partículas da Grande Luz, ou como os índios pele-vermelhas chamam-no: "O Grande Espírito".

Outro dia, alguém me falou: "Dei uma passeada pelo seu site e vi muitas coisa sobre projeção e espiritualismo bem variado, mas onde entra Deus nisso tudo?"


A resposta é clara: - Deus está nesse site todo, no site de qualquer um, em qualquer canto do universo interdimensional. Está no site de todos os corações, em qualquer momento ou condição. Está no site de todo ser e de toda vida, na Terra e em qualquer planeta, no plano físico ou extrafísico, dentro e fora de nós mesmos. Mas, que ninguém espere encontrá-lo por aqui daquelas maneiras que os religiosos fanáticos preconizam ou da maneira que o ego de alguém pressupõe. Trata-se simplesmente do TODO! E que ninguém espere de mim, simples ser humano tentando crescer para entender primeiro a mim mesmo e meus semelhantes imediatos, as respostas que só o processo evolutivo responderá a cada um, de acordo com seu próprio desenvolvimento e consciência.

Trocando em miúdos: - DEUS É MUITA AREIA PARA O MEU CAMINHÃO! É simplesmente o Grande Arquiteto do Universo, que sinto pulsando em mim mesmo e em todos, mas que não tenho condições de explicar.

Quem quiser maiores explicações, que acesse o site da consciência cósmica e envie um e-mail para lá:

Seu endereço é: deus@amor.luz.vida.

Seu ICQ é: "todos os números + o infinito".

Seu nick é "O TODO".

Seu site é: www.sorrisodivino.porfavorcresçaporfavorcompreendaquenaopossoserdefinido


Concluindo esses escritos, extremamente pobres para um assunto dessa natureza, tomo a liberdade de usar uma resposta que enviei para uma outra pessoa em e-mail anterior. O e-mail segue abaixo exatamente da maneira que foi enviado:

"Olá.
Desculpe a demora em lhe responder, mas só agora cheguei no seu e-mail (respondo por ordem de chegada e são muitos mesmo!).

1. Certa vez, perguntei a um amparador como é que Deus havia criado tudo?
Ele riu e disse-me: - Nós também estamos tentando saber!
Daí, eu questionei-o: - Mas, alguém tem que saber isso!
E ele respondeu: - Há espíritos que são pura luz, não tem mais forma como a conhecemos e estão integrados ao Todo. Eles sabem tudo. Mas, suas explicações são tão complexas que nós não temos parâmetros para entendê-las. Por isso, procuramos entender a Criação, pois o Criador é tão incomensurável, que mesmo os seres de luz não tem parâmetros adequados para descrevê-lo. Em suma: Deus é sutil demais!

2. Os anjos existem sim, mas não têm asas e nem têm nada a ver com as religiões da Terra. No Oriente são conhecidos como Devas (do sânscrito: "divindades"). São seres superiores aos humanos e tem corpos luminosos. Dê uma olhada no ótimo livro de Geoffrey Hodgson, "O Reino dos Deuses"; Ed. Pensamento. Em nosso site, na seção "textos projetivos e espiritualistas" , há um ou dois textos sobre isso. O texto número 1 é um deles.
3. Se os anjos dependessem de horário para chegarem junto, teriam que usar relógio!

4. O diabo é uma alegoria bíblica, significando apenas os espíritos trevosos que teimam em não seguir o fluxo da evolução e o Plano Maior."

Paz e luz a todos!

- Wagner Borges -
Salvador, 11 de abril de 1999.



Texto II - CONVERSANDO SOBRE TEMAS ESPIRITUAIS DIFÍCEIS DE EXPLICAR

(Respostas a um e-mail enviado por uma pessoa cadastrada no site)

1) Haverá um ponto de chegada na escala evolucionária humana? Quando o ser humano cruza este ponto de chegada, o que acontece com o seu espírito? Haverá também um ponto de partida na evolução espiritual do ser humano? Quando os primeiros seres humanos surgiram estavam todos na mesma escala evolucionária?

Resposta: Considere o seguinte: Eternidade não tem começo ou fim. É um conceito não-linear e atemporal. Se você pensa para frente só verá o infinito sem fim. Se observa para trás, também verá o infinito sem fim. Ou seja, conceitos de início ou fim de alguma coisa, em se tratando de evolução, são meras referências sensoriais. São ilusões baseadas nos sentidos. É óbvio que a evolução não tem fim. Sendo o espírito imortal, sua evolução é contínua. Mas, não dá para falar disso usando nossa referência espaço/temporal convencional. É como tentar definir as seguintes coisas, que escapam a um raciocínio intelectual: amor, Deus, evolução, infinito, intuição e vida.
Você acha que dá para explicar intelectualmente essas coisas?

Certa vez, um discípulo perguntou a seu mestre taoísta:
- Senhor, qual é o objetivo da vida?
O mestre sorriu e disse-lhe:
- O objetivo da vida é descobrir qual é o objetivo da vida! E só vivendo é que se decifra esse mistério de viver!

Resumindo: não se preocupe em encontrar explicações sobre a gênese disso ou daquilo, ou sobre o futuro evolutivo, que certamente virá ao longo da eternidade. Preocupe-se com o momento presente, pura causa, pois o futuro será seu efeito inexorável. E o passado, antiga causa, já foi, deixando seu efeito, que é o presente.
Esteja presente!

* * *

2) Existe um mundo material. E espiritual, só há um também? Ou vários? Há mais de um mundo superior? E mundos inferiores dos quais a Eubiose fala, o que são?

Resposta: O plano espiritual é subdividido em vários níveis energéticos, chamados espiritualmente de planos e sub-planos. Genericamente, podemos dizer que há o plano astral denso (umbral, inferno, planos inferiores), o plano médio e o sutil, elevado, rarefeito, quintessenciado, pura luz. Cada uma dessas divisões contém várias vibrações e panoramas extrafísicos diversos, de acordo com as freqüências energéticas correspondentes.

Sugiro a você que leia os seguintes livros sobre esse tema:
"A Vida Nos Mundos Invisíveis" - Anthony Borgia - Ed. Pensamento.
"A Vida Além da Sepultura" - Ramatís/Hercílio Maes - Ed. do Conhecimento.
"Testemunho de Luz" - Helen Greaves - Ed. Pensamento.
"Voltar do Amanhã" - George Gordon Ritchie - Ed. Nórdica.

* * *

3) Espíritos de animais reencarnam? Seres humanos podem reencarnar em animais?

Resposta: Os animais também reencarnam e evoluem dentro de seu ciclo de evolução. Ou você acha que eles serão animais eternamente, sem chance de um progresso e ascensão?
É impossível um ser humano reencarnar numa forma de vida inferior ao seu estágio evolutivo. Muito embora, seitas orientais antiquadas preconizem essa possibilidade como uma espécie de punição. Mas, não passa de um mito antigo, fruto da ignorância espiritual.

* * *

4) A nossa personalidade é a mesma em cada encarnação ou ela muda?

Resposta: A individualidade nunca muda, mas a personalidade pode ser afetada pelo novo meio ambiente e apresentar algumas características diferentes. Porém, ao longo da vida a essência real se apresenta, denotando o verdadeiro caráter daquela entidade.

* * *

5) O que são os elementais?

Resposta: Os elementais são os espíritos da natureza. Não são espíritos humanos desencarnados. Considere-os como uma espécie de animais extrafísicos, diferentes dos animais desencarnados aqui da Terra.

Leia sobre esse assunto os seguintes livros:
"O Reino dos Deuses" - Geoffrey Hodgson - Ed. Pensamento.
"O Lado Oculto das Coisas" - C. W. Leadbeater - Ed. Pensamento.
"A Viagem de Uma Alma" - Peter Richelieu - Ed. Pensamento.

* * *

6) O que são demônios? O que é o Diabo? E o inferno?

Resposta: Inferno é o plano astral denso, inferior. Diabo é uma antiga distorção religiosa significando os espíritos trevosos. Em seu original, do grego, significa "aquele que separa". Se você espera encontrar aquela clássica figura diabólica, com um tridente na mão ao lado de uma caldeira infernal, esqueça! Isso é puro mito. Muito embora, alguns espíritos perversos possam plasmar uma aparência assim para atemorizar os incautos que se deixam levar por suas enganações e tentações. E há, também, aquelas pessoas que após a morte, devido à autoculpas variadas e condicionamentos religiosos repressores e atemorizantes, plasmam inconscientemente formas-pensamento demoníacas e ambientes extrafísicos infernais deturpados por suas percepções distorcidas.

* * *

7) O nosso livre-arbítrio é total? O que o condiciona?

Resposta: Nosso livre arbítrio não é absoluto, é relativo. Por exemplo, tente trocar de corpo, ou de planeta, ou tente deixar de ser imortal (nem o suicida consegue morrer, só perde o corpo). Você não conseguirá. Sabe por que? Porque estamos submetidos a ciclos evolutivos correspondentes à nossa necessidade de aprimoramento e crescimento consciencial. Há leis maiores interagindo com nossas vidas, num sentido coletivo. Contudo, num sentido individual, somos responsáveis por nossos atos e escolhas relativas nesse mundo onde vivemos.
Vamos a um exemplo explicativo:
- Imagine que a Terra é um rio e que seu corpo é um barco navegando nesse rio. Você não pode trocar de barco e nem de rio no momento. Mas, a maneira como você navega é por sua conta e risco. Poderá bater nos outros barcos, afundar as embarcações alheias, afogar pessoas ao longo do curso do rio ou salvá-las de afogamento. Você poderá navegar rápido ou devagar. Poderá usar os remos ou não. Poderá conduzir o timão à sua maneira.
Resumindo: O rio e o barco foram impostos a você pela Natureza, mas a maneira como você navega na vida é por seu livre arbítrio.
Outro exemplo: O universo é uma escola. A Terra é uma de suas salas de aula para uma determinada série de aprendizados. O corpo é o uniforme. E uma vida corresponde a uma série. Ao longo do ano-vida letivo, na categoria de aluno, você será submetido a uma série de provas e testes valendo notas. O currículo daquela série e as provas correspondentes serão impostos a você pelos mestres da raça-turma. Não serão de sua escolha pessoal. Mas, a maneira como você viverá esse ano-vida letivo e como você se sairá em relação a sala-planeta, as provas-experiências e os relacionamentos com seus colegas de raça-turma serão de seu exclusivo livre-arbítrio. Você poderá ser um péssimo ou ótimo aluno. Poderá quebrar a carteira escolar, rasgar o caderno, ser inimigo dos professores, matar aulas importantes, não gostar de estudar e bater nos alunos do lado. Ou, poderá ser um aluno brilhante, amigo dos outros alunos e preservador das condições sadias da sala-planeta.
A vida foi imposta a você, não é livre-arbítrio, é obrigatória! Mas, como você leva a vida, é por sua conta! Atos cósmicos são de competência da natureza. Atos pessoais são de competência humana.
Lembrei-me de um detalhe a mais: O suicida é alguém que não completa o ano-vida letivo. Ou seja, ele não chega a dezembro para as provas finais, pois ele saiu da sala-planeta em agosto e não completou seu ciclo de aprendizado. Dessa forma, como poderá evoluir, se fugiu do lugar onde a experiência de viver é que ensina?

* * *

Bom, aí está a sua lista de respostas. Esse é um dos motivos pelos quais demoro a responder muitos e-mails. Eles vem carregados de perguntas complexas de responder até pessoalmente, o que dirá por e-mail?
As perguntas que você fez são comuns a muitas pessoas. Por isso, vou postá-las junto com as respostas para o pessoal cadastrado em nosso site. Pode ser que tire a dúvida de outras pessoas.
Contudo, considere uma coisa: eu não sei tudo! O que coloquei aqui é fruto de estudos e observações espirituais. Respondi com o grau de consciência que tenho dessas questões. Use bom senso e filtre as informações. Só aceite o que achar coerente. Aprofunde seus estudos e práticas, sem apegar-se a eles, de mente aberta, e tire suas próprias conclusões.
Pelo menos, as respostas que estou colocando aqui não são dogmas e nem estão atrelados a nenhuma doutrina em particular. São apenas respostas de um sujeito espiritualista da cabeça aos pés, físicos e extrafísicos, extraídas das vivências espirituais de muitos anos de estrada nessa área.
Quem responderá essas questões para nós todos, com toda propriedade, é a vida, eterna professora de nossas consciências.

Paz e luz para você!

- Wagner Borges -
São Paulo, 10 de maio de 1999.
 

ImprimirEmail