E ME VEJO A PENSAR

E me vejo a pensar num amor que não sei explicar.
E me vejo a sentir, algo rosa chegando.
E vejo sem ver, algo que os olhos não alcançam
Algo rosa está chegando!
E surge uma flor de lótus rosada na minha testa,
E a onda de amor desce e se instala ali.
É uma Flor-Sol rosada!

E me vejo a sentir uma segunda flor rosada no centro do umbigo
E sinto a alegria descendo e se instalando ali.
E me pego rindo não sei do quê.

E vem uma terceira flor rosada no centro do peito.
E me vejo a sentir as ondas espirituais do céu chegando no coração.
E os olhos brilham vendo algo sem ver, em meio ao rosa.

E uma quarta flor rosada floresce no meio do alto da cabeça.
E me vejo a sentir uma coluna de luz rosa descendo do céu do Amor.
No céu da mente e no céu do coração.
E tudo fica rosado, a mente, o coração e o corpo!

E me vejo a pensar, nesse amor que não sei explicar, só sentir!
E me pego tentando escrever sobre o rosa-amor que desceu aqui.
E que apenas me ordenou:
"Vive, cresce, ama, ri e segue..."

Paz e Luz.

- Wagner Borges -
São Paulo, 29 de março de 2003.

1. Esses escritos foram feitos de improviso no quadro de aula do salão do IPPB, diante da turma de 88 alunos do curso de Bioenergia. Se o leitor prestar bem atenção, perceberá que se trata de uma visualização criativa para equilíbrio dos chacras frontal, umbilical, cardíaco e coronário.
Logo após a turma copiar o que escrevi no quadro, realizamos juntos essa visualização, e o efeito foi muito legal para todos.
Registro aqui a presença dos amparadores da equipe extrafísica de Ramatís, que me intuíram a respeito dessa prática iogue.

2. Enquanto digitava essas linhas, lembrei-me do que um amparador extrafísico comentou ao fim de uma reunião no IPPB três dias antes:
"Amor em ação, luz nas mãos.
Mente aberta, idéias arejadas.
Coração limpo de ódio, alma acesa.
Na voz do silêncio, o som de Deus!"

3. A prática de visualização de flores nos chacras é uma prática ancestral dos iogues hindus. Para enriquecer o tema, reproduzo logo abaixo um trecho que traduzi de um clássico hinduísta contendo uma prática ensinada por Krishna:

----------
BAKTI-YOGA
----------

Sentado em posição cômoda, com o corpo ereto, coloque suas mãos sobre os quadris e direcione os seus olhos para a ponta do nariz. Pratique o pranayama, aspiração, retenção e expiração, para purificação dos nervos.
Depois, concentre os sentidos e a mente com grande paciência e perseverança.

Medite sobre a palavra OM, recitando-a em seu interior como se fosse o contínuo repique de uma campainha. Pratique o pranayama unido ao OM dez vezes ao dia, e assim obterás o controle do prana.
Imagine um lótus dentro de seu coração, com as pétalas apontando para baixo, e correndo por ele o sushumna. Agora pense que as pétalas apontam para cima e que a flor está completa. Veja, no coração da flor, o sol, a lua e o fogo, um dentro do outro. Depois, trate de ver dentro do fogo a forma benigna de seu Ishtam. Medite sobre ele como a Causa Suprema do universo, e por último, sobre a unidade do Ser com Deus, a única existência.
Com tal mente o homem pode perceber a minha presença no interior dele mesmo. Tudo é luz!

- Krishna –
(Texto extraído do livro "Srimad Bhagavatan – As Sagradas Escrituras Védicas" – Ed. Edicomunicacion – Espanha).

Notas: Esse texto está contido no capítulo XI do Srimad Bhagavatan, uma das obras clássicas do Hinduísmo de cerca de 2000 a.C.
Trata-se de uma série de lições e práticas espirituais passadas por Krishna ao seu discípulo-arqueiro Arjuna.
Obs. Segue a explicação sobre alguns termos do sânscrito usados nessa tradução:

- Bakti (Bhakti): Devoção.
- Pranayama: Prática respiratória para o domínio bioenergético. É o quarto passo na senda dos oitos aforismos preconizados por Patanjali, o grande codificador do Yoga.
- OM: O Verbo Divino (também conhecido como pranava ou shabda), a vibração do Todo em tudo.
- Prana: O sopro vital; Energia.
- Sushumna: O nádi (conduto sutil de transporte de energia pelo corpo energético) central que passa pelo centro da coluna e pelas raízes dos chacras, verdadeira avenida vibracional por onde ascende a kundalini nos processos de ascensão espiritual.
- Ishtam: O Ser Divino escolhido como alvo mental da meditação do aspirante espiritual.
Texto <420><14/04/2003>

ImprimirEmail