1731 - IEMANJA - MÃE, MAR E LUZ... - II*

 
 
1731 iemanja mae mar e luz ii
 
 
IEMANJA – MÃE, MAR E LUZ... – II*
De Salvador a São Paulo, na Força das Águas
 
Minha Senhora Iemanjá...
Permita-me essas palavras, vindas diretamente do meu coração.
Pois, desce uma linda energia azulada por cima de minha cabeça...
Uma luz branca brilhante acende os meus chacras...
Eu sei que é o Seu Amor descendo sobre mim.
De São Paulo a Salvador, Odoya, Odoya!**
Eu viajo no seu colo cálido, Mãe...
E todos nessa nau de metal também!
Mesmo aqui no ar chegam as energias das suas águas.
Porque as ondinas vieram em seu nome.
Elas evaporaram por sobre o mar da Bahia...
E condensaram-se espiritualmente em São Paulo.
Ah, Iemanjá, elas vieram viajar comigo...
Para me guiar até a terra que “Salva a dor”.
Dentro do avião, elas me disseram:
“Lembre-se daquela que acende os seus chacras na força do Amor.
Ela, a Mãe das águas, a qual os espíritos luminosos também admiram.
Essa Rainha do mar, que com seu manto azul e branco, envolve a todos.
Ela é o seu colo espiritual nas praias de todos os lugares.
Viaje pensando nela, ó rapaz!”
Então, Mãe, na alegria fluida das ondinas, eu agradeço o seu carinho.
Que, no Astral de Salvador, eu seja digno de sua proteção espiritual.
E que, por onde eu for, seja o Seu Amor a brilhar nos meus chacras.
Obrigado, Mãe.
Iemanjá, Odoya!
 
P.S.:
Escrevi essas linhas dentro do avião, entre o trajeto de São Paulo para Salvador, quando senti as energias do carinho da Mãe das águas, envolvendo-me espiritualmente. Então, fiz esses escritos em homenagem a esse Amor que sempre me ampara quando viajo para a linda capital da Bahia.
 
Paz e Luz!
 
- Wagner Borges – mestre de nada e discípulo de coisa alguma.
São Paulo, 22 de janeiro de 2020.
 
- Notas:
* A primeira parte desse texto está postada nesse link:
Obs.: Ver também o texto “Nos Braços de Iemanjá: Quando o Rio Vira Mar”, nesse link:
** Iemanjá - no Brasil, Iemanjá está associada ao mar, embora na África esteja mais vinculada à desembocadura dos rios. Nas lendas africanas ela é tida como filha de Olokum, deusa do mar, Mãe que criou muitos Orixás.>
Na Bahia, as festas se realizam no dia 2 de fevereiro, no bairro do Rio Vermelho, com repercussão nacional. Seus instrumentos são o abebé cor de prata e uma espada. Sua saudação espiritual é "Odoiyá!"


Texto <1731><22/04/2020>

Tags: Wagner Borges

Imprimir