NAS ONDAS AZULADAS DO ANJO DA PRESENÇA

(Viajando na Luz da Assistência Espiritual) (1)

Minha criança,
Vejo você no centro do olho espiritual.
Sei que você está com fome e doente,
E que em breve deixará o corpo físico.
Você ainda não sabe disso, mas pressente,
Através daquelas vias da percepção do espírito.
Querida, não tenho como aplacar sua fome,
Nem como curar o seu corpo, ou cobri-lo.
Sim, eu sei que essas moscas incomodam muito,
Mas também não tenho como afastá-las.
Entretanto, estamos ligados, minha pequena.
Nossos espíritos estão entrelaçados invisivelmente,
Naquelas vias da assistência espiritual sutil.
Isso porque há um anjo pairando acima de você,
E ele nos ligou energeticamente.
Ele vela secretamente por você.
Não sei quais são os motivos cármicos
Que lhe levaram a nascer numa terra dura de viver,
Mas ele sabe! E espera, acima de você.
Querida, o mundo não sabe de sua dor,
E os poderosos estão iludidos em jogos de guerra
E manipulações políticas sórdidas.
Eles não lhe vêem, mas o anjo está sobre você,
Não sobre eles. E ele sabe o que cada um é!
Eu sei que você está com medo e se sente sozinha,
E que palavras não enchem sua barriga nem aplacam
Suas dores e gemidos, que poucos vêem.
Infelizmente, não tenho como lhe dar conforto físico.
Mas posso orar por você e encher seu espírito de energia!
Estamos ligados pelo anjo, e na hora certa, por sua graça
E presença, ele soltará você do corpo dolorido.
E aí você se livrará da prova pesada, leve e solta
Naquela Luz que você tanto sonha encontrar.
Infelizmente, o seu Céu não está aqui, mas ele virá!
O seu emissário já aportou acima de sua cabeça.
Ele nunca lhe esqueceu e sabe o momento certo
De cada coisa, de cada despertar, de cada vôo...
Sabe, você chora de dor aí, e eu choro aqui, por você.
Na hora certa, o anjo lhe aliviará a carga da carne,
E eu estarei envolvido nisso, como me sinto agora.
Não posso ajudá-la fisicamente, mas minhas energias
Podem ajudá-la a se soltar no momento final.
Não tenho como aparecer para você agora,
Mas estarei junto na hora final, orando e lhe ajudando
Com aquelas energias que erguem o espírito
Às muitas moradas do Pai Celestial.
Você é criança agora, na prova carnal,
Mas também é um espírito imortal
E irmão de caminhada na evolução infinita.
Estamos juntos! Somos irmãos! Sua dor também é minha!
Você chora na África, e eu oro em silêncio aqui no Brasil.
O anjo nos olha, e uma onda de luz azul entra em nós dois.
Então, você levanta a cabeça, e eu reconheço o seu olhar triste.
Esse mesmo olhar, que outrora foi azul, em outro corpo, forte,
Injetado de guerra, no centro da Europa banhada em sangue
Na tristeza da Segunda Grande Guerra Mundial.
Sim, reconheço você, eu era americano, e você alemão.
Lutamos contra, envolvidos na mesma sandice (2).
Mas o tempo, senhor de todas as curas e experiências
Nos colocou de volta na carne, no Brasil e na África.
E agora o anjo nos ligou novamente, em outro contexto.
Está na hora de voar, sem granadas ou ódio.
Está na hora da liberdade real, sem máscaras raciais
Ou jogos de guerra ou de poder, onde todos perdem a paz.
Pouco importa as granadas de ontem, somos irmãos!
E nesse momento, você é apenas uma criança com fome,
E eu um adulto espiritualista, cheio de energia e boa vontade.
Está chegando a hora de livrar-se das moscas e da sede, finalmente.
Na onda azul do anjo estão caindo as últimas ligações de nosso passado
Com as granadas e fuzis de outrora.
Querida, é a Luz que nos guia agora!
Estamos juntos! Somos irmãos! E o azul nos preenche...
Na hora final, pela graça desse anjo amigo,
Estaremos juntos na Luz Astral, como irmãos!
Nem americanos ou alemães, nem brasileiros ou africanos,
Somos mesmo é espíritos imperecíveis (3).
E acima de nós, conhecendo todos os meandros cármicos,
Está o anjo da presença, em silenciosa ação azul.
Você chora aí, e eu aqui, juntos na mesma prisão carnal.
Mas ambos sorriremos, na hora do seu vôo final.
E aí, nos abraçaremos na LUZ, como irmãos! (4)


P.S.: Devido aos trabalhos de assistência espiritual dos quais participo junto com os amparadores extrafísicos , muitas vezes sou levado fora do corpo para prestar ajuda energética e consciencial às crianças africanas que desencarnam vítimas da miséria material que assola aquele continente. Há muitos anos participo espiritualmente dessa atividade de ajuda sutil, e já vi muitos lances em que chorei quietinho a dor dessas consciências jungidas a esses processos cármicos tão doloridos.

Houve vezes em que eu via pela clarividência, durante trabalhos de irradiação energética aqui de casa, as pessoas que iriam receber ajuda mais tarde, durante a assistência extrafísica projetiva.

Certa vez, vi uma mãe africana tentando dar de mamar para o seu filho subnutrido. Contudo, o seu peito estava vazio, pois ela também estava subnutrida. Ambos estavam muito magros e com aparência doentia. Então, tive a certeza de que eles não iriam sobreviver por muito tempo no plano físico. Como essa visão ocorreu enquanto eu exteriorizava energias aqui de casa, e elas estavam sendo direcionada para eles, perguntei a um dos amparadores:

“De que adianta projetar essas energias, se isso não enche a barriga deles de alimento?”

E ele me respondeu:

“Eles irão desencarnar em dois dias aproximadamente, por causa dessas condições difíceis de sobrevivência física. Essas energias projetadas são para “amaciar” as vibrações do corpo espiritual delas, para que na hora do desencarne tudo fique mais fácil, e o desligamento dos filamentos energéticos de seus cordões de prata seja suave e rápido. Isso é o que dá para fazer nessas condições. Pelo menos a assistência no lado espiritual da vida não lhes faltará! E eles serão levados para ambientes extrafísicos apropriados para sua recuperação total. E serão tratados com muito carinho e atenção por diversos benfeitores da seara espiritual. Serão felizes, finalmente, depois da prova cármica difícil, com o espírito livre das correntes do passado infeliz.

Sempre olhe essas situações de vida com os olhos do espírito, além das emoções momentâneas, e preste a ajuda que lhe for possível. Jamais julgue o que vê, apenas auxilie com o coração aberto e a consciência agradecida pela oportunidade de fazer alguém feliz, mesmo que do outro lado da vida, e sinta-se muito bem de ser útil e de ser sensível a essas pessoas que sofrem, seja onde for.

Lembre-se do Espírito do Cristo descendo das Alturas Incomensuráveis do Eterno e abraçando invisivelmente as multidões de sofredores do mundo, físico e extrafísico. Inspire-se Nele e continue trabalhando em nome do Senhor da Vida, que é o único que sabe o tempo certo de cada coisa na existência eterna de todos os seres.

E jamais esqueça: ninguém morre! E além do corpo dolorido que cai, o espírito ascende às Divinas Moradas do Senhor da Vida, brilhante e radiante, vivo e consciente, pronto para novas jornadas evolutivas nesse imenso universo vivo, nossa escola cósmica de manifestação (5).

Faça sua parte com honestidade e dedicação serena: ajude e passe... E deixe o resto com os trabalhadores do Senhor.”

* * *

Bom, finalizando esses escritos, não posso deixar de dizer o seguinte:

“Há muitas outras pessoas espalhadas pelo mundo, que também prestam essa assistência espiritual invisível, mediante suas energias projetadas com finalidades benfeitoras. Somos colegas de serviço invisível. Somos colegas de choros e risos, de amparo e aprendizado, de crescimento e de tarefa, de luz e de espírito. Somos irmãos espirituais, mesmo sem nos conhecermos no físico. Mas em nossos corações nos sentimos em silêncio... Aquele silêncio sereno e amoroso, que nos abraça nas ondas da assistência espiritual, além das limitações dos conceitos de raça, sexo, doutrina ou condição social.”
Paz e Luz.


- Wagner Borges -


Notas:
1. Para melhor entendimento desses escritos, ver a série de textos “Assistência Radiante”, postada em minha coluna da revista on line do site do IPPB – www.ippb.org.br
2. Em todas as guerras há pessoas de bem, de ambos os lados, que foram empurradas para o front da batalha, mesmo sem querer, e aí tiveram que lutar para sobreviver. E o oposto também é verdadeiro: há pessoas complicadas que se aproveitaram do ambiente belicoso para exteriorizarem sua violência e cometerem atos terríveis. Muitos se complicaram carmicamente assim, de ambos os lados.
3. Passando a limpo esses escritos, lembrei-me de um texto que me foi passado espiritualmente pelo amparador Rama e que complementa bem o que aqui está exposto.
Segue o mesmo na seqüência.



UNIÃO

Quando escuto a voz do meu coração,
emana de mim um sentimento intenso,
fruto maravilhoso da compaixão.

Por trás de mim há milhares de vozes,
todas falando de amor, espiritualidade e união.

América, Europa, África, Ásia e Oceania,
Ocidente e Oriente de mãos dadas.

Há hindus reencarnando no Brasil,
chineses nascendo na América,
europeus vivendo na África,
africanos nascendo no Japão,
americanos nascendo no Egito,
extraterrestres reencarnando na Terra
e Deus vivendo em nós todos.

Cristo, Buda, Krishna, Maomé, Fo-Hi, Lao-Tsé,
Hermes Trismegisto, Bábaji, Lahiri Mahasaya,
Paramahansa Yogananda, Ramana Maharishi,
Francisco de Assis, Ghandi, eu e você, caro leitor,
cantando juntos a mesma canção de estar em paz.

Buscando na mesma proporção a sabedoria de unir
o peito e a cabeça (coração e consciência)
por uma manifestação melhor na existência.

Na natureza, há estágios variados de aperfeiçoamento
e estamos inseridos em um deles aqui na Terra,
em algum continente, buscando a experiência.

Mas, na verdade, não existe Ocidente ou Oriente,
só há uma grande bola azulada, chamada Terra,
viajando pelo espaço rumo à Evolução
e precisando de algo chamado UNIÃO.


- Rama -
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - Texto extraído do livro "Viagem Espiritual" - Editora Universalista – 1993.)

4. Para enriquecer ainda mais esses escritos, reproduzo na seqüência um texto extraído do meu livro mais recente: “Falando de Vida Após a Morte” (Publicado pela Editora Madras).
 

SOLDADOS

Era uma guerra.

Seus corpos haviam tombado ensangüentados na lama. Mas, eles brilhavam além dali.

Seus corpos foram danificados por tiros e granadas. Mas, eles ascenderam espiritualmente em corpos de luz, sem dramas. Estavam soltos, flutuando na luz, sem guerra.

Porém, logo abaixo deles, presos àquela atmosfera densa e misturados ao cheiro acre de carne morta e de sangue com lama, ficaram muitos soldados sem fé, aferrados à batalha que já não era deles.

Não ascenderam, pois o ódio não deixou. Em suas mentes distorcidas, o inimigo precisava pagar! Recusaram o convite da luz e perseveraram no ódio. Não estavam mais na guerra, mas ela estava neles.

Presos às suas ilusões, demoraram a perceber a verdade. Retardaram por conta própria a luz benfeitora que iria curá-los além...

Muitos deles estacionaram no umbral espiritual. Outros, finalmente aceitaram os fatos e ascenderam a outras dimensões extrafísicas. Alguns permaneceram agarrados aos desafetos encarnados e aos ambientes densos da Terra. Porém, pela contínua ação dos bondosos amparadores espirituais, foram conduzidos para estações extrafísicas e tratados pacientemente.

No devido tempo, reencarnaram novamente. Estão na Terra mais uma vez, abençoados pela oportunidade da renovação consciencial em outro meio. Porém, ainda hoje, muitos deles estão com suas emoções presas nas trincheiras e nos corpos retalhados do passado belicoso. Inconscientemente, eles guardam as balas e os estilhaços das granadas em suas psiques*.

Eles continuam em guerra, mas não sabem disso. Não conseguem descansar, algo os tensiona por dentro. Muitas dessas reminiscências inconscientes surgem como doenças psicossomáticas, acicatando-lhes a existência e roubando-lhes a paz íntima.

O passado já foi, a guerra acabou, e eles estão em outra vida. Mas, eles não sabem e, dentro deles, as armas continuam disparando incessantemente.

Sua cura é bem simples: basta desligar-se do passado e seguir o fluxo da vida no presente. Eles poderiam mergulhar dentro de si mesmos e com humildade perdoar silenciosamente seus agressores do passado. Bastaria dizer internamente com toda honestidade: "Eu os perdôo pela agressão ao meu corpo de ontem. Também peço perdão pelas agressões que eu possa ter cometido com vocês ou seus colegas. A guerra ficou lá atrás. Vamos viver e aprender a arte da paz."

A cura dos soldados é simples e só depende de uma conversa interior. Talvez, até mesmo em outras dimensões extrafísicas, os antigos adversários percebam que a guerra já passou, mas a vida continua...

A batalha real é contra o egoísmo e a falta de lucidez. Que os soldados esqueçam os antigos inimigos e caminhem resolutamente para frente... EM PAZ!

O perdão cura agressores e agredidos. Liberta a consciência dos grilhões do passado e faz o coração transbordar de luz.

Muitos soldados ainda estão sofrendo nos umbrais extrafísicos. E muitos outros estão encarnados, sofrendo repercussões inconscientemente.

Por intermédio destes escritos, os amparadores convidam os encarnados e desencarnados de todos os lugares para a conversa interior da cura e da paz.

Nada de tiros e bombas, só a luz do Amor curando e abrindo espaço para outras possibilidades de crescimento. O passado foi tragado pelo tempo. No entanto, a consciência está no presente e tem que viver o agora e aprender o que for preciso.

Não há exército inimigo para ser destruído! Só há a GRANDE LUZ chamando os homens para os caminhos da paz.

Tudo começa com a conversa interior, em que o antigo soldado despe-se da belicosidade e torna-se apenas um ser humano tentando viver em paz.

Aos soldados, da Terra e do Além, PAZ E LUZ!**

- Os Iniciados*** -
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges – 07 de janeiro de 2001.)

Notas:
* Psique (do grego): Alma.
** Recebi esse texto no escuro durante um trabalho com o grupo de irradiação energética da salinha de sexta-feira (maneira carinhosa como chamamos a sala do IPPB onde fazemos os trabalhos de irradiação energética silenciosamente para a humanidade. Há cinco grupos, cada um se reúne um dia por semana à noite). Esse texto também reflete um trabalho de assistência extrafísica direcionado para soldados desencarnados em que participei por quatro noites consecutivas junto com os amparadores.
*** Os Iniciados: Grupo extrafísico de espíritos orientais que opera nos planos invisíveis do Ocidente passando as informações espirituais oriundas da sabedoria antiga adaptadas aos tempos modernos e direcionadas aos estudantes espirituais do presente. O grupo é composto por amparadores hindus, chineses, egípcios, tibetanos, japoneses e alguns gregos. Eles têm o compromisso de ventilar os antigos valores espirituais do Oriente nos modernos caminhos do Ocidente, fazendo disso uma síntese universalista. Estão ligados aos espíritos da Fraternidade da Cruz e do Triângulo. Segundo eles, são "iniciados" em fazer o bem sem olhar a quem.


5. Mesmo correndo o risco desse envio de texto ficar extenso demais, não resisto e reproduzo mais um texto pertinente a esses escritos. Dessa vez é a inspiração de Krishna que entra no contexto, para abrir mais o coração e elevar a consciência aos parâmetros de Espiritualidade Superior.
Segue o texto.


A PROMESSA DE KRISHNA

Um dia, há milhares de anos, Krishna e Arjuna caminhavam em silêncio pelo alto de uma montanha, apreciando a paisagem que se descortinava na extensa planície abaixo. Os olhos do Senhor brilhavam, e poderia se dizer que o azul do céu estava neles. Parecia que as miríades de estrelas do universo habitavam aquele olhar sereno e, ao mesmo tempo, divertido, como o olhar de uma criança travessa.

Ele voltou-se para o seu discípulo-arqueiro e disse-lhe:

"Narananda,* os homens carregam o esplendor divino em seus olhos, mas permitem que as hordas inferiores de seus dramas tome posse de suas vidas e os levem ao reino do caos. O resultado disso é a guerra e a miséria. Em lugar do brilho, eles portam um ar de tristeza e sentem-se abandonados pelos céus.

Na verdade, eles foram abandonados por eles mesmos. Esqueceram-se do Supremo que habita em seus corações e entregaram-se às emoções grossas. Permitiram que as ondas trevosas de seus egos chegassem às praias secretas do coração.

Veja, os seus olhos tornaram-se opacos pela tristeza. Parecem seres deserdados da divindade, mas isso não é verdade. Continuam sendo crianças divinas e cheias de potencial criativo.

Meu amigo, eles olham para as estrelas do céu e sentem saudades, mas não percebem as estrelas que brilham nos céus de seus corações. Esperam pela vinda de algum salvador celeste que lhes oriente na jornada e diga-lhes o que fazer, mas não são capazes de acessar as vibrações miríficas que as hostes celestes derramam continuamente sobre eles a partir dos planos sutis.

Ah, homens da Terra!

Falam de perdão sem perdoar. Brincam de amar sem amor. Falam do Supremo com suas bocas tristes e pretendem aprisionar o Divino em seus dogmas violentos. Observam os defeitos alheios e por isso não percebem o tamanho do próprio rabo arrastando-se pelo solo de seus dramas. Parece que se acostumaram à semiconsciência e à inércia consciencial.

No entanto, apesar de tudo isso, ainda são crianças divinas. O tempo lhes orientará na jornada da experiência, e eles crescerão em inteligência e amor. São eternos e são amados pelo Céu mais do que imaginam.

Narananda, Eu os amo incondicionalmente e estarei com eles em todo o tempo de sua jornada na Terra e mais além...

Nada poderá afastar-me deles, nem mesmo as suas ingratidões ou os seus gritos de tristeza descabida. Minhas hostes de trabalhadores invisíveis estarão aportando continuamente as luzes espirituais nos caminhos daqueles que batalharem por dias melhores na existência de todos. Muitos de meus trabalhadores reencarnarão sucessivamente na crosta do mundo e espalharão as luzes do esclarecimento espiritual. Eles serão portadores de clarinadas luminosas e despertarão muitos outros em suas tarefas.

Meu caro, prometo-lhe que nunca deixarei de abraçar invisivelmente a humanidade. Enquanto os homens não despertarem, Eu estarei viajando com eles dentro do coração espiritual. Eles não perceberão minha presença, mas tocarei a minha flauta, e alguns escutarão lindas canções enquanto trabalham no despertar. Outros perceberão a minha dança e o meu sorriso amparando-os sutilmente na jornada.

Você também entrará na roda reencarnatória e servirá aos seus irmãos em meu nome. Viajará com eles por várias vidas, como homem igual e simples, lado a lado, e entregará os frutos de seu labor a Mim, o senhor de sua vida e mentor de seus propósitos.

E quando o seu coração for preso pela angústia e pela solidão, lembre-se do meu sorriso. Em qualquer situação estranha, pense em Mim. Quando você vir o cadáver de uma criança morta ou de um ancião, pense em Mim.

Você sabe: o espírito não nasce nem morre, apenas entra e sai dos corpos perecíveis. Que fogo poderá queimar o eterno? Que água poderá molhar a estrela divina? Que morte poderá matar a consciência espiritual, que não tem idade ou forma e pertence à eternidade?

Ao ver os cadáveres dos homens estirados nos campos de batalha ou nos lugares sitiados pela fome, pense em Mim. Eu abraçarei aqueles que partirem na jornada final e os guiarei pelo reinos espirituais da paz imperecível.

Arjuna, onde você estiver orando pelo bem dos homens, aí Eu estarei. Confia no dharma ** que estou lhe dando e siga trabalhando sem jamais fraquejar diante da incompreensão humana. Eles ainda são crianças, mas despertarão!"


PS: E assim, diz a Espiritualidade Superior que Arjuna e vários discípulos de Krishna estão trabalhando na crosta terrestre e disparando as setas espirituais nos céus escuros do materialismo exacerbado do mundo. Parece que nem mesmo eles se lembram de tudo, mas de vez em quando alguém toca flauta dentro deles e ri junto. E aí, o coração se derrete de amor, e surge o brilho de muitas estrelas nos olhos deles.


Paz e Luz.

- Wagner Borges -
São Paulo, 12 de julho de 2002.


Notas:
* Narananda (do sânscrito): "Nara": O Homem; "Ananda": Bem-Aventurança. Logo, significa literalmente "O Homem portador da Bem-Aventurança de Krishna".
** Dharma (do sânscrito): "missão", "dever", "trabalho", "mérito".

NOTA FINAL (escrita em 06 de agosto de 2004): Enquanto preparo esse envio de texto completo, peço desculpas a todos pela extensão do mesmo. No entanto, quando lidos em conjunto, esses escritos possuem uma certa sinergia espiritual. Espero que a atmosfera espiritual que está aqui comigo enquanto escrevo possa seguir junto com esses escritos.
Esse é um mundo complicado de se viver, cheio de discrepâncias sociais, raciais, religiosas, psíquicas e sexuais. A violência campeia feio nesse plano da matéria (e repercute extrafisicamente nos níveis mais densos do plano extrafísico), e as energias cinzentas oriundas do desequilíbrio humano tentam engolfar todos os que querem pensar e melhorar as coisas de alguma maneira. Por vezes, o desânimo e o pessimismo aparecem para roubar as energias dos melhores propósitos das pessoas.
Essa é a nossa prova atual: navegarmos por essas ondas encapeladas no mar da vida terrestre, e mesmo assim procurarmos navegar com sabedoria, paciência e determinação constantes, sem esmorecer nunca! É difícil, mas a alternativa de baixar a cabeça e aceitar a inércia consciencial me parece bem pior.
Não dá para ser cinzento e se sentir bem!
Não dá para viver com o coração cheio de ódio, pois faz mal à saúde e rebaixa a consciência.
Não dá para fingir que a vida é apenas para comer, beber, dormir, copular e um dia morrer sem sentido algum.
Não dá para deixar de ser um espírito, mesmo passando sufoco na carne.
Não dá para ficarmos cabisbaixos e ensimesmados, não com tanta LUZ dentro da gente!
Não estamos abandonados, estamos na prova da vida prática, e viver não é fácil, principalmente para quem ousa raciocinar e enfrentar o baixo nível de consciência em si mesmo.
Finalizando, não dá para não mandar esses textos juntos, principalmente depois de passar horas escolhendo-os com cuidado e carinho, e sabendo que seu envio é uma maneira de passar idéias positivas e manter a chama espiritual acesa em outros corações.
No Evangelho apócrifo de Tomé há uma passagem que particularmente adoro. É aquela que narra o seguinte:
“Certo dia, Jesus andava com os seus discípulos, quando um sujeito cercou-os e começou a proferir impropérios contra o Rabi. Para cada ofensa que ele gritava, Jesus devolvia amabilidades e palavras serenas. O cara continuava a xingar, e Jesus na dele, só levando o sujeito na paciência e devolvendo palavras amigáveis. Por fim, como Jesus não caía na baixaria, o homem foi embora enfurecido. Logo depois um dos discípulos perguntou ao Rabi:
- Mestre, esse homem lhe ofendeu muito. Por que o Senhor só lhe respondeu com amabilidades?
Daí, Jesus riu e disse-lhe:
- Cada um dá o que tem na sua despensa!”
Pegando uma carona nesse ensinamento genial de Jesus, posso dizer que a minha despensa (e a dos amparadores espirituais que me orientam no trabalho) está cheia de textos e toques conscienciais.
É por isso que os envio: a despensa está lotada. É o que tenho para dar.
É preciso viver, aprender, amar, sorrir e seguir...

- Wagner Borges -
Aprendiz da arte de viver e agradecido a Deus pela despensa estar cheia de coisas legais. Mesmo portando várias deficiências e precisando aprender muitas coisas, mas com a despensa lotada de espiritualidade e boa vontade em compartilhá-las no mundo.

 

ImprimirEmail