SONO E LUCIDEZ

- Por Wagner Borges -

Ao apagar no sono comum, a pessoa perde a consciência de si mesma durante algumas horas. Logo, dormir é mergulhar na inconsciência e, portanto, no desconhecido.
Isso leva às seguintes questões:

Quando a pessoa dorme, onde está sua consciência? 
Bloqueada dentro do corpo ou projetada fora dele? 
Consciente, semiconsciente ou inconsciente? 
Iluminada por objetivos sadios? 
Ou obnubilada por interesses escusos?
 
Mesmo sem ter conhecimento específico do assunto, o ótimo escritor e cronista gaúcho Luís Fernando Veríssimo também se perguntou o mesmo em um de seus artigos para a revista "Veja". E tocou no assunto de forma tão magistral, que resolvi reproduzi-lo na sequência:

REFLEXÕES NO ESPELHO

"Por onde a gente anda quando dorme
Pra acordar com essa cara disforme
De quem fez o que não devia?

E este gosto na garganta
É o resto de que janta
De que secreta ambrosiana
De que gim ou malvasia?

E se só estivemos no leito
Por que acordar deste jeito
Com esse olhar de pouco assunto?

Prá onde vai meu ser noturno
Prá me deixar assim soturno
E por que não me leva junto?"

- Luís Fernando Veríssimo – 
(Revista Veja – 11 de janeiro de 1989 - Pg. 19 - Editora Abril.)

(Extraído do livro "Viagem Espiritual – Vol. 2" - Editora Universalista – 1995.)

ImprimirEmail