O UNI E O VERSO – INTERDEPENDÊNCIA VITAL

(Correlações – Consciência e Imortalidade) - por Wagner Borges - Todos nós somos co-participantes da vida universal. Nossos pensamentos se somam na economia mental. Nossos sentimentos se unem aos sentimentos dos outros, algures... E nossas energias se misturam no grande oceano psíquico. Afetamos e somos afetados por cada ser; interagimos, mesmo sem perceber. Somos mais do que imaginamos; somos mais do que pensamos e sentimos. Fazemos parte da luz universal; nós e as estrelas, no coração do Todo. Somos viajantes – e nossa viagem não tem começo ou fim...
Somos consciências espirituais! Somos um tesouro de luz em forma de gente. Não nascemos nem morremos; só entramos e saímos dos corpos perecíveis. Como ensinava Krishna, “o espírito é eterno; nada pode feri-lo. O fogo não pode queimá-lo, nem a água pode molhá-lo. É o eterno em forma de homem. Assim como um dia veio, ele também vai... e volta - e vai, novamente...” Ah, Govinda, isso é certo, como é certo que somos mais do que supomos. Nenhum cadáver jamais portará o brilho do eterno em seus olhos vidrados. E nenhum espírito jamais será enterrado ou cremado. Sete palmos de terra não seguram a essência, que é imortal e prossegue... E o maior incêndio só destrói as coisas do homem, jamais o espírito, que voa para além... para outros planos, onde os cinco sentidos não chegam e só o coração espiritual sabe ir... A criança e o velho, ambos espíritos. O homem e a mulher, polaridades da vida. O grande e o pequeno, apenas referências; todos nós, partes do mesmo Todo. O escritor e o leitor, dois versos vivos no Multiverso; versos do Todo. O macrocosmo e o microcosmo, também versos do mesmo UM. Ou, melhor dizendo, os nossos corações e o coração do Todo, tudo UM! O UNI e os versos, lados da mesma moeda. Ou seja, o UNIverso. Talvez, por isso, Jesus tenha ensinado, “que não cai um fio de cabelo que o Pai não saiba.” Ele sabia da interdependência de todas as coisas e seres. Ele via isso, pois conhecia o coração do homem e sentia o coração do eterno. Esse mesmo eterno que somos nós, em forma de gente. P.S.: “Há uma luz que brilha mais Do que bilhões de sóis juntos. É a essência da alma. Essa é a luz que mora no coração.” - Esses escritos são dedicados ao grande filósofo brasileiro Huberto Rohden. Paz e Luz. São Paulo, 07 de agosto de 2007.

Nota: * Govinda – do sânscrito – é um dos nomes de Krishna, considerado pelos hindus como o “pastorzinho das almas”.

ImprimirEmail