INICIAÇÃO EXTRAFÍSICA

A projetabilidade* da consciência é diretamente proporcional à soltura e ao desenvolvimento energético do duplo etérico. Este desenvolvimento está na razão direta do esforço promovido pela consciência em suas encarnações anteriores e nos períodos intermissivos entre elas, nos planos extrafísicos, através de cursos pré-reencarnatórios especializados em projeção da consciência. Nesse período extrafísico, entre as encarnações, a consciência, temporariamente desencarnada, procura estudar e desenvolver sua projetabilidade em direção ao plano mental.
INICIAÇÃO EXTRAFÍSICA

A projetabilidade* da consciência é diretamente proporcional à soltura e ao desenvolvimento energético do duplo etérico.

Este desenvolvimento está na razão direta do esforço promovido pela consciência em suas encarnações anteriores e nos períodos intermissivos entre elas, nos planos extrafísicos, através de cursos pré-reencarnatórios especializados em projeção da consciência. Nesse período extrafísico, entre as encarnações, a consciência, temporariamente desencarnada, procura estudar e desenvolver sua projetabilidade em direção ao plano mental.

De seu núcleo extrafísico de aprendizagem, grupos de espíritos desencarnados projetam-se livremente para o plano mental, acompanhados por seus mestres extrafísicos, verdadeiros professores do vôo consciencial que, através de técnicas milenares aprendidas em antigas encarnações no Egito e no Oriente, bem como em antigas civilizações esquecidas nas brumas do tempo e em escolas especializadas no plano astral sutil, promovem continuamente o desenvolvimento das faculdades projetivas nas consciências que demonstram interesse em amadurecer consciencialmente e que esforçam-se em dominar os desejos emocionais inferiores como a raiva, o ciúme, o orgulho e a ortodoxia consciencial, e que procuram, através do conhecimento, uma manifestação mais equilibrada, procurando equalizar a inteligência com o cultivo dos sentimentos elevados como o amor incondicional, a amizade verdadeira, o altruísmo desinteressado e o bom-humor espiritual.

Esses estudantes desencarnados são submetidos à testes extrafísicos para provar seu valor espiritual, mediante situações apresentadas pelos "mestres projetores".

Essa é a verdadeira iniciação espiritual, muito superior à qualquer iniciação esotérica ou espiritualista da Terra, já que é realizada diretamente nos planos extrafísicos e dispensa intermediários humanos, que intitulam-se "mestres iniciadores" ou "hierofantes", bem como juramentos de qualquer natureza e cerimoniais iniciáticos, que, na verdade, possuem como finalidade o condicionamento psicológico do neófito.

Também não existe na "iniciação projetiva extrafísica" a obediência cega aos ensinamentos ministrados, nenhuma espécie de gurulatria ou adoração de qualquer natureza a quem quer que seja.

No plano físico, ao contrário, a idolatria é muito incentivada por diversos místicos, só interessados em iniciar o próprio ego, dominando pessoas incautas, carentes. Entretanto, essas pessoas também favorecem essa relação "idolatrado-neófito", adorando o místico como se fosse um semideus.

As provas espirituais são divididas em quatro etapas bem distintas, que foram simbolizadas, para melhor entendimento, pela correlação dos quatro elementos da natureza: terra, água, fogo e ar.

É importante fazer notar ao leitor que a associação dos quatro elementos da natureza nos processos projetivos é simbólica, não possuindo nenhuma conotação mística ou ritualística, como pode parecer à primeira vista. Sua finalidade é apenas criar uma relação analógica entre a idéia e o elemento, para melhor fixação do ensinamento na mente dos alunos.

Assim, apenas como associação didática, teríamos o seguinte diagrama:



1. TERRA: plano físico terrestre, correspondente ao corpo denso (soma). O corpo físico, o mais denso dos veículos de manifestação da consciência, é associado diretamente ao chacra básico, localizado no cóccix, sede das energias densas que fluem do interior da terra, denominadas no Oriente de "Kundalini", o fogo serpentino aninhado no seio do planeta que penetra no organismo através dos chacras das plantas dos pés e através do períneo, vitalizando a área sexual e a coluna vertebral.

A iniciação da terra representa, simbolicamente, o mergulho do estudante espiritual no plano físico para a realização de tarefas assistenciais, qual verdadeiro estágio nos ambientes humanos.

2. ÁGUA: plano físico energético, correspondente ao corpo energético (duplo etérico). Pode o leitor estranhar a associação do elemento água com a energia, mas é bom lembrar que a água é a base da vida no plano físico.

Para provar isso, basta lembrar que 70% da reciclagem do ar é realizada pelos oceanos, através dos plânctons e algas marinhas, sem falar do imenso potencial energético que o mar oculta aos seres humanos comuns, não ocultando, porém, aos olhos dos clarividentes e seres desencarnados.

Imensas massas de energia interpenetram nas águas oceânicas, e é comum observarmos extrafisicamente a pulsação energética associada ao ritmo das marés, em uma dança luminosa e multicolorida de vitalidade. Nas profundezas abissais ainda existem imensos reservatórios de energia primitiva em estado bruto, inexplorados e inacessíveis, servindo apenas de moradia para seres primitivos que alimentam-se desses "bancos energéticos" da natureza.

O planeta também tem seu campo energético (duplo etérico da Terra), e esse é constituído em sua maior parte pelas energias oceânicas. O duplo etérico do ser humano é forjado, por ocasião do processo reencarnatório, através de uma matriz energética, oriunda do somatório da energia dos duplos etéricos dos pais, associada à energia proveniente do duplo etérico do planeta, via solo físico chacra básico.

E se o duplo etérico do planeta é constituído, em sua maior parte, de energias provenientes dos oceanos, é óbvio que estas influenciam de maneira indireta a formação e a vida do duplo etérico dos seres encarnados. É por essa importante relação energética entre os seres vivos e a água que costuma-se associar o elemento água aos processos energéticos na iniciação extrafísica.

Logo, a iniciação da água representa, simbolicamente, o domínio energético que o estudante espiritual deve ter sobre seus veículos de manifestação. O campo energético é associado diretamente ao chacra esplênico, ligado ao baço, sede da força vital (prana), pois é por esse chacra que a energia prânica é absorvida e metabolizada para os outros chacras.

3. FOGO: plano astral, correspondente ao corpo emocional (psicossoma, corpo astral ou perispírito). O fogo é associado, simbolicamente, ao campo emocional, devido à explosão emocional gerada pela ignição dos desejos desequilibrados da consciência.

É a "energia quente", gerada pela densidade dos desejos animalescos, submetida diretamente à ação do chacra umbilical, sede das emoções inferiores.

O elemento fogo, assim como os outros elementos mencionados, é metafórico, simbolizando na acepção da palavra: "o fogo das paixões da alma".

A iniciação do fogo simboliza o domínio que o estudante espiritual deve ter sobre suas emoções. O campo emocional é associado diretamente aos chacras laríngeo, sede da comunicação e respiração, localizado na garganta, cardíaco, sede dos sentimentos, localizado no coração, e umbilical, como já foi visto antes, sede das emoções inferiores, localizado um pouco acima do umbigo.

4. AR: plano mental, correspondente ao corpo mental (mente). O ar é associado ao campo mental, devido à natureza impalpável e incorpórea dos pensamentos (isso se for analisado pelo ponto de vista tridimensional, pois se for analisado pelo ponto de vista interdimensional, os pensamentos são criaturas vivas no espaço mental).

Na relação analógica, o ar, que é leve e aéreo, é associado simbolicamente aos pensamentos, que são sutis e etéreos. A iniciação do ar simboliza o domínio que o estudante espiritual deve ter sobre seus pensamentos.

O campo mental é associado diretamente aos chacras coronário, sede dos pensamentos, e frontal, sede da observação.

Esses dois chacras, por sua vez, estão relacionados com duas importantes glândulas endócrinas na cabeça: pineal (epífise) e pituitária (hipófise).

É importante fazer notar que é justamente na cabeça que encontram-se embutidos, durante a vigília física, os principais filamentos do cordão de prata.

Esses quatro elementos da natureza, que, na verdade, são a representação simbólica dos veículos de manifestação da consciência, eram representados pelos antigos ocultistas pelo símbolo da cruz, traduzindo a analogia dos contrários, considerada a lei do equilíbrio (Ver figura).

Ar (mente) e Terra (corpo denso), Fogo (psicossoma) e Água (campo vital)**, são opostos interagindo sobre si mesmo. Por trás deste processo está a consciência (diretora das ações) buscando o equilíbrio, através das experiências manifestadas por estes veículos da evolução.

A iniciação extrafísica tem como objetivo estruturar a consciência para vôos mais altos na evolução. Por isso, as provas espirituais têm sua razão de ser, pois só consegue voar alto quem é forte o suficiente para sustentar-se espiritualmente na própria vontade e consciência.

- Rama -

(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - Rio de Janeiro, 10 de março de 1990. Texto extraído do livro "Viagem Espiritual"; Editora Universalista)

Wagner Borges: Sugiro ao leitor que consulte o glossário para melhor entendimento dos termos técnicos contidos neste texto.

** Aqui, Rama preferiu fazer uma abordagem mais direcionada para espiritualistas ocidentais. Se sua abordagem fosse mais direcionada para orientais, ele teria colocado o chacra sexual correlacionado com o elemento água.

ImprimirEmail