DUAS ORAÇÕES DA PRESENÇA

Os dois textos contendo Orações da Presença são inspirados na sabedoria espiritual dos celtas antigos, de onde tenho extraído muitos ensinamentos profundos (e, ao mesmo tempo, tão simples e ternos).
São escritos direcionados para elevação da auto-estima e tem ajudado a muitas pessoas em suas reflexões e aprendizados espirituais.
Fico muito contente de poder disponibilizar textos desse porte, e agradeço a todas as consciências espirituais ligadas às elevadas vibrações da sabedoria celta, pelo apoio e inspiração.
Bom, vamos aos dois textos (e mais um anexado ao final do segundo).

- Wagner Borges –
07 de agosto de 2006.

UMA ORAÇÃO DA PRESENÇA I

- por Wagner Borges -

Que jamais, em tempo algum, o teu coração acalente o ódio.
Que o canto da maturidade jamais asfixie a tua criança interior.
Que o teu sorriso seja sempre verdadeiro.
Que as perdas do teu caminho sejam sempre encaradas como lições de vida.
Que a música seja tua companheira de momentos secretos contigo mesmo.
Que os teus momentos de amor contenham a magia de tua alma eterna em cada beijo.
Que os teus olhos sejam dois sóis olhando a luz da vida em cada amanhecer.
Que cada dia seja um novo recomeço, onde tua alma dance na luz.
Que em cada passo teu fiquem marcas luminosas de tua passagem em cada coração.
Que em cada amigo o teu coração faça festa e celebre o encanto da amizade profunda que liga as almas afins.
Que em teus momentos de solidão e cansaço esteja sempre presente em teu coração a lembrança de que tudo passa e se transforma, quando a alma é grande e generosa.
Que o teu coração voe contente nas asas da espiritualidade consciente, para que tu percebas a ternura invisível tocando o centro do teu ser eterno.
Que um suave acalanto te acompanhe, na Terra ou no Espaço, e por onde quer que o Imanente Invisível leve o teu viver.
Que o teu coração sinta A PRESENÇA SECRETA DO INEFÁVEL!
Que os teus pensamentos, os teus amores, o teu viver, e a tua passagem pela vida sejam sempre abençoados por aquele AMOR QUE AMA SEM NOME.
Aquele Amor que não se explica, só se sente.
Que esse Amor seja o teu acalanto secreto, viajando eternamente no centro do teu ser.
Que esse Amor transforme os teus dramas em luz, a tua tristeza em celebração, e os teus passos cansados em alegres passos de dança renovadora.
Que jamais, em tempo algum, tu esqueças da PRESENÇA que está em ti e em todos os seres.
Que o teu viver seja pleno de PAZ E LUZ.

P.S.: Esses escritos são dedicados a todos aqueles que trabalham por climas melhores na existência, mesmo em meio a diversos problemas na jornada da vida. Essas pessoas que ainda insistem em ser dignas, criativas, generosas e confiantes na luz da PRESENÇA que guia internamente os seus propósitos vitais.
Essas pessoas brilhantes que raramente são notadas pela mediocridade alheia, mas que são bem conhecidas do Espírito Supremo, o verdadeiro Senhor de suas vidas e o único conhecedor do que se passa dentro delas).

Paz e Luz.
Jundiaí, 15 de dezembro de 2003.

- Nota: Enquanto eu escrevia esse texto, rolava no som o maravilhoso CD “The Dolphin Song”, de Christa Michell e Stuart Gordon (Gravadora Oreade Music – Holanda).
Trata-se de um virtuoso trabalho de música New Age cheio de teclados atmosféricos permeados por lindos acordes de violino e flauta.
Resumindo: Um CD maravilhoso para meditação e que leva o ouvinte a climas sonoros viajantes, principalmente nas músicas “Angelus” e “Libera” (faixas segunda e terceira, respectivamente).



UMA ORAÇÃO DA PRESENÇA II

- por Wagner Borges -

“Meu irmão, não sei qual é o mal que lhe aflige no momento, mas seja ele qual for, físico ou espiritual, que tudo possa melhorar agora.
Que haja transformação em tudo aquilo que esteja estagnado em seu ser.
Que você possa ser curado no seu espírito, causa de sua vida e de seu destino.
Que os ventos da renovação soprem sobre os seus rumos e escolhas.
Que uma ternura secreta acalente os seus pensamentos.
Que o precioso toque sutil dos protetores espirituais lhe conforte.
Que os anjos da presença secretamente cantem por você.
Que haja um novo despertar em sua vida.
Que o cálido canto dos anjos aqueça o seu coração.
Que o seu mal seja curado, seja na Terra ou no Céu.
Que os anjos da presença compartilhem as bênçãos celestes em seu corpo, e em seu espírito.
Que haja luz em seu ser.
Que a tristeza, a dor e as mágoas sejam dissolvidas na luz.
Que você possa seguir com confiança, pois os anjos da presença estão ao seu lado.
Que as dores de agora, e os problemas do passado dêem passagem para o despertar espiritual se apresentar dentro de você.
Que o seu despertar seja radiante.
E que a sabedoria seja a sua nova parceira.
Que o amor, a eterna presença, esteja sempre com você.”

P.S.: Essa oração foi direcionada originalmente para um homem que estava desencarnando. Embora envolvido pelas energias maravilhosas dos amparadores que o assistiam espiritualmente, ele estava com muito medo, pois estava sozinho no quarto quando o momento final chegou. Além disso, havia nele um sentimento de solidão muito intenso (por causa do abandono da família e dos amigos ao longo dos anos, e também devido a pesadas cargas de mágoa que ela mantinha agregadas em seu coração).
Eu via o lance à distância, por clarividência, pois no momento estava em meu quarto exteriorizando energias a favor da humanidade (os amparadores estavam me usando como uma espécie de link energético para facilitar os trâmites desencarnatórios do cara).
Em dado momento, um dos amparadores me sugeriu o seguinte:
“Ele está com muito medo e dificultando o desprendimento final. Por isso, não basta apenas enviar energias, é necessário conversar com ele, para dar-lhe suporte psicológico para a transição. Converse mentalmente com ele, de coração a coração, de espírito para espírito, e transmita-lhe confiança e apoio incondicional. Mesmo à distância, vocês estão ligados espiritualmente, em nome do Senhor da Vida. Faça a sua parte e ajude-o!”
Então, busquei a inspiração no Alto e essa oração brotou espontaneamente em meu coração, direto ao coração do cara, que imediatamente se acalmou.
Em seguida, ele adormeceu.
Instantes depois, ele foi arrebatado por uma coluna de luz, que elevou o seu corpo espiritual em direção a um portal extrafísico que se abriu por cima dele. E ali, no meio daquela luz, ele finalmente passou para sua nova morada, naqueles planos extrafísicos cheios de consciências espirituais, todas muito vivas além da carne!
É nessas horas que dá uma alegria danada de poder participar de lances espirituais como esses. Daí me lembro dos ensinamentos de Krishna para o seu arqueiro-discípulo Arjuna:
“O espírito não nasce nem morre, só entra e sai dos corpos perecíveis.
Que água poderá molhá-lo? Que fogo poderá queimar o imperecível?
Que arma poderá ferir o eterno?”

- in Bhagavad Gita -

E arremato esses escritos com um ensinamento de Jesus:
“Na Casa do Pai há muitas moradas!”

Sim, e muitas delas são extrafísicas e estão cheias de consciências espirituais, todas muito vivas!
Sim, ELAS VIVEM, ELAS VIVEM, ELAS VIVEM... FOREVER!

Paz e Luz.
São Paulo, 12 de abril de 2003.

- Nota: Para enriquecer esses escritos, reproduzo na seqüência um texto que esclarece muitos detalhes daquilo que os celtas chamavam de “A PRESENÇA!”
Vamos a eles.

VIAJANDO NO ASSOMBRO DA PRESENÇA

Eterna Presença,
Acolhe o terno assombro
Que sinto em tua luz.
Abraça o meu espírito!

Na longa noite dos meus desencontros
Carreguei falsos fardos na mente,
E apenas me lamentei.
Cansado na alma, lembrei-me de Ti.

Porém, acostumado só a pensar,
Me esqueci de Te sentir no coração,
Tua casa, Teu templo.
Perdido na mente, chorei na solidão.

No vácuo do meu sofrer,
Terna mão luminosa surgiu
E apontou o caminho do coração.
Ali, o Anjo da Presença me tocou.

E fui possuído pela prece.
E a canção chegou no coração.
E algo me iluminou por dentro.
Fui tomado pelo assombro!

E a luz do céu desceu em minha noite.
E lembrei-me de quando eu era criança,
E ajoelhado em minha inocência
Abria o meu coração para Te sentir.

Eterna Presença, agora eu sei.
Te sinto no coração novamente.
Acolhe o meu assombro,
E abraça o meu espírito!

Saindo da escuridão de minhas confusões,
Tornei-me criança novamente.
Recebe o meu coração no Teu, bem abraçado.
Acolhe o meu assombro em Tua luz.

Agora eu me lembro!
Dos anjos secretos que embalavam o meu sono
E cantavam a Tua glória.
Eles cantavam dentro do meu coração.

Eterna Presença, agora eu sei!
De corpo e alma, tudo é Tua luz.
Acolhe o meu assombro,
E abraça o meu espírito.

Paz e Luz.

(Esses escritos são dedicados aos iniciados celtas de todos os tempos.)

- Wagner Borges -
São Paulo, 12 de abril de 2003.

- Nota (Escrita em 28 de janeiro de 2004):
Quando os antigos iniciados celtas admiravam os momentos mágicos do alvorecer e do crepúsculo, costumavam dizer: “Isso é um assombro!”
E assim era para todas as coisas consideradas como manifestações grandiosas da Natureza e do ser humano.
Ver o brilho dos olhos da pessoa amada, a beleza plácida da lua, a alegria do sorriso do filho, ou o desabrochar de uma flor eram eventos maravilhosos.
Então, eles ousavam escutar os espíritos das brumas, que lhes ensinaram a valorizar o Dom da vida e a perceber a pulsação de uma PRESENÇA em tudo.
A partir daí, eles passaram a referir-se ao TODO QUE ESTÁ EM TUDO como a PRESENÇA que anima a Natureza e os seres.
Se a luz da vida era um assombro de grandiosidade, maior ainda era a maravilha da PRESENÇA que gerava essa grandiosidade.
Perceber essa PRESENÇA em tudo era um assombro!
E saber que o sol, a lua, o ser amado, os filhos, as flores e a Natureza eram expressões maravilhosas dessa totalidade, levava os iniciados daquele contexto antigo da Europa a dizerem: “Que assombro!”
Hoje, inspirado pelos amigos invisíveis celtas, deixo registrado aqui nesses escritos o “terno assombro” que sinto ao meditar na PRESENÇA que está em tudo.
E lembro-me dos ensinamentos herméticos inspirados no sábio estelar Hermes Trismegisto, que dizia no antigo Egito: “O TODO está em tudo! O Inefável é invisível aos olhos da carne, mas é visível à inteligência e ao coração.”
O TODO ou A PRESENÇA, tanto faz o nome que se dê.
O que importa mesmo é a grandiosidade de se meditar nisso; essa mesma grandiosidade de pensar nos zilhões de sóis e nas miríades de seres espalhados pela vastidão interdimensional do Multiverso, e de se maravilhar ao se perceber como uma pequena partícula energética consciente e integrante dessa totalidade, e poder dizer de coração: “Caramba, que assombro!”

ImprimirEmail