INICIAÇÃO REAL

Há muitas moradas no espaço do coração.

Uma delas é o palácio espiritual, onde estão as jóias da paz.

Dentro desse palácio, existem muitas salas de iniciação. Porém, normalmente, essas salas estão vazias.

Poucos homens adentram esse recinto espiritual em busca da iniciação real.

A maioria é barrada na entrada desse palácio que reside dentro do coração, porque deseja receber a iniciação espiritual portando velhos dramas, carregando antigas mágoas.

Eles chegam aos portões do coração espiritual e querem arrombar a porta com sua arrogância. Entretanto, existem guardas que não permitem a entrada de "brutamontes" que carregam em seu seio o orgulho, a ganância, o ódio.

Esses guardiões, postados na entrada dos salões de iniciação, conseguem observar na aura da pessoa os valores necessários e só deixam passar aqueles com real intenção de crescimento e de progresso, aqueles que querem servir ao grande plano de regeneração da humanidade.

A maioria das pessoas que aporta a esse palácio e a essas salas espera ganhar alguma coisa na iniciação, quando, em verdade, elas precisam perder.

Iniciar-se é perder! É perder a arrogância, o ego.

Ninguém ganha nada ao iniciar-se em um caminho espiritual, só perde.

Perde as tolices, perde o eu. E ao perder a imaturidade, a própria pessoa nota um vasto potencial dentro de si mesma.

As luzes do Bem começam a surgir e ela então nota um tesouro espiritual resplandecente brilhando em todas as partes: dentro de si mesma e em todos os seres.

Então, esta pessoa, iniciada pelos hierofantes* do silêncio, só deseja servir, não deseja poder. Ela já não se prende a nenhuma linha em particular. E nela surge o brilho daquelas jóias da paz dentro de seu coração.

Aos salões da espiritualidade, só têm acesso aqueles de alma aberta e que trabalham generosamente a favor do progresso de todos os seres indistintamente, progresso real de todos.

Ser iniciado é ser um serviçal do Amor Maior que governa a existência e que dá vida a todos.

Não significa erguer a cabeça com arrogância, mas simplesmente erguer os olhos em direção às muitas moradas do Pai Celestial, além da Terra.

Significa agradecer as possibilidades de crescimento, de trabalho digno e a oportunidade de prosseguir.

Ser iniciado significa manifestar cada vez mais intenso brilho no olhar, um olhar que vence toda treva, sem agredi-la.

O iniciado perdeu muito, pois no caminho da iniciação real ele foi deixando as quimeras, as ilusões e desprendendo-se da ganância.

O iniciado não é mais a mesma pessoa. Morreu o homem velho, sequioso do poder; renasceu um ser dourado que alegra-se ao participar de alguma atividade produtiva e generosa a favor da humanidade.

Que todos aqueles que trilham os caminhos da Espiritualidade busquem sinceramente as salas espirituais do palácio que existe dentro do próprio coração. E que cheguem até essas salas portando a humildade real e o imenso desejo de servir ao grande plano de progresso.

Não há diploma nas salas espirituais, não há grau, promessa ou ritual. O que existe é o amor aplicado, o silêncio, a inspiração profunda, em que o aspirante à iniciação percebe, sem que ninguém lhe diga, aquela luz magnânima que a tudo compreende.

Nas salas da iniciação não há palavras, só amor, inspiração e silêncio.

- Os Iniciados -

Nota de Wagner Borges: Este texto lembrou-me a bela música "Libertas", do conjunto brasileiro "Sagrado Coração da Terra" (autoria de Marcus Viana):

LIBERTAS

Como é difícil cantar o sublime
Num país de miséria e prosperidade
Se em nossas ruas crianças são bichos
Como falar da mãe liberdade
Quantas vezes mais teremos que morrer pela utopia
mártires do grande sonho humano:
A comunhão, a tribo, o amor, o pão, a liberdade
Me diz quem é livre e senhor de si mesmo
Quem não é escravo de suas paixões
Quem domina sua mente e seus medos
No voragem de fogo dos corações
Na febre das grandes cidades
Quem não sofre o jugo e arrasta grilhões
Com o peso da dor da humanidade
Quem não chora perdido na noite?
Alguém nos falou da liberdade: Olhai os lírios do campo
e as aves do céu; não semeiam, nem fiam: escutai o seu canto
No coração da Amazônia, nas cavernas do Himalaia
O curumim e o sábio sabem andar no fio da navalha
Liberdade - Só esses podem chamar teu nome
Abre as asas sobre nós e mata nossa fome
Como pode o teu mundo nascer
Se o velho homem em nós não morrer?
Sê nossa mãe e nossa luz
Nosso farol, liberdade ainda que tarde
A rosa estrela me diz:
Já vejo a glória da manhã
As águas douradas de aquário vertidas em nós
Libertas quae sera tamem.

-  Nota: * Hierofante: "Mestre Iniciador".

ImprimirEmail