UM ANJO COM CARA DE GENTE

Quando eu levantei-me das cinzas de meus infortúnios, você estava lá me esperando com a mão estendida.

Não me recriminou, apenas estendeu-me a mão e sorriu.

E eu senti o toque de um amor incondicional.

O tempo passou e recuperei-me.

Descobri novos rumos e caminhei...
Foi duro, mas verguei meu ego e aprendi o valor de um sorriso.

Acho que você já sabe, mas seu sorriso silencioso e seu abraço na hora providencial arrebataram-me do fundo do poço.

Nos piores momentos de minha recuperação, era de você que eu me lembrava.

Eu era inconseqüente e injusto com todos, mas um anjo velava por mim.

Eu não sabia que os anjos eram dotados de tanta paciência e nem que tinham cara de gente.

Imaginava-os lá no Céu e distantes de caras como eu.

Mas o descobri com a mão estendida para mim no meu buraco dolorido e trevoso.

Sabe, sei que você não gosta de ser chamado de anjo.

Mas para mim você tem asas brilhantes, apenas disfarçou-as de mãos estendidas.

Inclusive, sei que você diminuiu sua própria luz para não brilhar tanto nem machucar caras obscuros como eu.

Você tem cara de gente, mas seu sorriso não é daqui.

E esse brilho em seus olhos denuncia tanta coisa...

Algo me diz que você é um anjo solar que baixou na cova de um homem trevoso e injusto.

Cara, sem a sua mão estendida, onde eu estaria agora?

Gostaria que o mundo soubesse que caras trevosos também são amados.

Que os anjos visitam as covas trevosas e transformam infelizes recalcitrantes em seres trabalhadores.

Que além do ego e da dor, pontificam seres solares cheios de presentes em forma de luz e sorrisos silenciosos.

Que o amor é capaz de transformar qualquer coisa.

Que uma mão estendida na hora certa representa muito e que os olhos brilhantes ensinam mais do que milhões de livros.

Que alguém é capaz de sair da cova de suas dores e tocar a vida em frente...

Além do orgulho que enterra suas melhores chances.

Eu fui visitado por um anjo com cara de gente e saí da cova do ego.

Ele ensinou-me a brilhar em meio às experiências de vida.

Ele ensinou-me a voar, além dos sonhos.

Ele me amou e eu aprendi o valor do amor incondicional.

Ele voou e levou-me junto, além das covas, rumo ao Sol.

Dizem que os amparadores são apenas pessoas extrafísicas.

Mas, para mim, são anjos com cara de gente e moram no Sol.

E um deles continua sorrindo para mim...

Além do sonhos, for ever.


- Wagner Borges -
São Paulo, 24 de novembro de 2000.

- Enquanto eu escrevia esse texto, rolava no som a maravilhosa música "One Voice" de Billy Gilman (Cd. "One Voice").
- Enquanto eu passava a limpo esses escritos, lembrei-me de um belo poema escrito por Amado Nervo. Segue o mesmo na seqüência:
continua

ImprimirEmail