CREMANDO AS TOLICES NO FOGO DO DISCERNIMENTO

(Resposta a pergunta de um leitor, preocupado se deveria mandar cremar seu corpo após sua morte)
 
- Por Wagner Borges –
 
Não se preocupe tanto com a eventual cremação do seu corpo.
Preocupe-se mais com a cremação do seu orgulho e de sua ignorância.
Queime suas tolices na fogueira do discernimento. E, depois, disperse as cinzas de suas ilusões no mar da vida...
Não será o tipo de morte – ou a transformação dos seus despojos densos -, que determinará a qualidade de seu viver, na Terra ou em qualquer outro plano de manifestação. Isso é determinado pelo que você pensa, sente e faz.
Fogo ou sete palmos abaixo do chão, nada disso tem a ver com a sua consciência imortal.
Não se prenda a nada disso!
Enterre apenas os seus medos e queime suas culpas.
Que fogo poderá queimar o eterno?
Que terra poderá cobrir o princípio imperecível?
Só o seu corpo poderá ser incinerado ou enterrado. Você, não!
Então, como estudante espiritual, por que você está tão preocupado com isso?
Seus estudos são só teóricos e não lhe dão certeza alguma?
Será que você nunca sentiu a pulsação do Eterno em seu coração?
Nunca sentiu o amor iluminando os seus dias?
Talvez você nunca tenha escutado o seu coração, só sua mente.
Por isso, sua luz ficou fraca e a dúvida capturou o seu raciocínio.
Eu não sei se você deve mandar cremar ou enterrar o seu corpo depois da morte. Aliás, o corpo é seu – e a dúvida também. Então, por que outro deve lhe dizer o que fazer?
O que sei é que se deve prestar atenção à vida e ao momento presente.
Cremar ou enterrar? Sei lá. O que isso tem a ver com sua consciência?
Você não é o corpo. Desde o momento em que você cair fora dele definitivamente, o planeta o absorverá de volta, de uma maneira ou de outra.
 Seja “in natura”, ou “flambado”, os seus elementos físicos serão transformados pela alquimia planetária. Na natureza, nada se perde, tudo se transforma!
Enquanto vivo no corpo, cuide bem dele, pois é seu parceiro de viagem terrestre. Mas, depois que sair dele, pense em outros planos de manifestação e decole para o infinito, sem medo.
Por enquanto, que tal viver o agora?
Queime a sua ânsia e enterre os seus dramas.
E, um dia, na hora certa que o Alto determinar, caia fora do corpo e voe bem alto, como espírito livre... E deixe o corpo ser transformado em paz, seja no seio da terra ou purificado pelo fogo.
De toda maneira, ele voltará a fazer parte dos elementos planetários.
Assim como você voltará para as estrelas e aos espaços livres, em seu corpo de luz, podendo até mesmo brincar com os devas* do fogo, por aí...
Você é filho do Eterno e carrega o fogo estelar em seu próprio Ser.
Com a luz do sol em seus olhos, queime seus medos. E ilumine sua vida, aqui e agora!
Seja feliz, com corpo ou sem corpo, na Terra ou no Espaço.
Em qualquer lugar ou condição, o que vale é o que você pensa, sente e realiza. É o que você é. É o que faz consigo mesmo. O que importa é sua consciência!
Cremação ou enterro? Sei lá, tanto faz.
O importante é ser feliz**.
Então, seja.
 
Paz e Luz.
 
 
- Notas:
* Devas – do sânscrito – seres celestiais; divindades; anjos.
** Enquanto respondia essa carta, lembrei-me de um texto do grupo extrafísico da Companhia do Amor. Acho que ele complementa bem esses escritos. Por isso estou postando-o na seqüência.
 
 
POMARES CONSCIENCIAIS
 
Cada um deve assumir integralmente a sua própria vida. De nada vale a confiança se ela não for alicerçada pela maturidade espiritual íntima.
Cada um dá o que tem e exterioriza em sua vida aquilo que já mora em seu próprio íntimo. Cada um é o que é e as frutas verdes são chamadas assim exatamente por não serem maduras. Qual é a característica da fruta verde? Ela é dura e o seu sabor não é agradável ao paladar.
Na Espiritualidade é a mesma coisa: há pessoas duras e há pessoas maduras penduradas na mesma árvore da vida. Os seus sabores são diferentes e diretamente proporcionais ao seu estado natural. Algumas delas são bastante ácidas, outras são macias e saborosas.
No imenso pomar da Criação, onde a árvore divina está plantada por obra e graça do AMOR, as pessoas e as frutas têm o seu tempo. Cabe a cada um perceber o que segue em seu íntimo e qual é o seu tempo e o seu sabor.
Azedo ou suave? Duro ou macio? Amargo ou doce?
Cada um é o que é...
O discernimento sempre apontará para as frutas maduras e indicará as melhores para o consumo. Isso porque, além das frutas verdes, também há as frutas podres e bichadas. Na vida espiritual é a mesma coisa: a lucidez consciencial sempre priorizará o que for melhor.
Até mesmo pelo fato de que pessoas verdes ou estragadas podem fazer muito mal a quem consumi-las. Ainda mais se estiverem "bichadas" pelo egoísmo.
As pessoas verdes receberão a assistência do Dr. Tempo para amadurecerem.
As pessoas estragadas receberão a ajuda do Dr. Carma*, que as derrubará no chão para que sejam absorvidas e posteriormente frutifiquem novamente à frente. As pessoas maduras farão o seu papel e alimentarão as outras, pois o seu sabor é excelente.
Azedo ou suave? Duro ou macio? Amargo ou doce?
Cada um é o que é... Mas o Dr. Tempo e o Dr. Carma estão de olho!
Enquanto isso, as pessoas maduras serão colhidas no momento certo e viajarão nas cestas divinas e conhecerão novas árvores nos pomares divinos.
Cada um é o que é...
 
- Companhia do Amor** –
A Turma dos Poetas em Flor.
 
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - São Paulo, 06 de junho de 2001).
 
- Nota de Wagner Borges: Há momentos em que cada um de nós apresenta facetas variadas de nossa personalidade transitória no mundo. Dependendo das circunstâncias, podemos ser verdes, estragados ou maduros. Com tantas vidas desperdiçadas ao longo do tempo e muitas tolices projetadas em nossos caminhos, é hora de amadurecermos. E o primeiro passo é pensarmos nisso.
O vento da experiência sacode as folhas e os galhos da árvore de nossas vidas. Podemos balançar muito, mas se o discernimento guiar o nosso rumo, não cairemos no chão. E, no momento certo, estaremos passeando por aí, em alguma cesta entre as estrelas e pomares do Cosmo.
Em algum momento, estaremos rindo com as estrelas e agradecendo ao Grande Arquiteto Do Universo, o dono de todos os pomares, por todas as chances de crescimento.
Por enquanto, ainda balançando muito, possamos rir por aqui mesmo entre os frutos e homens da Terra.
O tempo fará o seu serviço e as estrelas estão nos esperando... Forever!
 
- Notas do Texto:
* Carma - do sânscrito “Karma” - ação; causa – é a lei universal de causa e efeito - Tudo aquilo que pensamos, sentimos e fazemos são movimentações vibracionais nos planos mental, astral e físico, gerando causas que inexoravelmente apresentam seus efeitos correspondentes no universo interdimensional. Logo, obviamente não há efeito sem causa, e os efeitos procuram naturalmente as suas causas correspondentes. A isso os antigos hindus chamaram de carma.
** A Companhia do Amor é um grupo de cronistas, poetas e escritores brasileiros desencarnados que me passam textos e mensagens espirituais há vários anos. Em sua grande maioria, são poetas e muito bem humorados. Segundo eles, os seus escritos são para mostrar que os espíritos não são nuvenzinhas ou luzinhas piscando em um plano espiritual inefável. Eles querem mostrar que continuam sendo pessoas comuns, apenas vivendo em outros planos, sem carregar o corpo denso. Querem que as pessoas encarnadas saibam que não existe apenas vida após a morte, mas, também, muita alegria e amor.
Os seus textos são simples e diretos, buscando o coração do leitor.
Para mais detalhes sobre o trabalho dessa turma maravilhosa, ver os livros "Companhia do Amor - A Turma dos Poetas em Flor – Volumes 1 e 2" - Edição independente - Wagner Borges, e sua coluna no site do IPPB (que é uma das seções mais visitadas no site): www.ippb.org.br  

ImprimirEmail