FALANDO DE PAIS E FILHOS NO CÉU DO CORAÇÃO

(Quando a Gaivota Passa o Recado do Grande Espírito)

- Por Wagner Borges -

Pai, eu vi a gaivota voando e me lembrei de você.
E o meu coração se encheu de saudade...
Dos seus braços fortes me segurando no colo.
Dos seus conselhos e de suas esperanças em meu futuro.
Do quanto você teve paciência comigo.

Sabe, quando somos jovens, não sabemos o que um pai sente.
Não valorizamos quem segura nossa barra e nos sustenta.
Com o tempo, também nos tornamos pais, e aí compreendemos.
A experiência transforma o olhar e faz ver além...
Então, lembramos de que um dia fomos filhos.
E a saudade vem de cheio, junto com o agradecimento.

Pai, ontem eu não sabia; hoje eu sei, com todo meu Ser.
Com a chegada dos meus filhos, o vento do amor arejou meu coração.
Assim como arejou seu coração, quando você me recebeu como seu filho.

Fico pensando nas coisas que não são ditas entre pais e filhos.
Coisas que o tempo leva... Coisas que não têm preço.
Lembranças que viajam pelo céu do coração...

Com o passar dos anos, sinto o que antes não sentia.
Amando meus filhos, penso no seu amor por mim.
E se isso é assim, aqui na Terra, imagino um Amor Maior, em tudo.
Um Grande Coração Universal, onde pais e filhos viajam nos sentimentos reais.

Fico imaginando o Poder Maior que nos colocou aqui, como pais e filhos.
E elevo meus pensamentos a Ele, Pai de todos nós, agradecendo o presente.
Sim, agradeço o presente de hoje ser pai, e de um dia ter sido seu filho.

P.S.: Pai, a gaivota passou voando pelo céu do meu coração.
E ela me disse: “O Grande Espírito lhe ordenou escrever algo para os pais e filhos.”
Não questionei, apenas escrevi o que senti, consciente da missão.
Pois sei que há um Poder Maior capaz de interligar invisivelmente as consciências.
Como sei, também, que algumas palavras podem chegar no momento certo para alguém.
Talvez, a corações feridos, que reconsiderem sentimentos e reúnam novamente pais e filhos.
Ou, simplesmente, por entre os planos da vida, pais e filhos se toquem no infinito.
Por obra e graça de um Poder Maior, isso é possível. Como é possível refletir...
Sim, refletir, para recomeçar. Talvez para melhorar pais e filhos, por esse mundão de Deus.
Então, que esses escritos viajem por aí, cumprindo sua função e unindo corações.
Que o vento do amor leve essas palavras a quem de direito, como deve ser...

(Esses escritos são dedicados a Waldemar Borges, meu pai, hoje com 76 anos de “encadernação”, e aos pais e filhos de todos os lugares, capazes de sentir o vento do amor arejando seus corações).

Paz e Luz.

- Nota:
* Enquanto passava a limpo essas linhas, lembrei-me de um trecho da sabedoria do mestre hindu Sry Aurobindo, a quem tanto admiro:
“Se, no Vazio sem significado, a criação surgiu;
Se, de uma força inconsciente, a Matéria nasceu;
Se a Vida pode se erguer na árvore inconsciente,
E o encanto verde penetrar nas folhas esmeraldinas,
E seu sorriso de beleza desabrochar na flor,
E a sensação pode despertar no tecido, no nervo e na célula,
E o Pensamento apossar-se da matéria cinzenta do cérebro,
E a alma espiar de seu esconderijo através da carne,
Como não poderá a luz ignota se lançar sobre o homem,
E poderes desconhecidos emergirem do sono da Natureza?
Mesmo agora, insinuações de verdades luminosas como estrelas,
Erguem-se no esplendor da mente lunar da ignorância;
Mesmo agora, o toque imortal do Amante sentimos,
Se a porta da câmara apenas estiver entreaberta,
O que então pode impedir Deus de furtar-se para dentro,
Ou quem pode proibir seu beijo na Alma adormecida?”

- In Savitri –
(Sry Aurobindo - Aurobindo Ghose - Índia, 1872-1950 - foi um dos maiores mestres da Índia. O seu trabalho tornou-se conhecido como “O Yoga Integral”, porque, como ele dizia, “Toda vida é Yoga!” - Para mais detalhes sobre os seus escritos inspirados, ver o excelente livro “Sabedoria de Sry Aurobindo” – Editora Shakti, e o site da Casa Aurobindo no Brasil: http://br.geocities.com/casa_sri_aurobindo/)

ImprimirEmail