SOL DE AMOR – NAS MÃOS, NOS OLHOS E NO CORAÇÃO

- Por Wagner Borges -

É noite, amigo.
Mas não está escuro.
Há um sol aqui!
Bem no coração.

O poeta compreende.
Ele também é viajante...
Voa nas asas do amor.
E pega os versos no infinito.

Dá para ver longe...
Lá em cima, no Cruzeiro do Sul,
O rastro dos seus versos.
E um pedacinho do seu coração.

Mas quem vê é outro coração.
Aceso na noite, na forja do amor.
Como um sol secreto no meio do peito.
Que ilumina, mas não ofusca.

Ah, meu amigo, quem sente essa luz?
É noite, e está tudo tão claro!
Dá até para ver a tapeçaria sideral,
Dentro do próprio coração.

Sei que você compreende...
Pois essa luz também iluminou suas noites.
E fez você voar até o Cruzeiro do Sul,
Para pegar a elegia que vem de longe.

Sabe, eu sei o que você sentiu.
A luz me mostrou. Aqui mesmo.
Bem dentro do coração.
Onde o amor faz ver estrelas.

É noite, mas está tudo claro.
Por isso, escrevo. E você sabe por que.
Talvez o amor viaje junto com esses escritos...
E outros compreendam sua atmosfera sutil.

Sim, talvez outros voem até o Cruzeiro do Sul.
Certamente, em espírito. Deslizando na luz suave...
E, talvez vejam você e Pablo Neruda conversando,
Sobre a elegia que vem de longe...

Meu amigo, tudo está claro e sereno por aqui.
É noite, mas raiou a aurora dentro do meu coração.
E é amor demais para segurar a onda.
Por isso escrevo: para dar vazão a esse amor.

E você conhece muito bem essa praia.
Então, lembrei-me de você, para grafar essas linhas.
Escrevo com você nas mãos, nos olhos e no coração.
E pensando no Cruzeiro do Sul.

O amor que um dia mergulhou em seu coração,
Também mergulhou em mim.
E, agora, está tudo tão claro e calmo,
Nessa noite – que é manhã dentro do peito.

Com carinho e admiração, poetinha.

(Essas linhas são dedicadas a Vinicius de Moraes).

Paz e Luz.

São Paulo, 01 de março de 2008.


ImprimirEmail